Heranças que recebemos, legados que deixamos

Marcelo Calderari Miguel

Bibliotecário e administrador (UFES), especialista em Estatística e em Educação Científica (UFMG)

Ikigai alega que é preciso reagir! Fazem da vida, interconexões, um tecido.
Um drapeado figurativo e artístico da indumentária arte.
Capaz de se dobrar ou disposto de certa maneira mediações vastas.
O plausível medicamento de uma biografia singular, um comedido trato.

Passam-se meses e mais trimestres... Educação Infantil mediada pelo brincar.
Transpõe-se o andamento, processos constitutivos da pedagógica prática.
Níveis que tendem a tema virar e assemelhar-se ao que a própria biografia respeita.

A razão de viver é conhecer habilidades, entre as primeiras a generosidade.
O objeto de prazer para viver é colaboração, vencer conjuntamente a jornada.
A força motriz é o planejamento, e esse são duzentos e dez milhões por estes brasis.

E as coisas marcham para o que se alvitrou, conivência empreendedora e equilíbrio.
Ou ponderei que assim fosse, mas em uma ou várias ocasiões podem não se fazer assim.
Mas faça a roda girar, creio que isso é um trem particular! Buscamos todos uma razão.

Imagine que o empreendimento se faz colaborativo, integral desenvolvimento.
Avoca algo planejado com tempo, recursos e finalidades.
Em sua esteira se faz estratégico, tático e operacional.
Embarcando termos de missão, visão e valores...

Mas no fundo nenhuma pessoa pode reviver meu sonho.
Reagir faz-se necessário! Às vezes os planejamentos deslancham a vida;
outras vezes, nossa trajetória se perde em tantos devaneios...
Torga sem saber que rumo tomar. Reagir é preciso!

Publicado em 12 de julho de 2022

Como citar este artigo (ABNT)

MIGUEL, Marcelo Calderari. Heranças que recebemos, legados que deixamos. Revista Educação Pública, Rio de Janeiro, v. 22, nº 25, 12 de julho de 2022. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/22/25/herancas-que-recebemos-legados-que-deixamos

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.