Terrário de samambaias: análise do desenvolvimento da planta e do ciclo da água

Beatriz Santana de Andrade

Técnica em Logística (IFTM) e discente em Ciências Biológicas (Unipam)

Elen Cristina Soares da Silva

Discente em Ciências Biológicas (Unipam)

Lorrayne de Barros Bosquetti

Doutora em Ecologia Aplicada (Cena/Esalq/USP), mestre em Botânica (UFV), bacharel em Ciências Biológicas (UFG), docente do Unipam

Há 400 milhões de anos as samambaias ocuparam o ambiente terrestre, fornecendo habitat e alimentos para os animais. Também foram importantes no processo de nutrição do solo e no surgimento de novas espécies, sendo consideradas plantas pioneiras (Rothwell; Stockey, 2008).

A samambaia é uma pteridófita que não produz flores, frutos nem sementes; por isso, sua dispersão é feita pelo vento, ao espalhar seus esporos, e suas áreas de maior proliferação são as zonas tropicais e subtropicais (Barros et al., 2006; Zuquim et al., 2008). Sua distribuição geográfica é intrínseca e se relaciona com fatores abióticos como temperatura, umidade e pH do solo. Ela habita solos úmidos, necessitando regas regulares; sobrevive com baixa luz solar.

Sendo assim, a samambaia é uma ótima espécie ornamental, pois pode ser facilmente encontrada e cultivada. Assim como outras espécies, é ótima para umidificar o ambiente e melhorar a qualidade do ar, decorrente do seu processo de transpiração. Além disso, há suposições populares de que seu uso pode ser feito em diferentes casos medicinais; assim, a planta ganha grande destaque na sociedade, tanto por suas propriedades medicinais não confirmadas como no uso de decoração de ambientes.

A planta estudada está presente em vários lares e comércios, sendo uma espécie apreciada e popularmente comum. Nesse viés, este estudo traz uma visão ampliada da utilidade das samambaias, busca suprir as curiosidades e os cuidados com ela, apresentando características interessantes observadas em amostras domésticas e sua importância ecológica para a melhoria da qualidade de ambientes e do bem-estar. Além disso, busca incentivar a construção de terrários, bem como o aprendizado prático e fácil em sala de aula, seja de modo remoto ou presencial, agregando ao ensino em pandemia e aos métodos direcionados às crianças e aos jovens.

Objetivos

Este projeto tem como objetivo apresentar a montagem e a importância didática do terrário e como pode ser usado para compreender melhor os habitats e os ciclos fundamentais dos seres vivos.

Etapa 1: Delineamento

  • Compreender e analisar o nicho da espécie durante o período do projeto e conhecer seus aspectos gerais dentro da importância ecológica;
  • Realizar práticas de ensino direcionadas para o Ensino Fundamental e o Médio na pandemia, levantar dados qualitativos da pesquisa e a construção do protótipo.

Etapa 2: Análise ecológica

  • Aprofundar os conhecimentos práticos e aplicados de Ecologia por meio do terrário, discutindo o ciclo da água, as relações abióticas e a importância ecológica da samambaia;
  • Observar a saúde da planta antes de ela entrar no terrário, traçar relações ecológicas e aspectos necessários para a sua sobrevivência, focando no ciclo da água nesse ambiente.

Materiais e métodos

Um modelo didático é um sistema figurativo que reproduz a realidade de forma esquematizada e concreta, tornando-a mais compreensível ao aluno (Della Justina et al., 2003). Para Oliveira (2009), a construção de um terrário proporciona a compreensão das necessidades básicas dos seres vivos e suas interdependências, além de ser uma atividade que proporciona diferentes discussões. Os métodos são divididos em três etapas: 1) obtenção dos materiais; 2) preparação dos materiais; 3) abordagem teórica, execução e montagem dos terrários (Freire, 1987). Para isso, foram utilizados os seguintes materiais: pedras decorativas, húmus de minhoca, terra vegetal, musgo verde, samambaia e dois potes de vidro com tampa.

Figuras 1 e 2: Materiais envolvidos na montagem dos terrários

O tipo de estudo é qualitativo, visto que há a observação e a experimentação da samambaia no ambiente criado no terrário. A samambaia não foi identificada porque pode ser didaticamente substituída por avencas, suculentas e daninhas, entre outras.  A parte observacional tem o intuito de analisar o desenvolvimento da planta no terrário durante um período de um mês e oito dias após sua produção, e como o ciclo da água se comporta, bem como os fatores físicos e químicos que interferem no desenvolvimento da planta. O processo experimental visa a compreensão e o esclarecimento da metodologia de terrários que são criados para o uso ornamental, ecológico e, principalmente, lúdico como prática de ensino.

Os terrários foram expostos a condições físicas e químicas equiparadas ao nicho fundamental da planta; a montagem foi realizada na cidade de Patos de Minas e desenvolvida em duas residências devido a restrições impostas pela covid-19, realizando-se pelo modelo remoto de ensino durante a condução da disciplina de Ecologia Geral do curso de Ciências Biológicas.

A amostragem é de dois indivíduos da mesma espécie em ambientes diferentes, analisando a qualidade do substrato usado para a saúde da planta e as influências dos elementos externos do meio. Nesse contexto, o intuito é perceber como cada amostra se comporta em tais condições e observar quais as melhores opções para o tratamento da planta durante o período no terrário. A análise foi feita durante o período de 14 de maio de 2021 a 21 de junho de 2021, uma vez ao dia, de acordo com os aspectos das plantas, após suas regas. Subsequentemente, retrata-se o ocorrido no experimento por meio de fotografias e relatos.

A inclusão das amostras é definida pelo desempenho no terrário, desde que apresentem a realização da fotossíntese e características que demonstrem que houve ciclo da água. Caso não haja nenhuma percepção do que foi citado, o terrário é excluído e considerado como falha, já que uma planta não poderia sobreviver sem tais condições abióticas.

Os dados são coletados a partir da observação do desenvolvimento das samambaias no ambiente proposto. Averiguando se os itens escolhidos para desenvolver o terrário são adequados para a saúde e a sobrevivência da planta nesse ambiente, para que assim, ao fim do período de observação, seja possível notar se as condições oferecidas em um terrário são capazes de manter a samambaia saudável (Jaques et al., 2001). Analisa-se o nicho fundamental da planta, incluindo o comportamento do ciclo da água nesse ambiente e as necessidades previstas para o bom desempenho do ser. Há também o estudo das qualidades que a samambaia pode oferecer para o meio encontrando-se nessas condições de habitat, averiguando se há melhoria no ar e umidade do ambiente e se o terrário se enquadra em uma boa opção ornamental.

Resultados e discussão

Inicialmente, é importante ressaltar a importância ecológica que o terrário representa. O terrário fechado é uma miniatura do nosso meio ambiente, já que apresenta água, luz, temperatura, clima, nutrientes do solo e seres vivos. Assim, o terrário é um ambiente tão importante ecologicamente quanto qualquer outro, desde que seja desenvolvido corretamente e adequado para o ser vivo que será instalado nele. Além disso, é um dos ambientes mais adequados para se analisar o ciclo da água com mais facilidade e clareza, visto que, por ser um ambiente fechado, em seu interior a temperatura se eleva, fazendo a água líquida colocada nesse meio evaporar no decorrer da sua exposição à luz e se condensar nas paredes do recipiente, voltando à sua forma líquida até que retorne ao solo oferecido no terrário (Oliveira; Campos; Persich, 2018).

Posteriormente, pode-se citar que a samambaia é importante na manutenção da umidade de ambientes, já que suas raízes retêm a água e em seguida a distribui no solo e no ar; assim, ela contribui com a microflora e a microfauna edáfica, que são fundamentais para a manutenção dos ecossistemas (Brade, 1940). Algumas espécies têm a capacidade de anular toxicidade e fundamentar a restauração e conservação de ambientes (Tu; Ma, 2005), também são indicadoras da tipagem dos solos ácidos em ambientes (Sota,1971). Além disso, a samambaia é uma espécie que se destaca muito no aspecto ornamental, sendo uma das principais opções na decoração de ambientes públicos e muito presente em residências, de acordo com pesquisas feitas via Google Forms para o desenvolvimento deste projeto. Dessa forma, é interessante destacar que o ambiente de um organismo consiste em um conjunto de influências externas exercidas sobre ele, as quais são representadas por fatores e fenômenos. Tais fatores podem ser físicos e químicos (abióticos) ou mesmo outros organismos (bióticos). Assim, os fatores abióticos que contribuem para a saúde e a dispersão dessa espécie, são: ar, luminosidade, água, temperatura, pH e umidade (Begon; Townsend; Harper, 2007). De acordo com Paula, Silva e Nascimento Junior (2013), é possível entender, além do ciclo da água e da troca de nutrientes, que há interações dos componentes bióticos e abióticos, promovendo uma inter-relação entre os elementos do meio.

Figuras 3 e 4: Respostas dos alunos de Ciências Biológicas do 1º período, via Google Forms. A primeira pergunta indica que 83,3% acreditam que a vertente ecológica é a mais importante das samambaias. A segunda traz que 75% dos alunos afirmaram possuir samambaia em suas casas.

Para o desenvolvimento prático da pesquisa, dividiram-se os materiais entre as integrantes, foi realizada uma chamada de vídeo por meio da plataforma Google Meet e montou-se um ambiente com os materiais disponíveis. Devido às condições pandêmicas, foi gravada a elaboração do terrário e seu resultado e para posteriores observações; cada terrário ficou em uma residência, onde as condições do meio em que se encontravam possuíam algumas divergências que poderiam afetar o desenvolvimento da planta até o final do estudo.

Figuras de 5 a 10: Imagens gravadas via Google Meet, apresentando a montagem conjunta dos terrários e a interação entre as integrantes do trabalho

As dificuldades encontradas para a realização do estudo não foram muitas, de modo que todas elas puderam ser supridas com algumas pesquisas e estudos mais detalhados. Dentre elas, pode-se destacar:

  • Encontrar samambaia de porte pequeno;
  • Encontrar artigos recentes que se relacionassem aos tópicos desenvolvidos;
  • Encaixar a samambaia no pote.

Os terrários permaneceram por um mês e oito dias em observação para análise do desenvolvimento da planta e do ciclo da água, com a finalidade de, ao final do projeto, ser possível notar a funcionalidade do nicho fundamental dentro do ambiente proposto.

Antes de ser instalada no terrário, a samambaia estava em condições normais, mas com baixa umidade no solo; em seu novo ambiente, as folhas e os caules ganharam nova estética e se apresentaram com mais vivacidade. Completando quase um mês dos terrários confeccionados, ambos apareceram com caules um pouco arroxeados, folhas amareladas e fungos, indicando apodrecimento. Esse acontecimento pode ser devido a diversos fatores: sol ou água em demasia, planta adquirida já com doença, abafamento da samambaia dentro do pote, entre outros, sendo importante podar o que não está saudável e manter a atenção na planta. Os materiais foram comprados; no entanto, é completamente possível realizar o experimento com itens reutilizáveis de fácil acesso, como garrafa PET, terra da horta de casa ou do lote vago, pedrinhas de aquário, o próprio aquário vazio como espaço para o terrário e adubo caseiro, entre outros.

Ao final do experimento, pôde ser constatado que o nicho ecológico das samambaias é em ambientes úmidos e com pouca incidência de luz solar, além de um substrato bem nutritivo que proporciona o êxito da fotossíntese e do ciclo da água. Conciliando com a pandemia, é preciso buscar técnicas viáveis para a aprendizagem, sendo as plataformas online ótimas para reunir, conversar e gravar os experimentos, além de que os estudantes podem ter um estímulo cognitivo e aumentar a vontade de aprender e participar das aulas.

Terrário 1

O terrário 1 está localizado em espaço que recebe luminosidade indireta e com poucos raios solares diretos (meia sombra). Durante os 38 dias, foi possível observar que a água colocada no recipiente no 1º dia sofreu processo de evaporação e transpiração (a partir do aumento da temperatura), condensando e formando gotículas na parede do pote de vidro. Nesse sentido, a mesma água evaporada consegue prover a planta e realiza o processo inverso, ou seja, escorre, repõe a água no solo e nutre a planta. Apareceram caules arroxeados, folhas amareladas e alguns fungos, mas logo foram retirados; também se observou o acúmulo de um material esverdeado em volta da terra (lodo), na parede do pote, além de alguns brotos que foram surgindo. Durante todo o período, o pote permaneceu fechado, sendo aberto somente uma vez para podar os galhos podres; a planta sobreviveu normalmente e o ecossistema foi representado positivamente, sendo observada a necessidade de um espaço maior para o abrigo da planta, visto que o desenvolvimento das samambaias pode ser maior que o ambiente oferecido.

Figura 11: Terrário 1 finalizado

Terrário 2

No segundo terrário, foi observado, a partir do 3º dia, que houve ciclo da água e que a planta recebeu luminosidade indireta. Foi analisado também que a rega diária não é indicada para terrário fechado, pois a quantidade de água dentro do ambiente satura-o e pode causar danos à espécie. Assim, ao perceber a saturação da água que estava no terrário 2, houve a retirada dela; dessa forma, a planta pôde sobreviver apenas com uma rega por haver o ciclo da água. Desse modo, a água inserida no solo é absorvida em parte pela planta e a outra fração se evapora, permanecendo no vidro; com o tempo, ela volta ao solo como uma "chuva", e assim consecutivamente. Ao final, foi possível reverter o excesso de água e se observou o aparecimento de caules arroxeados e folhas amareladas; no entanto, não foi realizada a poda e a saúde da planta manteve-se. Assim, analisou-se corretamente como o ciclo da água funciona em ambientes fechados.

Figura 12: Terrário 2 finalizado

Conclusão

É possível concluir que o terrário é um ambiente próximo ao meio natural; por isso é importante usá-lo como método de estudo para compreensão de habitat, do ciclo de vida e das necessidades que cada ser apresenta. Por exemplo, no caso de ser uma suculenta, ela poderia precisar de mais regas do que a samambaia, e assim por diante. Além disso, o projeto teve importância pessoal, de modo que foi muito satisfatório montar um miniambiente, observá-lo e atentar para as relações bióticas e abióticas e o desenvolvimento da vida.

Por fim, pôde ser observada a didática que a realização de um terrário oferece para a melhor compreensão de conteúdo de Ciências e Ecologia, no Ensino Fundamental ou Médio. Sendo assim, torna-se uma ótima proposta para ser desenvolvida como prática de ensino (Jaques et al., 2001), de forma que o aprendizado e sua fixação serão mais efetivos e simplificados, agregando no desenvolvimento de crianças e jovens e contribuindo para a coordenação motora fina.

Figuras 13 e 14: Terrário 1 após os 38 dias, podado e com grande índice de lodo ao seu redor

Figuras 15 e 16: Terrário 2 após os 38 dias, não podado, com retirada de água e com caules arroxeados

Referências

ALBUQUERQUE, A. R.; FORTES, M, R.; SCHIMPL, A. L. M. Terrários: metodologia alternativa para o ensino de Geografia Física. Manaus: Universidade Federal do Amazonas, janeiro de 2011.

BARROS, I. C. L.; SANTIAGO, A. C. P.; PIETROBOM, M. R.; PEREIRA, A. F. N. Pteridófitas. In: PÔRTO, K. C.; TABARELLI, M.; CORTEZ, J. S. A. (Orgs.). Diversidade biológica e conservação da Floresta Atlântica ao norte do Rio São Francisco. Brasília: Ministério do Meio Ambiente/CID Ambiental, 2006.

BEGON, M.; TOWNSEND, C.R.; HARPER, J. L. Ecologia: de indivíduos a ecossistemas. 4ª ed. Porto Alegre, 2007. Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788536309545/. Acesso em: 14 maio 2021.

DELLA JUSTINA L. A.; RIPPEL, J. L.; BARRADAS, C. M.; FERLA, M. R. Modelos didáticos no ensino de Genética. In: SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UNIOESTE. 3, Cascavel, 2003. Anais... p.135-140.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GARRIDO, A. S. C.; UEHARA, F. H.; SANGIOGO, F. A. Terrário sustentável, microclima e arte em vidro: uma perspectiva de ensino e alternativa para geração de renda. Pelotas: UFPEL, 2019. Disponível em: https://institucional.ufpel.edu.br/projetos/id/u837

JAQUES, I.; ABREU, J.; BARROS, M.; SACRAMENTO, S.; CHAGAS, I.; FRAGOSO, J. A vida num terrário: propostas para a criação de um laboratório online. In: DIAS, P.; FREITAS, C. (Orgs.). Actas da II Conferência Internacional de Tecnologias de Informação e Comunicação na Escola. Braga: Universidade do Minho, 2001. p. 559-570. Disponível em: www.nonio.uminho.pt/challenges/actchal01/005Indice.pdf.

OLIVEIRA, A. B. O ensino da Botânica como instrumento para Educação Ambiental. 2009. 80 f. Monografia – Instituto de Biologia, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2009. Disponível em: http://www.ufpel.tche.br.

OLIVEIRA, A. K.; CAMPOS, N. S.; PERSICH, G. D. O. Aprendendo ecologia na perspectiva da educação ambiental por meio da confecção de terrários.ReLACult –Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, v. 4, edição especial, nov. 2018.

PAULA, J. R. B.; SILVA, M. P.; NASCIMENTO, A. F. J. O terrário no Ensino da Ecologia: uma proposta para a formação inicial de professores. IX FÓRUM AMBIENTAL DA ALTA PAULISTA. Educação Ambiental, São Paulo, v. 9, nº 9, p. 25, 25 set. 2013. Disponível em: https://www.amigosdanatureza.org.br/publicacoes/index.php/forum_ambiental/article/view/473.

ROTHWELL, G. W.; STOCKEY, R. A. Phylogeny and evolution of ferns: a paleontological perspective. In: RANKER, T. A.; HAUFLER, C. H. (Eds.). Biology and evolution of ferns and lycophytes. New York: Cambridge University Press, 2008. p. 332-366.

SOTA, E. R. El epifitismo y las pteridofitas en Costa Rica (América Central). Nova Hedwigia, v. 21, p. 401-465, 1971.

TU, C.; MA, L. Q. Effects of arsenic on concentration and distribution of nutrients in the fronds of the arsenic hyperaccumulator Pteris vittata L.Environmental Pollution, v. 135, p. 330-340, 2005.

ZUQUIM, G.; COSTA, F.R.C.; PRADO, J.; TUOMISTO, H. Guia de samambaias e licófitas da Rebio Uatumã - Amazônia Central. Manaus: Áttema, 2008.

Publicado em 19 de outubro de 2021

Como citar este artigo (ABNT)

ANDRADE, Beatriz Santana de; SILVA, Elen Cristina Soares da; BOSQUETTI, Lorrayne de Barros. Terrário de samambaias: análise do desenvolvimento da planta e do ciclo da água. Revista Educação Pública, v. 21, nº 38, 19 de outubro de 2021. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/21/38/terrario-de-samambaias-analise-do-desenvolvimento-da-planta-e-do-ciclo-da-agua