O uso de ferramentas digitais no ensino remoto

Cláudia Fernanda de Carvalho Batista

Professora de Matemática (Seeduc/RJ), especialista em Mídias na Educação (UFRJ), em Tradução Espanhol-Português (UGF), em Design Didático para cursos on-line e Moodle na prática (UFRJ), aluna do Programa de Formação Continuada de Professores (Fundação Cecierj)

Vive-se, hoje em dia, em um mundo cada vez mais globalizado, motivo pelo qual a presença da tecnologia digital no cotidiano das pessoas é tarefa bem simples, uma vez que o desenvolvimento de tecnologias digitais permite que que o acesso às informações seja mais rápido; utilizar essas tecnologias de modo integrado ao projeto pedagógico é um modo de se aproximar ainda mais dos discentes.

As tecnologias digitais da informação e comunicação, também conhecidas por TDIC, têm mudado totalmente a forma de se ver, comunicar, relacionar e aprender. A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) determina que se trabalhe com dez competências em sala de aula. Tais competências não devem ser interpretadas como componente curricular, mas sim tratar de forma transdisciplinar as áreas de conhecimento e etapas da educação. Por isso, trabalhar com várias disciplinas em um mesmo projeto abarca todas as vertentes da BNCC.

A compreensão de uma base curricular única implantada no Brasil é necessária para que se entendam os motivos sociais, políticos e educacionais que culminaram com sua implantação, assim como a formação de professores e a valorização do trabalho docente.

As implicações da BNCC na Educação Básica acarretam à educação brasileira o resgate histórico de um processo de construção e o reconhecimento dos acertos e desacertos que foram verificados na construção desse documento quando sofreu interferências na elaboração das propostas pedagógicas que existiam anteriormente.

As TDIC permitem a transformação de toda linguagem – imagens e sons, textos etc. – que são expostos na tela do computador em números e convertidos naquilo que se vê nos aparelhos destinados a essa conversão, permitindo, assim, uma informação descentralizada, aumentando a segurança dos dados e trazendo mais praticidade na criação das demais tecnologias.

Nas práticas pedagógicas, as TDIC requerem atenção especial que não pode ser negligenciada pelas escolas. Necessário se faz repensar os projetos e utilizar as tecnologias e recursos digitais como apoio e suporte à implementação de metodologias para promover aprendizagens significativas, democratizando o acesso e a inclusão dos estudantes no mundo digital e investindo na formação continuada de professores.

O objetivo geral é a criação de uma newsletter com notícias da atualidade, tendo como eixo principal a covid-19 e os impactos históricos e sociais provocados pela pandemia. O projeto envolve as disciplinas de Matemática, Português, Espanhol, Biologia e Projeto de Vida e Cultura, junto a alunos do 2º e 3º anos do Ensino Médio.

Visa também desenvolver e trabalhar as habilidades elencadas na BNCC, dialogando com a atualidade, levando informações e comunicação a toda a comunidade escolar.

Os objetivos específicos são:

  • Proporcionar a formação crítica dos discentes;
  • Divulgar informações;
  • Promover o trabalho em grupo;
  • Desenvolver a capacidade de pesquisar, organizar e reunir informações.

O trabalho utiliza diversos conceitos das disciplinas envolvidas no projeto. A newsletter será criada na plataforma Canva por grupos de alunos das turmas envolvidas no projeto e depois será publicado na Plataforma Google Sala de Aula para a apreciação dos professores e equipe diretiva do Colégio Estadual Hispano-Brasileiro João Cabral de Melo Neto.

Serão utilizados sites de busca, revistas digitais, infográficos e plataforma Canva, computador, smartphone e notebook.

Justificativa

Justifica-se abordar o tema, uma vez que as dez competências gerais da BNCC têm como escopo desenvolver não só a capacidade de ler e escrever, mas também possibilitar que o aluno se comunique, expresse suas opiniões e sentimentos com clareza e que essas habilidades possam ter reflexo na vida cotidiana, não existindo qualquer tipo de hierarquia entre as dez competências.

Desenvolvimento

O método atual de ensino passa por um processo de transformação sem precedentes. O aluno de hoje participa ativamente dessas mudanças e faz parte delas, não como mero espectador, mas como ator que desempenha papel fundamental em todos os atos; o computador é a principal peça de toda essa engrenagem (Araújo, 2003).

Segundo Behrens (2000, p. 74),

o docente precisa servir-se da informática como instrumento de sua prática pedagógica, consciente de que a lógica do consumo não pode ultrapassar a lógica da produção do conhecimento. Nessa ótica, o computador e a rede devem estar a serviço da escola e da aprendizagem.

O aluno torna-se participante da ação educativa. Juntamente com o professor, atua e se envolve num processo de discussão coletiva para buscar a produção do conhecimento. Ele é sujeito ativo, sério e criativo. Apresenta-se como sujeito crítico no ato do conhecimento, atua como corresponsável dinâmico e participativo do processo. Confia em si mesmo e vivencia a relação que tem com o professor e seus colegas. A liberdade de expressão, a conscientização e a participação efetiva tornam os alunos corresponsáveis pela sua aprendizagem (Behrens, 2000, p. 82).

A tecnologia da informação possibilita, entre muitas outras vantagens, rapidez no processamento da informação, automatização da tomada de decisões e virtual desaparecimento da distância.

A BNCC - Ensino Médio traz competências e habilidades que permitem aos estudantes:

  • Buscar dados e informações de forma crítica nas diferentes mídias, analisando as vantagens do uso da tecnologia e seus riscos potenciais.
  • Apropriar-se das linguagens da cultura digital para explorar e produzir conteúdo em diversas mídias, ampliando as possibilidades de acesso à ciência, à tecnologia, à cultura e ao trabalho.
  • Usar diversas ferramentas de software e aplicativos para compreender e produzir conteúdo em diversas mídias, simular fenômenos e processos das diferentes áreas do conhecimento.
  • Utilizar diferentes tecnologias para identificar, analisar, modelar e solucionar problemas complexos em diversas áreas da vida cotidiana.

Libâneo (2007, p. 309) afirma que a tecnologias amplia as possibilidades de o professor ensinar e o aluno aprender. Verifica-se que, quando utilizadas adequadamente, auxiliam no processo educacional. Ele afirma que conhecimentos, habilidades e tarefas são apresentados, explicados ou demonstrados pelo professor e a atividade dos alunos é receptiva, embora não necessariamente passiva.

Para o autor, o método expositivo é bastante utilizado nas escolas, apesar das críticas, principalmente por não levar em conta o princípio da atividade do aluno e que, apesar dessa limitação, é um importante meio de obter conhecimentos. Entre as formas de exposição, menciona a utilização da tecnologia para demonstrar exposição e demonstração do que se quer ensinar. Em geral, essas formas, segundo Libâneo, podem ser conjugadas, possibilitando o enriquecimento da aula.

Assim, as mídias integradas em sala de aula exercem papel significante no trabalho dos educadores, se tornando um novo desafio, e podem ou não produzir os resultados esperados (Libâneo, 2007, p. 176).

Atualmente, o ensino avança para uma melhor qualidade, inclusive com o incentivo das mídias nas escolas despertando o interesse maior dos alunos. De acordo com Moran, as mudanças na educação dependem também dos alunos.

Alunos curiosos e motivados facilitam enormemente o processo, estimulam as melhores qualidades do professor, tornam-se interlocutores lúcidos e parceiros de caminhada do professor-educador. Alunos motivados aprendem e ensinam, avançam mais, ajudam o professor a ajudá-los melhor (Moran, 2000, p. 25).

Moran (2000, p. 63) assim conceitua:

As mídias digitais, por sua natureza, dispõem de interfaces performáticas – imagens-pensantes – que permitem mais que a simples representação estética de conteúdo. Ensinar com as novas mídias será uma revolução se mudarmos simultaneamente os paradigmas convencionais do ensino, que mantêm distantes professores e alunos. Caso contrário, conseguiremos dar um verniz de modernidade sem mexer no essencial.

As tecnologias da informação e comunicação contribuem em escala significativa para melhorar a qualidade do ensino, como vem ocorrendo. Cabe ao professor conhecer e avaliar o potencial das diversas mídias ao seu alcance e oportunizar o uso consciente por seus alunos, com o objetivo de envolvê-los e apoiá-los na construção do conhecimento. Para Moran, cada docente pode encontrar sua forma mais adequada de integrar as várias tecnologias e os muitos procedimentos metodológicos. "Mas também é importante que aprenda a dominar as formas de comunicação interpessoal/grupal e as de comunicação audiovisual/telemáticas" (Moran, 2000, p. 32).

O maior desafio para os que estão envolvidos nessa modalidade educacional é entender o fenômeno que produz mudança de toda ordem. Não é só ter conexão, há necessidade de assumir e entender o papel dos educadores nessa sociedade em transformação, compreender as implicações e a utilização das tecnologias na educação na totalidade das dimensões, isto é, na construção de significados, nas novas formas de expressão do conhecimento e na arte, na representação da realidade e nas relações em interações de todo modo.

Figura 1: Competências gerais da nova BNCC

Fonte: INEP.

Na BNCC, cada competência geral se caracteriza como a mobilização de conhecimentos, atitudes e valores que permitem a resolução de casos complexos da vida no seu dia a dia, permitindo auxiliar escolas e professores a inseri-las nas práticas pedagógicas, nos materiais didáticos e nos processos de avaliação.

Considerações finais

A revolução proveniente do advento das NTIC é conhecida pelas inovações e tecnologias que permitem comodidade no cotidiano da sociedade; em decorrência desses adventos, os professores são instados a pesquisar e criar perspectivas sobre o contexto da inclusão digital voltada ao uso das NTIC.

O estudo denota a importância de maior desenvolvimento de atividades colaborativas entre professores e estudantes usando cada vez mais ferramentas que as novas tecnologias oferecem, uma vez que essas ferramentas têm a finalidade de proporcionar melhor desenvolvimento nas práticas acadêmicas.

Portanto, os meios tecnológicos usados na educação estimulam a aula com criatividade e trazem motivação; por isso, os professores devem utilizar atividades que atraiam a atenção dos alunos.

Os temas abordados estão interligados, evidenciando que a relação entre aluno e professor é colaborativa, estimulando a aprendizagem.

Referências

ARAÚJO, S. K. Escolas no Ar: a gestão de sistemas educomunicativos para o uso pedagógico. Natal: UFRN, 2003.

BEHRENS, Marilda Aparecida. Formação continuada de professores e a prática pedagógica. Curitiba: Champagnat, 2000.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Novas Competências da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Disponível em: http://inep80anos.inep.gov.br/inep80anos/futuro/novas-competencias-da-base-nacional-comum-curricular-bncc/79. Acesso em: 8 jul. 2021.

LIBÂNEO, José Carlos. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. São Paulo: Cortez, 2007.

MORAN, José Manuel et al. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 6ª ed. Campinas: Papirus, 2000.

Publicado em 30 de novembro de 2021

Como citar este artigo (ABNT)

BATISTA, Cláudia Fernanda de Carvalho. O uso de ferramentas digitais no ensino remoto. Revista Educação Pública, v. 21, nº 43, 30 de novembro de 2021. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/21/43/o-uso-de-ferramentas-digitais-no-ensino-remoto