Medicalização no processo de ensino-aprendizagem infantil

Ananda Tuany das Neves Rocha

Psicóloga, pós-graduanda em Psicanálise Clínica e Intervenções Clínicas (Instituto Gaio)

Gabriela Luiza Freitas Souto

Psicóloga, bacharel em Psicologia

Alvaro Parrela Piris

Mestre em Tecnologia da Informação Aplicada a Biologia Computacional (Promove), graduado em Enfermagem, pós-graduado em Saúde do Adulto Hospitalar, Saúde Mental, Terapia Intensiva e em Docência do Ensino Superior com ênfase em Gestão Acadêmica

Siqueira (2015) pontua que, na história da sociedade, a criança ocupou vários lugares em diferentes épocas. Conforme Ariès (1981), a noção de infância que se tem hoje foi construída no decorrer da Idade Média – quando a criança era vista como adulto em miniatura – até a Idade Moderna, quando passou a ser vista como um sujeito de direitos.

Segundo Almeida e Carmo (2017), até o século XIII o processo de aprendizagem das crianças não acontecia em escolas, pois estas eram consideradas asilos para crianças pobres e seu caráter era assistencial. O ensino nesse período se dava por meio de comunidades democráticas e familiares que educavam, na maioria das vezes, por meio do empirismo. Crianças e adultos não eram separados para aprender, sendo obrigados a realizar as atividades juntos.

Conforme Del Priore (2000), a partir do século XVIII a educação dos filhos passou a ser entregue às escolas, e estas passaram a substituir a aprendizagem familiar. Siqueira (2015) relata que na Modernidade se inaugura a possibilidade de questionamento quanto ao modo de funcionamento das organizações, de forma que a escola passa a ser vista como instituição que tem por objetivo formar cidadãos, que eram formados para seguir os ideais que se propagavam na época, com a pretensão de manter a ordem social.

Piaia e Bilhar (2017) relatam que, após a entrada da criança no ambiente social e escolar, iniciam-se o progresso do aprendizado e o desenvolvimento de habilidades e comportamentos. No entanto, na visão de Benedetti et al. (2018), crianças que não possuem o ritmo de aprendizado dos demais alunos ou apresentam comportamentos ditos diferentes do esperado pela escola são alvo de encaminhamentos, sendo feitas recomendações médicas, acabando por resultar no uso de medicamentos; um exemplo é o metilfenidato, que para os autores é o medicamento usado na maioria das vezes diante tais situações, com a promessa médica de melhora de comportamento e desempenho escolar.

Conforme defendem Navarro et al. (2016), o fracasso escolar pode ser desencadeado por diversas condições contribuintes para o surgimento de dificuldades ou problemas no processo de escolarização. Perante isso, dificuldades de aprendizagem e distúrbios de aprendizagem são usados atualmente para explicar o motivo pelo qual a criança não aprende.

Gimenez (2005) acredita que distúrbios de aprendizagem são disfunções de cunho médico, neurológicas e orgânicas, envolvidas no processo de aquisição de informações, com características endógenas. Uma distinção desses termos e dos seus significados, segundo a autora, é imprescindível ao observar-se que o mau desempenho escolar é cada vez mais associado ao aluno por si só, atribuindo a ele total culpa por sua dificuldade.

Para Borine (2015), as dificuldades de aprendizagem abarcam, em sentido mais amplo, diversos fatores: físicos, sociais, familiares, culturais e escolares, dentre outros. Gimenez (2005) afirma que os baixos desempenhos relacionados ao aprender mostrados pelos alunos só podem ser entendidos quando se avalia a multiplicidade de variáveis que envolvem o contexto de escolarização.

Na visão de Christofari, Freitas e Baptista (2015), as escolas criam lugares para enquadrar o sujeito que coloca em funcionamento a medicalização do ser e do aprender. Diante disso, Leonardo e Suzuki (2016) argumentam que o que prevalece é uma compreensão intrínseca ao sujeito nos problemas de escolarização, sem considerar o contexto histórico dele. Com isso, tem-se observado demasiado crescimento do consumo de medicamentos que asseguram tratar, além dos comportamentos, emoções e afetos.

De acordo com Pais, Menezes e Nunes (2016), a medicalização tem sido cada vez mais presente e usada para definir e enquadrar um problema com termos médicos, tratando-se, segundo Azevedo (2018), da necessidade de transformar as questões emocionais, cotidianas e afetivas do sujeito em questões vistas de acordo com a visão médica. Dessa forma, para Cunha e Melo (2017), a medicalização é um método de controle sobre a vida do sujeito, de forma que não se pode desviar dos padrões preestabelecidos. Os diagnósticos que permeiam a infância buscam enquadrar a criança em determinada psicopatologia com base em seus comportamentos e dificuldades ditas de aprendizagem, utilizando siglas como TDAH (transtorno de déficit de atenção e hiperatividade), entre outras, observados durante o processo de escolarização infantil.

Pascoal et al. (2017) relatam que o diagnóstico de transtornos como o TDAH tem aumentado consideravelmente, o que, segundo Baumgardt e Zardo (2016), leva a uma preocupação por analisar os fatores que induziram à disseminação desses diagnósticos e a consequente medicalização infantil.

Na visão de Christofari, Freitas e Baptista (2015), a entrada da medicina nos problemas de caráter pedagógico – ao enquadrar a criança em determinada patologia que justifique seu baixo rendimento escolar – facilita o trabalho dos educadores, de levar o conhecimento às crianças, e acaba camuflando a falta de habilidade deles em lidar com casos atípicos e comportamentos que fogem à norma. De acordo com Garrido e Moysés (2010), o que está em jogo é um violento processo de medicalização de crianças cujo desempenho escolar não corresponde precisamente ao padrão esperado.

Segundo Machado (2004), é da ordem do senso comum pensar que as conquistas dependem dos esforços individuais, pois as mídias sociais reforçam esse pensamento. O sistema capitalista defende que as pessoas que fracassam não souberam aproveitar bem as oportunidades que lhes foram dadas. A consequência dessa ilusão é a privatização da responsabilidade pública e as consequentes doenças contemporâneas no corpo do sujeito. Esse tipo de discurso produz crianças incapazes de aprender e dá lugar a uma intervenção médica ao invés de uma pedagógica.

Nesse sentido, o presente estudo visa analisar os impactos da medicalização no processo de ensino-aprendizagem infantil, ponderando a participação do ambiente escolar nos diagnósticos e as dificuldades enfrentadas.

Materiais e métodos

Este estudo de caráter exploratório, de natureza qualitativa, retrospectivo, com corte transversal, foi desenvolvido visando à percepção para além dos relatos dos professores e seus discursos, bem como à análise e compreensão da realidade envolvida no processo de medicalização no ensino-aprendizagem infantil. Dessa maneira, utilizaram-se recortes das entrevistas realizadas como alternativa para a análise.

Fraser et al. (2004) conceituam que a forma característica de conversação que é posta em uma entrevista com a pretensão de pesquisa favorece o acesso direto ou indireto aos juízos, às crenças, aos valores e aos significados que as pessoas conferem a si, aos outros e ao mundo ao redor.

A pesquisa foi realizada com cinco professores de um colégio infantil da cidade de Montes Claros/MG. Dos cinco entrevistados, quatro são mulheres, com idade entre 44 e 60 anos, sendo elas professoras regentes; o homem tem 28 anos e é professor de apoio. Utilizaram-se pseudônimos para preservar a identidade dos participantes, sendo referidos como participante 1 (P1) e assim por diante. Em relação ao tempo de experiência de atuação profissional dos entrevistados, a média de tempo de trabalho é de 14 anos; quatro possuem experiência entre 20 e 26 anos e apenas um relatou experiência de um ano.

A priori foi feito o contato com a diretoria da instituição na qual se realizou o estudo, a fim de obter autorização para a coleta de dados da pesquisa. Fora disponibilizada previamente uma cópia da primeira versão do projeto à diretora da instituição e nesse contato esclareceram-se os objetivos da pesquisa, como seria realizada a coleta de dados, a ética envolvida e o sigilo, elucidando as dúvidas acerca dos participantes e da temática. Após a aprovação pelo comitê de ética e pesquisa, foi apresentado à diretoria da instituição o comprovante de aprovação nº 3.573.160 do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) para a realização do estudo.

A diretoria da escola disponibilizou para os pesquisadores a seleção dos professores que possuíam o critério de inclusão para a participação no estudo: professores regentes e professores ou monitores de apoio que acompanham há pelo menos um semestre letivo crianças que fazem uso de psicofármacos para a melhora do desempenho escolar. A diretoria realizou contato prévio com eles informando-os da realização que aconteceria no período de intervalo dos horários de aula.

Realizou-se inicialmente um pré-teste com um professor da instituição que não correspondia ao critério de inclusão do estudo. Previamente ao início das entrevistas, foi apresentado aos participantes o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) para assinatura e feita a sensibilização do discurso pelos pesquisadores sobre as condições impostas pela Resolução nº 466/12. As entrevistas foram em dias e horários distintos; cada pesquisador ficou responsável por entrevistar um participante, respeitando seus horários de aula e disponibilidade, com duração média de vinte minutos. Utilizou-se o software Atlas T.I 8.0 como recurso para codificação e categorização dos dados. As entrevistas foram gravadas pelo recurso de gravador de voz do smartphone e transcritas para análise, posteriormente os áudios foram descartados.

Alguns entrevistados se sentiram inseguros, alegando a possibilidade de não conseguir responder a algumas das perguntas. Foi, entretanto, disponibilizado o questionário de entrevista previamente para que pudessem fazer a leitura, sendo informados de que poderiam abandonar a pesquisa, sem ônus, a qualquer momento.

Resultados e discussão

Como auxílio para a organização dos dados obtidos por meio das entrevistas, foi utilizada a Análise de Discurso, que, de acordo com Macedo et al. (2008), consiste na possibilidade de captar o sentido não explícito no discurso, pois é pela linguagem que se elucida a determinação de vários fatos e conceitos, sendo a palavra uma espécie de conexão lançada entre uma ou mais pessoas.

A linguagem, de um ponto de vista discursivo, não se dissocia da interação social. Não pode representar algo pronto; portanto, é uma construção de saberes sobre o real (Rocha; Deusdará, 2005). Nessa parte do estudo foi feita uma análise ampliada e detalhada das entrevistas realizadas a partir das principais questões relatadas pelos participantes durante o processo de entrevistas para compreender de forma fiel as ideias e concepções dos relatos dos entrevistados.

Os pesquisadores tiveram alguns impasses na realização das entrevistas, como não obter a população esperada de crianças que faziam uso de medicamento para dificuldades de aprendizagem, tendo por decorrência a amostra limitada. Entretanto, foram incluídas também por necessidade e anseio da instituição professores que acompanhavam crianças com autismo e que faziam uso de medicamento.

Os pesquisadores observaram que a medicalização entra na escola com a proposta de proporcionar o pleno desenvolvimento dos alunos, facilitando seu processo de aprendizagem, não obstante poder acarretar condições que afetam a criança e repercutem de maneira significativa no ambiente escolar. Para Beltrame et al. (2019), a criança que não é capaz de acompanhar as aulas e internalizar o conteúdo ensinado, mantendo um comportamento fora da regra, acaba sendo taxada por portar transtornos em número crescente e cada vez mais tornando-se artefato da Psiquiatria.

Após análise e leitura exaustiva das entrevistas realizadas, os pesquisadores, por meio do software de análise de pesquisa qualitativa, organizaram e construíram as categorias com base no discurso dos entrevistados, as quais estão dispostas a seguir.

Aceitação do diagnóstico pelos pais

As respostas à pergunta "Como os pais lidam com o diagnóstico em sua opinião?" tiveram aspectos em comum entre alguns participantes quanto à aceitação do diagnóstico pelos pais da criança. Um participante relata: "a mãe não aceitava, foi com muito custo, sabe, pra ela aceitar e levar ele pra diagnosticar pra ver o que ele tinha e investigar, né?" (P1). Nesse mesmo sentido, foi ouvido de outro participante: "é muito raro o pai que aceita e que percebe, assim... por ele mesmo, ele mesmo fala 'não, vamos levar que a gente também concorda que algo não tá nos eixos', entendeu? Mas... é bem complicado" (P5).

Oliveira e Poletto (2015) argumentam que o diagnóstico pode acarretar, a princípio, um choque nos pais, trazendo mútuo sofrimento pelo anseio de normalidade da criança, necessitando que ocorra um processo de adequação e aceitação, que acontece em diferentes etapas, com tempos e intensidades variados.

Vendrúsculo (2014), em complemento, afirma que a frustração causada pela notícia de que o filho sofre de algum problema coloca em jogo todas as projeções dos pais destinadas à criança. Tais significantes carecem ser trabalhados, criando a possibilidade de amparo e convocação para que o filho tenha possibilidade de desenvolver-se dentro dos seus limites.

Se a criança tem um espaço claro na sua família e boa inclusão nela, poderá sentir-se como mais um ser e organizar-se adequadamente como sujeito humano (Coriat, 2006).

Pôde-se perceber nos relatos dos professores entrevistados que certa resistência acompanha os pais ao receber o diagnóstico de dificuldade de aprendizagem dos filhos. Frente ao pressuposto, um participante relata: "muitos têm uma resistência muito grande na aceitação, tanto do comportamento da criança" (P5). Outro entrevistado fala: "a princípio percebeu-se que a família ficou um pouco resistente; até depois que ele foi medicado, teve certa resistência" (P2). Braga, Scoz e Munhoz (2007) afirmam que, ainda que a dificuldade de aprendizagem seja uma condição vinculada a diversos fatores intrínsecos e extrínsecos ao sujeito, ela está sustentada firmemente pelo ambiente familiar em que se insere o sujeito, de forma que, independente da causa do problema de aprendizagem, o seio familiar é essencial para que se resolva ou se mantenha o problema.

Os entrevistadores observaram nos discursos que a dificuldade de aceitação dos pais impacta o desenvolvimento da criança, sendo uma problemática para a atuação da escola frente aos diagnósticos recebidos. Sobre essa questão, outro entrevistado descreve:

Tem muita família que não aceita, a família que aceita é muito tranquilo pra gente porque a gente tem que trabalhar em parceria, família e escola, e quando tem essa parceria a gente consegue um progresso bem grande; mas, se não tem, a gente não dá conta, então a gente precisa que a família aceite; então é o mais importante, o primeiro passo (P2).

Outro participante complementa:

É onde a escola sente muito que a criança perde a motivação no desenvolvimento, né, porque, como o pai não acredita, até conseguir fazer com que o pai preste atenção em que realmente é uma criança que necessita de um cuidado especial, demora um tempo (P5).

Para Trindade (2004), a família e a escola constituem-se em primeiros elementos, espaço fundamental para desenvolvimento, aprendizagem, socialização e relação dos alunos com as dificuldades. Desse ponto de vista, não se pode separar família e escola, sendo uma conexão. O ambiente escolar também exerce muita influência na aprendizagem (Cortez; Faria, 2011).

Visão da dificuldade de aprendizagem como problema

No decorrer das entrevistas, foi percebida pelos pesquisadores a maior frequência do uso do termo problema pelos entrevistados. Os termos "problema de aprendizagem" e "dificuldade de aprendizagem" necessitam ser diferenciados pela conceituação à qual remetem.

Um entrevistado comenta: "sempre apareceram várias crianças com problema tomando medicamento" (P1). Outro entrevistado relata: "já teve casos de ele ter que vir medicado porque estava enfrentando outros tipos de problema" (P4).

Pott (2018) pontua a associação do termo "problema de aprendizagem" a "distúrbio de aprendizagem". Para a autora, problema ou distúrbio de aprendizagem centraliza o problema no aluno, no seu déficit, sendo uma questão biológica e individual, não havendo espaço para superação. Ao buscar compreender o processo de aprendizagem escolar do aluno, é importante haver a análise do contexto em que a criança está inserida, seu ambiente familiar, o escolar e as particularidades envolvidas para além do déficit que possui. Para Meneghetti e Souza (2015), o aluno vem para a escola com problemas de aprendizagem; normalmente esse problema não está isolado e vem acompanhado de carências econômicas e sociais.

Cortez e Faria (2011), em contrapartida, acentuam que a dificuldade de aprendizagem pode ter raiz em questões físicas, psíquicas e emocionais. O ambiente familiar, a ausência de estímulo ou a não adaptação escolar do aluno também influenciam no desempenho infantil, podendo provocar desinteresse passageiro pelos estudos, trazendo prejuízos no resultado escolar.

Uso do medicamento para mudança do comportamento x melhora da aprendizagem

As respostas às perguntas "Em relação ao comportamento da(s) criança(s), foi observada alguma mudança após o uso do medicamento?" e "Foi observada melhora na aprendizagem após o uso do medicamento?" tiveram aspectos em comum entre alguns participantes, que associam o uso do medicamento como efeito positivo para a capacidade de a criança ficar quieta no ambiente de sala de aula e realizar as atividades demandadas pelo professor, numa necessidade maior de concentração. Um participante relata:

Quando ele não toma, fica agitado, não concentra que tem que fazer as atividades, sabe? Ele aprende algo e passam minutos ele já esquece, só grava o que é do interesse dele, né, sobre futebol, que ele ama, mas o que não é do interesse, quando não tá com o medicamento não grava e não faz, não concentra, não fica quieto pra fazer as atividades, quer levantar, quer sair, fica muito agitado (P2).

De acordo com Luengo (2010), a disciplina no ambiente escolar passou a ser sinônimo de eficiência, moldagem e adaptação, sempre com o intuito de desenvolver e racionalizar a criança para discipliná‑la – não apenas fisicamente, mas também numa espécie de regulação moral, pois a disciplina, como defende Foucault (1979, p. 164), "fabrica corpos submissos e exercitados, corpos 'dóceis'. A disciplina aumenta as forças do corpo (em termos econômicos de utilidade) e diminui essas mesmas forças (em termos políticos de obediência)". Ainda seguindo o raciocínio do autor, é dócil um corpo que pode ser manipulado, utilizado, transformado e aperfeiçoado. O uso de medicamentos facilita essa moldagem.

Nesse sentido, percebeu-se por parte dos pesquisadores nos discursos dos entrevistados a necessidade de uso do medicamento devido a uma padronização do comportamento no ambiente escolar, no qual a distorção do padrão dificulta o trabalho dos educadores. Outro participante descreve: "Fica mais tranquilo. Aceita mais, é... as coisas" (P3). Desse modo, o uso medicamentoso é mais bem avaliado pelos educadores por proporcionar melhora no comportamento das crianças do que para o avanço no processo de aprendizagem.

Kramer (1984) afirma que "o desenvolvimento da criança é percebido como desenvolvimento cultural das possibilidades naturais da criança, ao invés de socialmente determinado e condicionado por sua origem social". Isso posto, o meio (cultura, sociedade, práticas e interações) é o fator de maior importância no desenvolvimento humano. Souza e Cunha (2010) corroboram ao afirmar que, com a medicalização do ensino-aprendizagem, as resoluções são demandadas ao campo da saúde, resguardando o contexto escolar da responsabilidade por essa condição.

Preparo e despreparo

Quando indagados sobre os recursos educacionais alternativos que a escola utiliza para os alunos considerados atípicos, os participantes relataram que são preparadas atividades específicas de acordo com processo de aprendizagem de cada um; segundo um dos participantes, "A supervisora faz a atividade e eu passo pra ele" (P3).

Os entrevistados afirmaram também que a escola utiliza muito do lúdico com essas crianças como forma de facilitar a aprendizagem delas. A escola possui sala de recursos bem estruturada; é o espaço onde acontecem essas atividades alternativas. Foi percebida pelos entrevistadores a preocupação da escola em preparar os professores para lidar com essas crianças, sendo até relatado por uma das participantes: "a escola tá aqui, ela acolhe, ela vem nos proporcionando também... conhecimento, semana passada mesmo nós tivemos uma palestra com o pessoal sobre comportamento que a escola que proporcionou para os professores, então a gente tem um ressalvo da parte deles" (P4).

Para Piaget (1973), os jogos tornam-se mais significativos à medida que a criança vai se desenvolvendo, pois ela passa a reconstruir objetos, reinventar situações, o que exige uma adaptação mais completa. Nesse sentido, o lúdico faz parte da vida da criança, portanto simboliza a relação pensamento-ação e, sob esse ponto, usa-se fala, pensamento e imaginação.

Vokoy e Pedroza (2005) salientam que os jogos "representam uma fonte de conhecimento sobre o mundo e sobre si mesmo, contribuindo para o desenvolvimento de recursos cognitivos e afetivos que favorecem o raciocínio, a tomada de decisões, a solução de problemas e o desenvolvimento potencial criativo".

Considerações finais

Foi possível observar neste estudo a necessidade, por parte dos educadores, de tentar padronizar o comportamento dos alunos, pois dessa forma o ambiente da sala de aula ficaria mais propício para a aprendizagem. Entretanto, Freitas (2007) refuta esse pensamento ao defender que "educar não é homogeneizar, produzir em massa, mas produzir singularidades. Deixar vir à tona a diversidade de modos de ser, de fazer, de construir; permitir a réplica, a contrapalavra".

Os diagnósticos que fazem parte das dificuldades de aprendizagem e a inserção da medicação para melhora do desempenho escolar impactam principalmente a família da criança, que muitas vezes se mostra resistente quanto à condição. Segundo Lima (2009), tanto a família quanto a escola possuem os papéis de educadores das crianças, e ambas devem viabilizar relações pautadas na afetividade, pois, conforme defende Vygotsky (2010), a cognição se dá através da interação nas relações interpessoais.

Foi possível perceber que a escola em questão na qual este estudo foi realizado possui zelo pelos alunos e busca adaptar seu espaço de acordo com as necessidades de cada um, dando ênfase ao lúdico, preocupando-se em preparar os professores para lidar com alunos típicos e atípicos. 

Nesse sentido, é de grande importância que não se coloque a criança no lugar de enquadramento por ora criado pelo fenômeno da medicalização e que se tenha um olhar para além da condição dela, uma vez que se evidenciou que relações interpessoais de qualidade no ambiente escolar e a aceitação das singularidades de cada aluno é que promovem uma aprendizagem adequada.

Referências

ALMEIDA, Núbia. Régia; CARMO, Andréia Nascimento. A construção social da infância a partir da Idade Média e sua representação na literatura. Revista de Letras da Universidade do Estado do Pará, abr./jun. 2017.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. 2ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

AZEVEDO, Luciana Caruso. Medicalização das infâncias: entre os cuidados e os medicamentos. Psicologia USP, v. 29, nº 3, p. 451-458. 2018.

BAUMGARDT, Jocimara Silva; ZARDO, Pricila Lechinewski Gouveia. A medicalização dos afetos: a ritalinização da infância e as implicações aos direitos da infância e adolescência. Cad. Esc. Dir. Rel. Int., v. 3, nº 26, p. 81-94, 2016.

BELTRAME, Rudinei Luiz; GESSER, Marivete; SOUZA, Simone Vieira. Diálogos sobre a medicalização da infância e educação: uma revisão de literatura. Psicol. Estud., Maringá, v. 24, e42566, 2019.

BENEDETTI, Mariana Dias et al. Medicalização e educação: análise de processos de atendimento em queixa escolar. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 22, nº 1, p. 73-81, abr. 2018.

BRAGA, Simone Silva; SCOZ, Beatriz Judith Lima; MUNHOZ, Maria Luiza Puglisi. Problemas de aprendizagem e suas relações com a família. Rev. psicopedag., São Paulo, v. 24, nº 74, p. 149-159, 2007.

BRAND, Évelin Maria et al. Os discursos de profissionais da saúde acerca do transtorno de déficit de atenção de hiperatividade (TDAH). Saúde em Redes, v. 3, nº 3, p. 222-229, 2017.

BORINE, Rita Cássia Calderani. Considerações gerais sobre dificuldade de aprendizagem. Revista Eletrônica Facimedit, v. 2, nº 2, jul./dez. 2015.

CORIAT, Luiz. Algumas ideias acerca da inclusão da criança com síndrome de Down, em todas as escolas de educação para deficientes mentais. Escritos da Criança, Porto Alegre, nº 6, 2006.

CORTEZ, Renata Veloso Morais; FARIA, M. A. Distúrbios de aprendizagem e os desafios da educação escolar. Saberes da Educação, São Roque, v. 2, nº 1, p. 1-9, 2011.

CHRISTOFARI, Ana Carolina; FREITAS, Cláudia Rodrigues; BAPTISTA, Cláudio Roberto. Medicalização dos modos de ser e aprender. Educação & Realidade, v. 40, nº 4, p. 1.079-1.102, out./dez. 2015.

CUNHA, Janaína Arruda Pontes; MELO, Luciana Maria Lima. Medicação/medicalização na infância e suas possíveis consequências. Pretextos - Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, v. 2, nº 4, jul./dez. 2017.

DOMINGOS, Gláucia Avila; GOBBI, Beatriz Christo. Dificuldades do processo de aprendizagem. Escola Superior Aberta do Brasil, p. 1-29, 2007. Disponível em: https://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0126.pdf. Acesso em: 18 nov. 2019.

FRASER, Maria Tourinho Dantas; GONDIM, Sônia Maria Guedes. Da fala do outro ao texto negociado: discussões sobre a entrevista na pesquisa qualitativa. Paideia, Ribeirão Preto, v. 14, nº 28, p. 139-152, ago. 2004.

FREITAS, Maria Teresa Assunção. A perspectiva sócio-histórica: uma visão humana da construção do conhecimento. In: FREITAS, M. T. A.; SOUZA, Solange Jobim; KRAMER, Sonia. Ciências humanas e pesquisa: leituras de Mikhail Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2007. p. 26-37.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

GARRIDO, Juliana; MOYSES, Maria Aparecida Afonso. Um panorama nacional dos estudos sobre a medicalização da aprendizagem de crianças em idade escolar. In: CRP-SP; GIQE (Orgs.). Medicalização de crianças e adolescentes. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010. p. 149-162.

GIMENEZ, Eloisa Hildsorf Rocha. Dificuldade de aprendizagem ou distúrbio de aprendizagem? Edubase, v. XIII, p. 78-83. 2005.

KAMERS, Michele. A fabricação da loucura na infância: psiquiatrização do discurso e medicalização da criança. Estilos Clín., São Paulo, v. 18, nº 1, p.153-165, abr. 2013.

KRAMER, Sônia. A política do pré-escolar no Brasil: a arte do disfarce. 2ª ed. Rio de Janeiro: Achiamé, 1984.

LEONARDO, Nilza Sanches Tessaro; SUZUKI, Mariana Akemi. Medicalização dos problemas de comportamento na escola: perspectivas de professores. Fractal: Revista de Psicologia, v. 28, nº 1, p. 46-54, jan./abr. 2016.

LIMA, Liliana Correia. Interação família-escola: papel da família no processo ensino-aprendizagem. Curitiba, 2009. Disponível em: www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2009-8.pdf. Acesso em: 10 out. 2019.

LUENGO, Fabiola Colombani. A vigilância punitiva: a postura dos educadores no processo de patologização e medicalização da infância. São Paulo: Editora Unesp; Cultura Acadêmica, 2010.

MACHADO, Adriana Marcondes. Encaminhar para a Saúde quem vai mal na Educação: um ciclo vicioso? Revista Educação, São Paulo, 2004. Disponível em: https://www.passeidireto.com/arquivo/18908849/encaminhar-para-saude-quem-vai-mal-na-educacao-um-ciclo-vicioso. Acesso em: 05 abr. 2019.

MACEDO, Laura Christina; LAROCCA, Liliana Muller; CHAVES, Maria Marta Nolasco; MAZZA, Verônica Azevedo. Análise do Discurso: uma reflexão para pesquisar em saúde. Interface, Botucatu, v. 12, nº 26, p. 649-657, set. 2008.

MENEGHETTI, Ana Cláudia Figueiredo; SOUZA, Fernanda. Dificuldade de aprendizagem: escola, família e comunidade como grandes aliados e formação do autoconceito. Disponível em: http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/wp-content/uploads/2017/10/TCC-Ana-Claudia-Figueiredo-Meneghetti.pdf. Acesso em: 18 de novembro de 2019.

NAVARRO, Lisienne; GERVAI, Solange; NAKAYAMA, Antônia; PRADO, Alice Silva. A dificuldade de aprendizagem e o fracasso escolar. Journal of Research in Special Educational Needs, v. 16, nº s1, p. 46–50, 2016.

OLIVEIRA, Isaura Gisele; POLETTO, Michele. Vivências emocionais de mães e pais de filhos com deficiência. Rev. Spagesp, Ribeirão Preto, v. 16, nº 2, p. 102-119, 2015.

PAIS, Sofia Castanheira; MENEZES, Isabel; NUNES, João Arriscado. Saúde e escola: reflexões em torno da medicalização da educação. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 32, nº 9, e00166215, 2016.

PIAGET, Jean. O tempo e o desenvolvimento intelectual da criança. Rio de Janeiro: Forense, 1973.

PIAIA, Aline; BILHAR, Patrícia Fátima Zanotto. Inserção da criança no ambiente escolar: suas adaptações e vínculos. Revista Conversatio, v. 2, nº 2, jan./jun. 2017.

PRIORE, Mary Del. História das crianças no Brasil. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2000.

POTT, Eveline Tonelotto Barbosa. O "problema" dos problemas de aprendizagem. Rev. Psicopedag., São Paulo, v. 35, nº 108, p. 357-361, dez. 2018.

ROCHA, Dércio; DEUSDARÁ, Bruno. Análise de conteúdo e análise do discurso: aproximações e afastamentos na (re)construção de uma trajetória. Alea, Rio de Janeiro, v. 7, nº 2, p. 305-322, dez. 2005.

SIQUEIRA, Luís Carlos Silva. A cultura da medicalização na infância. 2015. 31 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) - Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijui, 2015.

SOUZA, Marilene Proença Rebello; CUNHA, Beatriz Belluzo Brando. Projetos de lei e políticas públicas: o que a Psicologia tem a propor para a educação? In: CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DE SÃO PAULO (Org.). Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doença de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010. p. 215-227.

TRINDADE, Franciele Souza. Dificuldades encontradas pelos pais de crianças especiais. Brasília: FACS, 2004.

VOKOY, Tatiana; PEDROZA, Regina Lucia Sucupira. Psicologia escolar em Educação Infantil: reflexões de uma atuação. Psicol. Esc. Educ., Campinas, v. 9, nº 1, p. 95-104, jun. 2005.

VYGOTSKY, Lev Semionovitch. Aprendizagem e desenvolvimento na idade escolar. In: ______. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 11ª ed. São Paulo: Ícone, 2010. p. 103-116.

VENDRÚSCULO, Larissa Ester Bartz. Descoberta da deficiência do filho: o luto e a elaboração dos pais. Ijuí: Ed. Unijuí, 2014.

Publicado em 14 de dezembro de 2021

Como citar este artigo (ABNT)

ROCHA, Ananda Tuany das Neves; SOUTO, Gabriela Luiza Freitas; PIRIS, Alvaro Parrela. Medicalização no processo de ensino-aprendizagem infantil. Revista Educação Pública, v. 21, nº 45, 14 de dezembro de 2021. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/21/45/medicalizacao-no-processo-de-ensino-aprendizagem-infantil

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.