Proposta de pesquisa, extensão e ensino nas áreas de Português e Inglês para os discentes do Ensino Médio das escolas públicas e para a comunidade

Cleiliane Sisi Peixoto

Graduada em Letras/Língua Portuguesa (UFG), doutora em Estudos Linguísticos (Unesp), professora de Linguística e Língua Portuguesa (IFG - Câmpus Goiânia)

Não obstante a notória relevância de todas as disciplinas integrantes do Ensino Médio para a aquisição de um bom resultado no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a obtenção de excelência no âmbito das linguagens configura-se um imperativo. Isso se justifica à medida que, além de constituir uma área de forte peso, devido à alta pontuação exigida na redação e ao elevado número de questões relacionadas à literatura, à interpretação textual e à análise linguística (tanto em Língua Portuguesa quanto em Língua Estrangeira), tal área oferece subsídios de interpretação imprescindíveis para um bom desempenho tanto nas ciências exatas (Física, Matemática e Química), quanto no âmbito de humanidades (Filosofia, Geografia e História) e ciências da natureza (Biologia, Química e Física).

Esses argumentos atestam a pertinência de uma prática científico-pedagógica no âmbito de Linguagens no Ensino Médio das instituições escolares públicas que, além de ofertar aos alunos um ensino preparatório para o Enem, estimule o desenvolvimento de pesquisas científicas na área, com o propósito de não somente usá-las em benefício próprio, mas de compartilhá-las com a comunidade externa mediante atividades de extensão.

Assim, conforme será detalhadamente apresentado na Seção 2 deste projeto, propõe-se a consolidação de um grupo de estudos linguísticos em Português e Inglês que contemple a natureza das provas do Enem, visando, concomitantemente, a preparar os alunos para o Exame e a incentivá-los à iniciação de pesquisas científicas nessa área, reforçando o senso de responsabilidade com o progresso da comunidade por meio da aplicação dos resultados em oficina aberta ao público externo.

Esta proposta torna-se relevante à medida que, além de atender aos anseios educacionais dos alunos em obter médias altas no Enem, contribuirá com o aperfeiçoamento do público externo, promovendo uma prática científico-pedagógica adequada às aspirações tanto dos discentes quanto da comunidade de modo geral.

Justificativa e relevância

Conforme já salientado, a obtenção de um bom desempenho no Enem é de suma importância para os alunos, haja vista que constitui o ingresso para um curso superior em instituição pública. Trata-se de uma forte aspiração dos discentes do Ensino Médio e muitos concluintes desse nível de ensino.

Assim, para a configuração de um cenário de competitividade justo e coerente com os alunos, é imprescindível a adoção de uma prática científico-pedagógica respaldada na busca pela equidade, cujo alcance implica necessariamente a oferta de subsídios educacionais igualitariamente convenientes e adequados ao fim almejado.

Conforme já salientado, o domínio na área de Linguagens exerce indubitável importância não somente no Enem, mas também nas relações profissionais e interpessoais, entre outras. No que tange ao Enem, além de todas as disciplinas requisitarem necessariamente a habilidade de interpretação textual, 45 questões são reservadas especificamente para Língua Portuguesa e Língua Inglesa, abordando análise linguística, interpretação textual e literatura, mediante o uso de textos de naturezas diversas: jornalísticos, propagandísticos, científicos e literários, entre outros. Dessas questões, 40 são reservadas para Língua Portuguesa e 5 para Língua Estrangeira (inglês ou espanhol, segundo a opção do aluno).

Essa situação conduz à constatação óbvia da relevância do domínio de Linguagens pelos discentes, principalmente devido ao alto peso da redação no Enem, mil pontos. Além de uma excelente habilidade argumentativa, é imperativo o domínio da modalidade culta da Língua Portuguesa e dos mecanismos de textualidade, assim como o enquadramento do texto dissertativo-argumentativo aos critérios da Cartilha do Estudante, um material que, disponibilizado pelo Ministério da Educação (MEC), apresenta os parâmetros para a elaboração da redação no Enem, com o propósito de elucidar os estudantes quanto à metodologia de avaliação utilizada.

No entanto, além das dificuldades enfrentadas no âmbito das Línguas Portuguesa e Inglesa ao ingressar no Ensino Médio, muitas vezes decorrentes de falhas no processo de escolarização anterior, os alunos, de modo geral, não estão habituados à natureza das questões do Enem, tampouco aos seus critérios de avaliação de textos dissertativos-argumentativos, fator que lhes gera insegurança, frustração e outros transtornos psíquicos.

Nesse sentido, é imprescindível a constituição de um grupo de pesquisas linguísticas sobre as referidas disciplinas que enfoque primordialmente estudos condizentes com a natureza das questões contempladas no Enem, estimule a prática científica e contribua com o aprimoramento educacional da comunidade externa.

É, portanto, na medida em que se visa a oportunizar condições de escolarização fundamentais para os discentes provenientes de escolas públicas ingressarem no curso pretendido da instituição de ensino superior almejada, que esta proposta se justifica relevante.

Proposta de trabalho: objetivos gerais e específicos

Propõe-se a formação de grupo de estudos linguísticos em Português e Inglês no Ensino Médio em instituições escolares públicas com o intuito de:

  • Preparar os alunos para o Exame Nacional do Ensino Médio;
  • Incentivar a prática de pesquisas científicas;
  • Com o auxílio de monitores (alunos selecionados do 3º ano), aplicar os resultados dos estudos em oficina aberta ao público externo, a fim de contribuir com o seu aprimoramento educacional e científico, além de colaborar com o desenvolvimento do exercício da cidadania pelos alunos da instituição escolar, à medida que se instiga a responsabilidade pelo progresso da sociedade de modo geral.

Mais especificamente, pretende-se:

  • Desenvolver e orientar estudos concernentes às línguas portuguesa e inglesa consoantes a natureza das provas do Enem. Uma vez que são abordadas questões de interpretação, análise linguística e literatura em ambas as línguas, enfocar-se-ão estudos dos fenômenos da linguagem pertinentes à essência das questões. Assim, por exemplo, no âmbito de interpretação textual e análise linguística, abordar-se-ão fenômenos das línguas em situações reais de interação comunicativa, considerando primordialmente as condições de enunciação (contexto sócio-histórico, político, cultural ideológico e pragmático). Desse modo, serão analisados fenômenos como: polissemia, geradora de ambiguidade, em muitos contextos; e elementos de coesão textual, responsáveis pela materialização da construção de sentidos coerentes, entre outros, mediante o uso de textos diversos provenientes de diferentes gêneros discursivos: charges, textos propagandísticos, científicos, artigos de opinião etc. No âmbito da literatura, pretende-se realizar uma revisão dos períodos literários das referidas línguas, ressaltando os pressupostos literários referentes a cada movimento e as características dos principais escritores. No que tange à redação, o objetivo é abordar os passos para a construção de textos dissertativos-argumentativos de acordo com os critérios estabelecidos pela Cartilha do Estudante e instigar a produção exaustiva de textos baseados em temas sociais correntes;
  • Publicar folhetins com informações linguísticas mais relevantes para a natureza das provas do Enem e distribuí-los para todos os alunos da instituição escolar, com o propósito de contribuir com o seu aprimoramento;
  • Produzir relatórios finais, com o intuito de descrever todas as etapas de execução do projeto: a definição dos fenômenos linguísticos, o desenvolvimento dos estudos, as discussões em grupo, a aplicação dos resultados das pesquisas por meio de oficina, a publicação e distribuição dos folhetins e, inclusive, o relatório final.

As propostas apresentadas neste projeto de ensino, pesquisa e extensão se justificam relevantes à medida que, por almejarem o desenvolvimento de estudos preparatórios para o Enem no âmbito das línguas portuguesa e inglesa, atendem às necessidades educacionais e científicas dos alunos, além de favorecer o reconhecimento público da qualificação da instituição.

Procedimentos metodológicos

O cumprimento dos objetivos propostos neste projeto de pesquisa e extensão pressupõe a execução de etapas imprescindíveis:

  • Divulgação da proposta do grupo de estudos linguísticos para os alunos do 3º ano especificamente: imprescindível ao desenvolvimento do projeto, primeiramente é necessário divulgar a proposta sistematizada de implantação de um grupo de estudos linguísticos em Português e Inglês aos alunos do 3º ano, a realizar-se em horários diferentes dos das aulas, em reuniões semanais, com duração de uma hora e quarenta minutos;
  • Seleção de monitores para a formação dos subgrupos de pesquisa: esta etapa prevê a seleção de alunos do 3º ano interessados em ser integrantes do grupo de estudos e monitores dos subgrupos de análise linguística. A seleção, que se dará por meio da análise do desempenho acadêmico escolar, prevê a determinação de quinze alunos para constituir os cinco subgrupos temáticos (sendo três alunos por subgrupo), assim especificados: redação, análise e interpretação da Língua Portuguesa, Literatura em língua portuguesa, análise e interpretação da Língua Inglesa, Literatura em língua inglesa. Além do conhecimento adquirido e da prática quanto à iniciação científica, os alunos selecionados receberão certificados com horas de atividades dedicadas ao projeto;
  • Definição dos fenômenos linguísticos a serem investigados pelos subgrupos: após selecionados os monitores, serão distribuídos os temas de análise para cada subgrupo;
  • Desenvolvimento das pesquisas: em seguida, os temas selecionados serão analisados por cada subgrupo sob a orientação do/a professor/a orientador/a;
  • Discussão dos resultados das pesquisas e definição do programa de extensão: após concluídas as pesquisas, realizar-se-á a discussão dos resultados de cada subgrupo com todos os integrantes do grupo. Em seguida, definir-se-á o programa para a execução da oficina aberta à comunidade externa, momento de aplicação dos resultados das pesquisas;
  • Divulgação das vagas da oficina para os alunos do 3º ano e para a comunidade externa: após estabelecido o programa da oficina, passar-se-á à oferta das vagas. Serão disponibilizadas 60 vagas para serem preenchidas primeiramente pelos alunos do 3º ano da instituição escolar; as vagas remanescentes serão divulgadas para a comunidade externa mediante rádio e divulgação nas escolas públicas;
  • Seleção da comunidade externa para o preenchimento das vagas remanescentes: a seleção do público externo para a participação nas oficinas dar-se-á pelos seguintes critérios: estar cursando ou ter cursado o 3º ano há, no máximo, um ano em instituição pública; ter realizado os estudos dos Ensinos Fundamental e Médio em escolas públicas; ter baixa renda; apresentar bom rendimento escolar;
  • Aplicação dos resultados das pesquisas em oficina para o público interno e externo: após preenchidas as vagas, será realizada a oficina de estudos linguísticos no auditório da instituição escolar ou em outro espaço adequado, momento em que serão aplicados os resultados das pesquisas, tanto pelos alunos quanto pelo/a professor/a orientador/a;
  • Discussão do grupo de estudos acerca da aplicação dos resultados: em seguida, passar-se-á à discussão dos resultados da aplicação das pesquisas;
  • Publicação dos resultados mais relevantes das pesquisas em folhetins e distribuição para os alunos da instituição escolar: após a discussão dos resultados de todo o programa de pesquisa, extensão e ensino, serão publicados os resultados mais relevantes das pesquisas em folhetins e distribuídos para todos os alunos da instituição escolar. Produzido mediante patrocínios, o material publicado abordará aspectos da Língua Portuguesa, da Língua Inglesa e de textos dissertativos-argumentativos pertinentes à preparação para o Enem;
  • Produção de relatórios finais: por fim, os monitores e o/a professor/a orientador/a do grupo de estudos produzirão relatórios finais, com o intuito de relatar todas as fases de execução do projeto.

O Quadro 1 apresenta uma proposta ilustrativa de cronograma de execução do projeto.

Quadro 1: Proposta ilustrativa de cronograma de execução

Etapas de desenvolvimento do projeto

Ano

Jun

Jul

Ago

Set

Out

Nov

Dez

Jan

Fev

Mar

Abr

Mai

1. Divulgação da proposta do grupo de estudos linguísticos

X

                     

2. Seleção de monitores

X

                     

3. Definição dos fenômenos linguísticos

 

X

                   

4. Desenvolvimento das pesquisas

 

X

X

X

X

             

5. Discussão dos resultados das pesquisas e definição do programa de extensão

         

X

           

6. Divulgação das vagas da oficina

         

X

           

7. Seleção da comunidade externa

         

X

           

8. Aplicação dos resultados das pesquisas em oficinas

           

X

X

X

X

X

 

9. Discussão do grupo de estudos acerca da aplicação dos resultados

                   

X

 

10. Publicação e distribuição dos folhetins

                     

X

11. Produção de relatórios finais

                     

X

Resultados esperados

Em geral, espera-se que:

  • Os estudos em Língua Portuguesa e Língua Inglesa contribuam efetivamente para que os alunos do Ensino Médio da instituição pública, assim como a comunidade, alcancem um bom desempenho nas provas do Enem, tendo atendidas as suas necessidades educacionais. Mais especificamente, espera-se que todos os participantes do grupo percebam que a análise dos elementos linguísticos somente tem sentido uma vez consideradas as condições de enunciação dos usos da linguagem, isto é, o contexto social, político, histórico, cultural, ideológico e pragmático;
  • Os alunos constatem a relevância da ciência para o progresso da sociedade nos âmbitos educacional, profissional, tecnológico e intelectual. Além disso, que lhes seja instigado o interesse pela prática científica de modo geral, não somente no âmbito linguístico;
  • Os monitores, colaboradores do projeto, percebam-se como entidades mediadoras de duas instâncias – a escola e a comunidade –, e que, por isso, são responsabilizados pelo progresso da sociedade, devendo aplicar na segunda instância as práticas e conhecimentos agregados na primeira, exercendo a cidadania;
  • Os resultados mais pertinentes dos estudos, publicados nos folhetins e distribuídos para todos os alunos da instituição escolar, favoreçam seu aprimoramento;
  • O bom desempenho dos alunos no Enem, na prática científica e nas atividades de extensão favoreça a qualificação da instituição escolar, assim como o devido reconhecimento público.

Considerações finais

Por fim, cabe considerar que, não obstante a realização de uma proposta de pesquisa, extensão e ensino pressuponha a coerência entre justificativa, relevância, objetivos e procedimentos metodológicos, o seu bom desempenho requer ainda fatores outros não explicitados aqui, como empenho, responsabilidade e compromisso com as necessidades educacionais e científicas dos alunos e da comunidade, características que o professor/pesquisador seguramente deve ter.

Referências

ABAURRE, M B. M.; RODRIGUES, A. C. S. (Orgs.). Gramática do português falado, vol. VIII. Campinas: Editora da Unicamp, 2002.

BOSI, A. História concisa da literatura brasileira. 2ª ed. São Paulo: Cultrix, 2000.

BRASIL. MEC. Cartilha do Estudante - Redação no Enem 2016. Brasília: MEC/INEP, 2016.

CASTILHO, A. T. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

CITELLI, A. O texto argumentativo. São Paulo: Scipione, 1994.

CROFT, W. Typology and Universals. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

GIVÓN, T. On understanding grammar. New York, San Francisco, London: Academic Press, 1979.

LAGE, H. L. et al. Leitura de textos em inglês (uma abordagem instrumental). Belo Horizonte: Edição dos Autores, 1992.

MOISÉS, M. A literatura portuguesa. São Paulo: Cultrix, 1999.

NEVES, M. H. de M. Gramática de usos do português. São Paulo: Araraquara, 2000.

______. A gramática – história, teoria e análise, ensino. São Paulo: Editora da Unesp, 2002.

PEIXOTO, C. S. Polissemia nos usos do verbo ter: arbitrariedade ou iconicidade? Tese (Doutorado), Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas de São José do Rio Preto, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São José do Rio Preto, 2012.

SAYEG-SIQUEIRA, J. H. Organização do texto dissertativo: São Paulo: Selinunte, 1995.

SILVA, A. M. Literatura Inglesa para brasileiros. Rio de Janeiro: Ciência Moderna, 2005.

VOTRE, S. J.; NARO, A. J. Mecanismos funcionais do uso da língua. Revista D.E.L.T.A., v. 1, nº 2, p. 169-184, 1989.

WATKINS, M. P. T. Gramática da língua inglesa. São Paulo: Ática, 2002.

Publicado em 28 de setembro de 2021

Como citar este artigo (ABNT)

PEIXOTO, Cleiliane Sisi. Proposta de pesquisa, extensão e ensino nas áreas de Português e Inglês para os discentes do Ensino Médio das escolas públicas e para a comunidade. Revista Educação Pública, v. 21, nº 36, 28 de setembro de 2021. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/21/36/proposta-de-pesquisa-extensao-e-ensino-nas-areas-de-portugues-e-ingles-para-os-discentes-do-ensino-medio-das-escolas-publicas-e-para-a-comunidade