Violência escolar: uma percepção social

Bianca da Cruz Barbieri

Pedagoga, professora da Educação Básica e Faculdade de Americana

Naiara Ester dos Santos

Pedagoga, professora da Educação Básica e Faculdade de Americana

Wagner Feitosa Avelino

Mestre em Educação (Unesp), professor e pesquisador da Faculdade de Americana e da Secretaria Estadual de São Paulo

A violência escolar é um fenômeno preocupante no Brasil, tem-se agregado e assumido diversas formas nas escolas, fazendo-se necessária uma investigação das perspectivas sociais, políticas e psicológicas, para que se possa ampliar a compreensão e fazer-se uso do pensamento crítico sobre essas questões.  

A escola é vista como um centro de formação intelectual, de desenvolvimento e aprendizagem, um espaço constituído por segurança e proteção. Entretanto, atualmente, situações de violência e desrespeito nas instituições ganham cada vez mais destaque nas mídias e pesquisas, como dito por Debarbieux (2001), o enfoque da mídia no assunto contribuiu para que os acontecimentos tivessem mais visibilidade. As agressões nem sempre são físicas, casos de violência psicológica são bem mais comuns e menosprezados, pois constantemente são julgados como brincadeira.  

O índice de violência nas escolas é alarmante. De acordo com Souza (2019),

em 2019, 81% dos estudantes e 90% dos professores souberam de casos de violência em suas escolas estaduais no último ano. Ocorrências mais frequentes de violência nas escolas estaduais envolveram bullying, agressão verbal, agressão física e vandalismo.

Consequentemente, fazendo com que seja criada uma atmosfera de medo e vulnerabilidade, tanto para professores quanto para alunos. Vítimas presentes nesse índice são propensas a desenvolverem problemas sérios de saúde (tanto físicos quanto mentais), abono escolar, evasão e ensino-aprendizagem negativos, são alguns dos problemas que podem ser decorrentes à violência. Abramovay e Rua (2003, p. 63) verificaram que

muitos jovens são vítimas ou agentes da violência, entretanto, mesmo os que não se envolveram diretamente, relataram inúmeros casos dos quais tomaram conhecimento ou presenciaram no espaço escolar. Essa proximidade contribui para banalizar o comportamento violento [...]. A gratuidade da violência para eles. É uma realidade, e o medo é comum em suas falas.

A hostilidade é comumente estimulada por meio do convívio em ambientes violentos, os alunos absorvem para si a atmosfera ali presente e o único modo que encontram de se expressar é por meio da agressividade, ofensas e humilhações contra os colegas, professores e os funcionários da instituição. Para Bourdieu (2002) os alunos apenas reproduzem a violência, não a aprendem, pois, para aprender deve-se abrir espaço para questionamento, ao qual não ocorre.   

A negligência dos pais ou responsáveis também tem influência no comportamento do discente, uma vez que a família é a base da educação, e se não age paralelamente com a instituição de ensino, o aluno entende que seus atos não têm consequência real. Pais transferem para a escola a responsabilidade de educar e cuidar do indivíduo, tirando de si a obrigação de formar um cidadão para integrar o convívio social. De acordo com Pereira e Zuin (2019), pais que são excessivamente autoritários e violentos, e por outro lado, pais que não têm autoridade, sujeitam influenciar o desempenho do filho e o convívio escolar.

Quando ocorrem situações externas, em que o estudante foi vítima, ele tem grandes chances de se tornar o agressor em uma próxima oportunidade, ao causar o mesmo sofrimento que lhe foi ocasionado. De qualquer forma, tudo afeta em grande escala o desenvolvimento do aluno.

Os identificados como alvos/autores apresentam maior probabilidade de desenvolverem doença mental, devendo ser considerados como de maior risco. Manifestações como hiperatividade, déficit de atenção, desordem de conduta, depressão, dificuldades de aprendizado, agressividade, além de todas as demais já citadas, podem ser encontradas (Neto, 2005, p. 169).

Deve-se ressaltar que os professores também são alvo dessas respostas agressivas. Contudo, é possível que os docentes induzam seus alunos por meio da falta de diálogo e do abuso de poder. Uma vez que, docentes ainda utilizam a metodologia tradicional, que consiste no professor como o detento do conhecimento absoluto, não tendo participação dos discentes, atividades já prontas, não se adaptando às necessidades dos alunos em questão e distribuição de carteiras em fileiras viradas ao quadro e ao professor, desmotivando os educandos a acreditarem no processo de conhecimento.

A pedagogia tradicional, nesse contexto educativo, traz aulas expositivas, em que o ensino é centrado na figura do professor. O docente deposita o conteúdo sem abrir espaço para questionamentos e sugestões dos alunos, que por sua vez não tem voz e oportunidade de socializar o que pensam e sentem. Deste modo, quando o professor é autoritário e não transmite um processo educativo de reflexão e participação ativa dos alunos, tende a criar sentimentos de ódio pelo professor e falta de interesse pelas aulas, abrindo espaço para conflitos, ocasionando a violência contra o professor e contra o patrimônio da escola.

O intuito não é identificar e rotular vítima ou agressor, mas procurar construir uma cultura de paz nas escolas e promover atendimento psicossocial para profissionais da educação, alunos e comunidade. De acordo com Debarbieux (2001), a família e a escola devem trabalhar em conjunto para acompanhar as mudanças, uma forma de manter a realidade familiar junto à encontrada no ambiente escolar, visto que esse é muito importante para o desenvolvimento e obtenção da dignidade.

A instituição de ensino, juntamente à comunidade escolar, necessita repensar seus papeis e proporem estratégias para minimizarem a violência encontrada em ambientes escolares. Buscar a compreensão e a presença do poder público para uma melhor infraestrutura e criação de novas metodologias para que o professor possa estimular e auxiliar o aluno a ansiar por conhecimento e a se desenvolver. Tudo isso, com constante parceria aos profissionais psicossociais, sendo eles, psicólogos, psicopedagogos e/ou psiquiatras, para que assim, alcancem a educação por meio da paz, baseada em respeito mútuo, onde ninguém se sinta coagido no ambiente que deve ser de acolhimento.  

A metodologia da pesquisa consiste em revisões literárias sobre o tema, realizadas a partir das leituras de obras e artigos científicos, consultados na base de dados da SciELO e bibliotecas virtuais. O objetivo desta pesquisa é demonstrar quais os motivos propagam a violência escolar e como essa pode afetar na saúde psicológica e física dos alunos e professores. Diante disso, a finalidade de tal é buscar subsídios para melhor convivência e minimização do impacto da violência no âmbito escolar.

A violência sempre existiu, em todos os ambientes, e nunca poderá ser erradicada por completo, contudo, são conhecidas alternativas para a diminuição dessas, todas a médio e longo prazos, contando com o apoio de todos os envolvidos, sendo eles comunidade, família, poder público e a escola.  

As violências presentes em ambiente escolar

A escola, sobretudo, deve ser um espaço para socializar conhecimentos e cultivar a formação intelectual, moral e ética do aluno, entretanto, o aprendizado do discente não é a única preocupação da instituição, fatores como a violência vêm sendo cada vez mais presentes no processo educacional, pois vem prejudicando não só o processo de ensino-aprendizagem dos discentes, mas sim a preocupação de como enfrentar a violência, qual a melhor forma em lidar com o aluno contemporâneo e buscar bons resultados no seu desenvolvimento. Sua amplificação no âmbito escolar requer discussões que envolvam família e a comunidade.

Os conflitos que acontecem no espaço escolar contam com três situações, a primeira são as testemunhas, alunos que observam os acontecimentos, mas mantêm-se neutros, pois não querem ser a próxima vítima, desse modo, não intervindo nas ações que estão ocorrendo passam a compactuar com as agressões, tornando-se coautores. A segunda situação são os alvos, esses por sua vez, são perseguidos de forma hostil e por vezes não sabem como se defender, podendo ser professores, alunos e funcionários da escola. Na terceira circunstância, os autores encontram um indivíduo com características especificas, podendo ser a orientação sexual, crença, gênero, físico e raça, sem motivos aparentes, desta maneira, todos passam a ser alvos em potencial.

Nas escolas as violências mais presentes são ações de depredação do espaço físico, vandalismo, pichações, brigas, cyberbullying, o bullying que envolve ameaças, xingamentos, insultos, discriminações, intimidações, agressões físicas, verbais e psicológicas, também se encontra as incivilidades, indisciplinas, uso e comércio de drogas, furtos e a utilização de armas, ocasionando possíveis mortes.   

São ações violentas desencadeadas por motivos diversos, bem como a própria realidade vivenciada pelo indivíduo, seja do convívio doméstico, familiar e social. A própria escola também favorece a eclosão da violência, Ristum et al. (2010) por meio das grandes diferenças das condições de vida e de aprendizado entre alunos do ensino público e privado, acarretando a uma violência estrutural, mas também do ambiente que a escola está inserida.

A violência estrutural expressa formas de manifestação relacionadas à dominação de classe, de grupos e do próprio Estado e as formas como determinados grupos/instituições criam condições de vida desiguais e injustas (Farmer, 2004, apud Piccoli; Lena; Gonçalves, 2019, p. 178).

As escolas públicas lidam frequentemente com problemas e desafios estruturais, ao comparar as instituições de ensino público e privado reflete-se a reprodução das desigualdades sociais. As escolas privadas são voltadas em desenvolver nos discentes habilidades e competências que os qualifiquem na formação social, portanto, um dos principais fatores são os investimentos na instituição, as salas de aula não passam por superlotações de alunos, as metodologias e recursos utilizados são de qualidade e sempre atualizados, a estrutura e funcionamento da escola são voltados ao benefício dos alunos, por meio de laboratórios de informática, de química, aulas de dança, música, karatê, ambientes amplos para o bom desenvolvimento dos discentes e os cursos extras na preparação para vestibulares.

A violência também ocorre em escolas destinadas à elite, mas acaba sendo mais frequente nas situadas em ambientes carentes de segurança, saneamento e saúde – que não asseguram condições de vida digna –, fatores que contribuem para um quadro de violência geral (Sposito, 2001, apud Piccoli; Lena; Gonçalves, 2019, p. 178).

Na rede pública, um fato muito comum é a falta de investimentos e as estruturas precárias, as salas de aulas são sempre lotadas, dificultando assim o desenvolvimento do aluno e um atendimento/atenção individual, como também a falta constante de recursos e a fragilidade de materiais, com efeito prejudicial na formação do cidadão com pensamento crítico, dessa forma afetando o desenvolvimento escolar e, por conseguinte, ocasionando conflitos interpessoais. De acordo com Piccoli, Lena e Gonçalves (2019, p. 180), “não há como tratar das violências cotidianas no ambiente escolar sem relacioná-las com o cenário mais amplo de violências estruturais”. Mediante o exposto, é lamentável que as escolas públicas ainda continuem com infraestruturas inadequadas e que situações de violência permaneçam frequentes no ensino público brasileiro.

Uma pesquisa do Instituto Locomotiva e do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) indica que a violência contra professores cresceu nas escolas públicas paulistas nos últimos anos. De acordo com os dados, cinco em cada dez professores da rede (54% já sofreram algum tipo de violência nas dependências das escolas em que lecionam — esse número era de 51% em 2017 e de 44% em 2014. Entre estudantes 37% declararam ter sofrido algum tipo de violência, em 2014 eram 28%, e 39% em 2017 (Apeoesp, 2019, s/p).

Os alunos agora são outros, tendo outras criações e necessidades, fazendo com que a figura autoritária não tenha mais o mesmo sentido que antes.  A violência no ambiente escolar, conclui-se que essas são resultantes de microviolências cotidianas, como por exemplo: empurrar, cutucar, andar pela sala, falar enquanto o professor está falando, gritar, jogar papel, dar risada, entre outros episódios recorrentes em sala, são atitudes que causa desordem e sem intervenções podem passar a agressões mais sérias. Essas ações também são chamadas de incivilidades ou indisciplinas, ou seja, manifestações perturbadoras, nas quais a aprendizagem é rompida e “a incivilidade permite pensar nas microviolências” (Debarbieux, 2001, p. 179). As microviolências geram as violências duras, ações que utilizam de força e palavras mais ofensivas.

Essas ações passaram a ser banalizadas, se encaixando no conceito de Arendt (1963) de “banalidade do mal”, ou seja, atos tratados como naturais que, por vezes, passam despercebidos em nosso cotidiano, por já se tratar de situações corriqueiras, que agridem não necessariamente o físico, enquadrando-se no conceito de violência simbólica, de Bourdieu (1989), em que a violência é psicológica, sendo aquilo que machuca sem tocar.

Os discentes praticam esses atos pensando não ter consequências, é quando se faz uso de punições e recompensas. Marchetto (2009) aponta que não se deve reprimir o outro dando recompensas quando é feito apenas o que se pede, fazendo assim com que o aluno se acomode, sem pensar por si mesmo, e deixa de desenvolver o pensamento crítico, ou seja, as crianças não aprendem o que é certo ou errado, faltando com autorregulação, pelo fato de estarem em constante aprendizagem para a manipulação.  

Para Abramovay (2015), a escola é um local onde os alunos são obrigados a conviver todos os dias, obedecendo aos horários, normas e regras. Estes são alguns mecanismos de controle utilizados, mas que não apresentam resultado a longo prazo, pois não minimizam o mau comportamento dos alunos. Desta maneira, os estudantes irão encontrar outros meios de provocar as agressões físicas, xingamentos, intimidações, indisciplinas, incivilidades e o bullying, descobrindo brechas nas regras impostas ou simplesmente quebrando-as, afetando a aprendizagem e a vida pessoal de todos os submetidos.

Causas e consequências da violência em âmbito escolar

A violência no âmbito escolar tem influência sob todos, visto que tem se instalado de diversas formas, afetando a qualidade de vida pessoal e social, além de ocasionar males a saúde física e psicológica.  

Uma das principais causas da violência nas escolas são reproduções de ambientes violentos, como por exemplo: presença de discussões familiares, ausência dos pais ou responsáveis, falta de afeto, desemprego, pobreza, falta das políticas públicas, violência presentes nos meios de comunicação (televisão, celular, filmes, desenhos, redes sociais e até mesmo nos videogames), violência sexual, falta de empatia, entre outros. São formas que encontram de manifestar, uma vez que as crianças reproduzem o que veem ou o que lhes é ensinado (Peçanha, 2013, p. 15): “o agressor por vezes vem de convívios familiares perturbados e/ou desestruturados, e é frequente que tenha sido submetido à violência doméstica, acaba reproduzindo na escola o uso de forças e da intimidação, sob a qual é sujeitado em seu meio familiar”. A violência doméstica pode estar relacionada a vários fatores, conforme Lourenço e Senra (2014, p. 45):

Tais fatores podem ser socioeconômicos, culturais, o temperamento do indivíduo e as influências de familiares, colegas e da comunidade. Além desses, sobretudo, as relações de desigualdade de poder em casa/família e na escola, a ausência de coesão, a ambivalência no envolvimento emocional com pais, irmãos e colegas, com clima emocional frio e assimétrico. As relações de desigualdade de poder na família revelam um lar com cotidiano hostil e permissivo em que há uso de violência como forma de disciplina, sem quaisquer habilidades para resolução de conflitos, o que leva as crianças e adolescentes reproduzirem tais condutas com colegas e professores.

Portanto, o que se passa no ambiente escolar é reflexo de suas vivências familiares ou do ambiente socioeconômico em que se encontram. Entretanto, a falta de afeto e ausência dos pais também influencia o comportamento dos filhos.

A falta de afeto e de valores está relacionada com a frequente ausência dos pais, que, em busca da sobrevivência diária para a família, deixam seus filhos com irmãos mais velhos ou babás, o que reduz cada vez mais o tempo de convívio familiar entre pais e filhos. Essa mudança nas relações familiares tem várias implicações. O abandono pode decorrer tanto da necessidade de trabalho dos pais, quanto do total despreparo por parte dos mesmos no trato com a criança, e ainda pela inversão de valores com relação ao papel da escola (Souza, 2008, p. 127).

Por outro lado, quando os alunos não se sentem representados, não gostam das aulas e/ou presenciam abusos de poder por parte dos docentes e do setor pedagógico, tendem a encontrar maneiras de implicar com os mesmos, fazendo com que os professores se sintam constantemente atacados por parte dos estudantes, levando ao desanimo e até mesmo problemas psicológicos, já que vivem em constante estado de alerta, com medo de serem alvos.   

A violência dentro do contexto escolar se manifesta entre os estudantes pelas agressões físicas, verbais, materiais, cyberbullying, social e psicológica, essas comumente são ações que perpetram o bullying. O cyberbullying éuma violência praticada por ambientes virtuais, o indivíduo utiliza o meio de comunicação para ridicularizar e agredir o outro.  

Conforme a Lei de Diretrizes e Bases (nº 9.394/96), no seu Art.12, “IX - promover medidas de conscientização, de prevenção e de combate a todos os tipos de violência, especialmente a intimidação sistemática (bullying), no âmbito escolar” (Brasil, 1996). São institucionalizados por lei, a fim de determinar os princípios da educação e os deveres do Estado diante o processo educacional, porém são direitos violados aos alunos, não colocados em prática, visto que o Brasil continua com altos índices referentes à violência. Uma pesquisa feita pela Unicef demostra que,

no Brasil, 37% dos respondentes afirmaram já ter sido vítima de cyberbullying. As redes sociais foram apontadas como o espaço online em que mais ocorrem casos de violência entre jovens no País, identificando o Facebook como a principal. Além disso, 36% dos adolescentes brasileiros informaram já ter faltado à escola após ter sofrido bullying online de colegas de classe, tornando o Brasil o país com a maior porcentagem nesse quesito na pesquisa (Unicef, 2019, s/p).

O bullying é caracterizado por agressões intencionais, perseguições, apelidos depreciativos e a humilhação diante a um público, seus atos podem ser maléficos e acarretar problemas psicológicos e emocionais, além das mudanças de comportamento e até o suicídio.

Pesquisa da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP) realizada com 2.702 adolescentes do 9º ano em 119 escolas públicas e privadas da capital paulista, revelou que 29% deles relataram ter sido vítimas de bullying no ano passado e 23% afirmaram ter sido vítimas de violência. Além disso, 15% disseram ter cometido bullying e 19% ter cometido violência (Boehm, 2020, s/p).

Um fator muito comum em escolas públicas é a utilização de ferramentas que oferecem perigo, como armas, facas e estiletes, entre outros. Souza (2008) fala que a pluralidade das armas e objetos que danificam e machucam o outro, em muitos casos, está atrelada à estrutura familiar; a criança e o adolescente levam à escola para mostrar aos colegas ou utilizam para se defender de conflitos, com a intenção de ferir e vingar-se no momento de raiva. Situações de hostilidade que trazem consequências na vida de todos os estudantes afetam a ordem, motivação, provocam a baixa autoestima, ansiedade, estresse, transtornos emocionais e a perda de interesse nas atividades escolares. Para Abramovay (2015, p. 7),

diversas violências, utiliza-se no plural para mostrar os diferentes significados da violência e como afetam a ordem, a motivação, a satisfação e as expectativas de todos os que frequentam a escola, têm efeitos relacionados com a repetência, a evasão, o abandono escolar.

Souza (2008) relata que muitos alunos apresentam desinteresse nas aulas e possuem dificuldades em relacionar-se com a turma, adquirindo comportamentos antissociais, inclusive faltas constantes nas aulas, repetência, fracasso escolar, a evasão caracterizada como abandono escolar. O discente que é vítima de alguma violência passa a demonstrar desinteresse nas atividades pedagógicas, o mesmo não atinge seus objetivos em uma formação integral, abalando seu processo de ensino-aprendizagem e por consequência encontrará dificuldades em ingressar no mercado de trabalho.   

Entre outras consequências de afastamento, professores e alunos traumatizados, desenvolvem sérios problemas psicológicos como a depressão, síndrome do pânico, ansiedade e até o suicídio, além dos impactos negativos no ensino-aprendizagem e nas suas relações diárias. De acordo com Paixão (2019, s/p), “por dia, 111 professores da rede estadual de São Paulo foram afastados por transtornos mentais ou comportamentais. Na ponta do lápis, o ano de 2019 já soma 27 mil licenças médicas por esses motivos até o mês de agosto”.

A violência verbal e psicológica pode ser tão ruim quanto a física, visto que demora mais a apresentar sinais, dificultando assim que outras pessoas identifiquem o problema, ou é visto como brincadeira – até mesmo se passa por frescura por muitos.  

No Brasil, dados [...] mostram que, em 12 anos, a taxa de suicídios na população de 15 a 29 anos subiu de 5,1 por 100 mil habitantes em 2002 para 5,6 em 2014 - um aumento de quase 10%. Em números absolutos, foram 2.898 suicídios de jovens de 15 a 29 anos em 2014, um dado que costuma desaparecer diante da estatística dos homicídios na mesma faixa etária, cerca de 30 mil (Escóssia, 2017, s/p).

Normalmente, as vítimas de bullying acumulam uma carga emocional negativa, devido à sequência de violências sofridas e presenciadas, que acarretam problemas emocionais capazes de levar à reclusão e até mesmo ao suicídio.

Um estudo [...] mostrou que 20% dos adolescentes corriam risco de suicídio, 15,2% tinham história de tentativa de suicídio, 35,3% tinham desejo passivo de morrer e 13,2% planejaram suicídio em algum momento da vida. A literatura revela que a prevalência de ideação suicida em adolescentes avaliados em uma unidade de emergência pediátrica é maior, chegando a 68,9%. O suicídio é uma das principais causas de morte na faixa etária entre 15 e 19 O alto índice de suicídio em adolescentes justifica-se pela pressão psicológica por eles sofrida nesta fase. Muitos deles acreditam que tirar a vida é a única forma de aliviar o sofrimento (Pimentel; Mea; Patias, 2020, p. 212).

Deve-se assim buscar ajuda profissional a partir da presença dos primeiros sintomas, entre eles, desânimo, choro repentino, sensação de pânico ou até mesmo autodepreciação, depressão, ansiedade, mudanças de comportamento, aflição e tristeza.  

Considerações finais

Este trabalho visa aprofundar e ampliar os conhecimentos sobre a violência no ambiente escolar, além dos motivos de sua existência e as consequências dos envolvidos. Os pesquisadores analisados serviram de arcabouços teóricos para o desenvolvimento e familiaridade sobre a temática.

A violência está presente no ambiente escolar em ações corriqueiras, como apelidos, interrupções na fala, conversas paralelas, risadas e, em casos mais extremos, partindo para agressões físicas, porém estamos constantemente cercados pela violência simbólica, a qual por vezes não é percebida ou é tratada como algo natural, pelo fato de já ter-se enraizado em nossa sociedade.  

As razões desses atos violentos são representadas pelas possíveis indisciplinas e incivilidades, essas que não estão presentes apenas no ambiente escolar, mas sim na sociedade como um todo, de modo com que os profissionais da educação e a própria instituição de ensino não tenham mais controle do comportamento dos alunos. Mesmo com imposições de regras e punições, esses atos acarretam em mais violência. Desse modo, ações que atacam a lei por meio da força e ameaças, sendo prejudiciais à saúde física e psicológica de todos os submetidos.

Essa violência é o reflexo da vida social, contudo acreditam-se que situações violentas são a única forma de resolver seus problemas, como se já fosse um cenário natural, uma cena da vida cotidiana de milhares de crianças e adolescentes que apenas reproduzem aquilo que está presente em sua realidade, essa normalizações fazem com que os sujeitos não enxerguem a violência como algo ruim ou não percebam que a praticam.  Por mais que tardem, a violência, em todas as suas faces,  provoca consequências, tanto para os que foram vítimas quanto para os autores. Desse modo, os resultados levam à depressão, suicídio e distúrbios comportamentais; por outro lado, pode ser prejudicial no desenvolvimento nas atividades em sala de aula, acarretando ao fracasso e abandono escolar.

Para minimizar o impacto da violência no âmbito escolar, tendo como proposto atividades e projetos que envolva artes visuais, música, dança, teatro, esporte e lazer, a fim de trazer para instituição a arte-educação, com estratégias para que o discente participe no campo educacional e obter um desenvolvimento integral.

Referências

ABRAMOVAY, Miriam. Programa de prevenção à violência nas escolas: violências nas escolas. Flacso Brasil, p. 7-19, 2015. Disponível em: http://flacso.org.br/?publication=violencias-nas-escolas-programa-de-prevencao-a-violencia-nas-escolas. Acesso em: 20 out. 2020.

______; RUA, Maria das Graças. Violência nas escolas (Versão resumida). Brasília: Unesco, 2003. Disponível em: http://repositorio.minedu.gob.pe/bitstream/ handle/123456789/1380/2003_Abramovay_Violencia %20nas%20Escolas_por.pdf?sequence=2&isAllowed=y. Acesso em: 20 out. 2020.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. Trad. José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1963.

BOEHM, Camila. São Paulo: 29% dos jovens sofreram bullying em 2019 em escolas. Agência Brasil, fev. 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2020-02/sp-29-dos-jovens-sofreram-bullying-em-2019-em-escolas. Acesso em: 20 out. 2020.

BOURDIEU, Pierre. A produção da crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. São Paulo: Zouk, 2002.

______. O poder simbólico. 10ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 20 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 20 de out. 2020.

DEBARBIEUX, Eric. A violência na escola francesa: 30 anos de construção social do objeto (1967-1997). Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, nº 1, p. 163-193, jan./jun. 2001. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-97022001000100011. Acesso em: 20 out. 2020.

ESCÓSSIA, Fernanda da. Crescimento constante: taxa de suicídio entre jovens sobe 10% desde 2002. BBC Brasil, 2017. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-39672513. Acesso em: 17 out. 2020.

FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA (UNICEF). Mais de um terço dos jovens em 30 países relata ser vítima de bullying online. Brasília: Unicef Brasil, 2019. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/comunicados-de-imprensa/mais-de-um-terco-dos-jovens-em-30-paises-relatam-ser-vitimas-bullying-online. Acesso em: 01 out. 2020.

LOURENÇO, Lélio Moura; SENRA, Luciana Xavier. A violência familiar como fator de risco para o bullying escolar: contexto e possibilidades de intervenção. Aletheia, Canoas, nº 37, p. 42-56, abr. 2012. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942012000100004. Acesso em: 21 out.  2020.

MARCHETTO, Gloria Lourdes Alessi. Educação para a paz: um caminho necessário. São Paulo: Paulinas, 2009.

MOEHLECKE, Sabrina; ASSIS, Simone Gonçalves de; MARRIEL, Nelson de Souza Motta; RISTUM, Marilena; CECCHETTO, Fátima; RIBEIRO, Fernanda Mendes Lages. Impactos da violência na escola: um diálogo com professores. Rio de Janeiro: Ministério da Educação/Fiocruz, 2010. Disponível em: http://books.scielo.org/id/szv5t. Acesso em: 20 out. 2020.

NETO, Aramis A. Lopes. Bullying: comportamento agressivo entre estudantes. Jornal de Pediatria, Porto Alegre, v. 81, nº 5, supl. p. 164-172, nov. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000700006. Acesso em: 20 out. 2020.

PAIXÃO, Mayara. A cada dia, mais de 100 professores são afastados por transtornos mentais em São Paulo. Brasil de Fato, São Paulo, out. 2019. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/ especiais/ a-cada-dia-mais-de-100-professores-sao-afastados-por-transtornos-mentais-em-sp #:~:text=%C3%A0s%2008%3A28-, A%20cada%20dia%2C%20mais%20de%20100%20professores%20s%C3%A3o, por%20transtornos%20mentais%20em%20SP&text=Por%20dia%2C%20111% 20professores%20da,at%C3%A9%20o%20m%C3%AAs%20de%20agosto. Acesso em: 20 out. 2020.

PEÇANHA, Ingride Silva Barbosa. Reflexões acerca da violência escolar. Brasil de Fato, Belo Horizonte, p. 15, abr. 2013. Disponível em: https://www.ufjf.br/graduacaocienciassociais/files/2010/11/REFLEX%c3%95ES-ACERCA-DA-VIOL%c3%8aNCIA-ESCOLAR-Ingrid-Silva-Barbosa-Pe%c3%a7anha.pdf. Acesso em: 20 out. 2020.

PICCOLI, Luiza Machado; LENA, Marisangela Spolaôr; GONÇALVES, Tonantzin Ribeiro. Violência e sofrimento social no contexto escolar: um estudo de caso em Porto Alegre/RS. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 28, nº 4, p. 174-185, out./dez. 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010412902019000400174&lang=pt. Acesso em: 10 out. 2020.

PIMENTEL, Fernanda de Oliveira; MEA, Cristina Pilla Della; PATIAS, Naiana Dapieve. Vítimas de bullying, sintomas depressivos, ansiedade, estresse e ideação suicida em adolescentes. Acta Colombiana de Psicologia, v. 23, nº 2, p. 206-213, 2020. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S012391552020000200230&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 20 out. 2020.

SINDICATO DOS PROFESSORES DO ENSINO OFICIAL DO ESTADO DE SÃO PAULO (APEOESP). Pesquisa indica aumento de casos de violência nas escolas públicas de São Paulo. São Paulo, dez. 2019. Disponível em: http://www.apeoesp.org.br/noticias/noticias-2019/pesquisa-indica-aumento-de-casos-de-violencia-nas-escolas-publicas-de-sao-paulo/. Acesso em: 15 out. 2020.

SOUZA, Ludmilla. Violência contra professores e alunos cresce na rede pública paulista. Agência Brasil, 2019. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2019-12/ violencia-contra-professores-e-alunos-cresce-na-rede-publica-paulista. Acesso em: 20 out. 2020.

SOUZA, Mirian Rodrigues de. Violência nas escolas: causas e consequências. Caderno Discente do Instituto Superior de Educação, Aparecida de Goiânia, p. 119-135, 2008. Disponível em: http://www.faculdadealfredonasser.edu.br/files/pesquisa/Artigo%20VIOL% C3%8ANCIA%20NAS%20ESCOLAS%20-%20CAUSAS% 20E%20CONSEQU%C3%8ANCIAS.pdf. Acesso em: 20 out. 2020.

Publicado em 02 de março de 2021

Como citar este artigo (ABNT)

BARBIERI, Bianca da Cruz; SANTOS, Naiara Ester dos; AVELINO, Wagner Feitosa. Violência escolar: uma percepção social. Revista Educação Pública, v. 21, nº 7, 2 de março de 2021. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/21/7/violencia-escolar-uma-percepcao-social