A leitura no Ensino Fundamental: desafios e possibilidades

Ireny Bueno Dantas

Graduada em Pedagogia (Unemat), pós-graduada em Psicopedagogia, professora da rede municipal de Indiavaí/MT

Lindaura Rodrigues Carneiro

Graduada em Pedagogia (Unemat), pós-graduada em Psicopedagogia, professora da rede municipal de Indiavaí/MT

O presente estudo tem por objetivo geral alargar as discussões acerca da leitura no Ensino Fundamental, bem como observar os desafios e as possibilidades na prática de sala de aula, de maneira a compreender a importância do letramento.

Quando se fala em ensino ou trabalho com a leitura na escola, sabe-se que a tarefa é árdua e os estudantes precisam ser instigados a ler para que, desde cedo, tenham este contato a fim de tornarem-se leitores autônomos. Sabe-se que por apresentarem dificuldades neste exercício, muitos alunos acabam não lendo, por acharem o momento desgastante e enfadonho. Por isso, a relevância em se trabalhar na escola e fora dela com a leitura:

A história da leitura consiste na história das possibilidades de ler. A atividade da escola, somada à difusão da escrita enquanto forma socialmente aceita de circulação de bens e à expansão dos meios de impressão, faculta a existência de uma sociedade leitora (Zilberman, 1999, p. 41).

Desse modo, cabe à escola possibilitar distintas atividades que envolvam a leitura na sala de aula a fim de contribuir com o aprendizado dos estudantes, desde o Ensino Fundamental, para que sejam leitores proficientes e ativos na sociedade.

a atividade fundamental desenvolvida pela escola para a formação dos alunos é a leitura. É muito mais importante saber ler do que escrever. O melhor que a escola pode oferecer aos alunos deve estar voltado para a leitura. Se um aluno não se sair muito bem nas outras atividades, mas for um bom leitor, penso que a escola cumpriu em grande parte sua tarefa (Cagliari, 2009, p. 130).

Vale destacar que, para existir um aprendizado promissor, é necessário que o estudante esteja interessado, com a sua curiosidade desperta. Entretanto, como fazer isto? É necessário que se mostre a eles o mundo letrado, de maneira alegre e fascinante, assim como as brincadeiras e brinquedos lhes são apresentados, pois

todos nós construímos e reconstruímos nossa identidade enquanto somos atravessados pelos textos. O que cada um é, o que quer ser e o que foi dependem tanto de experiências efetivas, aquelas vividas, como da leitura que se faz das próprias possibilidades de ser e das experiências alheias a que tenha acesso por meio dos textos (Paulino; Cosson, 2009, p. 69).

Assim, este estudo é o resultado de uma pesquisa de cunho bibliográfico, dividida em três seções. Na primeira seção, buscou-se apresentar um relato sobre os principais desafios da leitura. Na segunda, trazer informações sobre a leitura no Ensino Fundamental, partindo das considerações dos estudiosos da leitura. Por fim, apresentar sugestões para a leitura em sala de aula, de acordo com os pressupostos teóricos defendidos ao longo do trabalho.

Leitura: desafios e possibilidades

O trabalho com a leitura na escola não é uma novidade e não surpreende os professores. Há muito se tem falado sobre os desafios em realizar um trabalho que priorize a leitura, pois, conforme aponta Fernandes (2018, p. 25), “a leitura é importante para compreender os diferentes discursos que circulam na sociedade e para nos posicionarmos frente a eles com autoria e relativa autonomia”.

Embora o trabalho com a leitura não seja algo novo, ainda há desafios a serem superados que exigem disposição e empenho por parte dos docentes e alunos. De acordo com pesquisa feita pela Agência Brasil (2020), o Brasil perdeu, nos últimos quatro anos, mais de 4,6 milhões de leitores e, de 2015 para 2019, a porcentagem de leitores brasileiros caiu de 56% para 52%. 

Esses dados preocupam, pois mostram uma perda significativa. Sendo assim, é urgente que as metodologias pedagógicas relacionadas à leitura sejam revistas, para que, de fato, o letramento dos estudantes ocorra da melhor maneira possível. De acordo com Soares (2004, p. 97),

a alfabetização só tem sentido quando desenvolvida no contexto de práticas sociais de leitura e de escrita e por meio dessas práticas, ou seja, em um contexto de letramento e por meio de atividades de letramento; este, por sua vez, só pode desenvolver-se na dependência da e por meio da aprendizagem do sistema de escrita.

Assim, pode-se dizer que o ensino da leitura e, ainda, da escrita, deve trazer consigo uma aplicabilidade cotidiana voltada ao contexto de vida dos discentes para que, de fato, seja eficiente e faça sentido ao estudante.

Ninguém gosta de fazer aquilo que é difícil demais, nem aquilo do qual não consegue extrair o sentido. Essa é uma boa caracterização da tarefa de ler na sala de aula: para uma grande maioria dos alunos a leitura é difícil demais justamente porque não faz sentido (Kleiman, 1995, p. 16).

Cabe salientar que, para o desenvolvimento da leitura e da escrita, é preciso desenvolver a autonomia e a interação. Como Montemor (2020, p. 28) explica:

Para que a criança desenvolva de fato a interação, é preciso mais do que um simples contato, é preciso que desenvolva autonomia de leitura e de escrita. Essa autonomia só será possível se o ensino de leitura e escrita estiver presente durante todo o processo de educação nas séries iniciais do Ensino Fundamental.

Em se tratando da autonomia na leitura é importante valorizar a voz do aluno, respeitando as suas preferências textuais. Isso é determinante no seu percurso. Além disso, é preciso que o professor, no momento da leitura, lance mão de metodologias variadas, pois

a discussão baseada no texto ajuda os estudantes a enriquecerem a sua compreensão ao oferecer-lhes as interpretações dos demais, reforça a sua memória a longo prazo, já que devem recordar a informação para explicar o que entenderam, e contribui também para melhorar a compreensão em profundidade e o pensamento crítico quando os alunos têm de apresentar argumentos sobre as opiniões emitidas (Colomer; Camps, 2002, p. 85).

Assim, entende-se que o professor tem que ser o mediador do processo, instigando a curiosidade do educando, bem como o incentivando à participação nas discussões para que seja o autor de suas próprias opiniões e se sinta seguro para participar, ativamente, da leitura de textos vários.

Outro desafio é criar ambientes significativos para praticar leituras textuais na escola. Sabe-se que há diferentes suportes e contextos para se trabalhar a leitura, daí a necessidade de se pensar sobre as condições de produção da turma (alunos), a fim de criar espaços significativos para o diálogo sobre o texto lido, de acordo com a demanda da turma e de modo a se conectar com a vida dos alunos.

Nesse sentido, Martins (2007, p. 34) afirma:

Criar condições de leitura não implica apenas alfabetizar ou propiciar acesso aos livros. Trata-se, antes, de dialogar com o seu leitor sobre sua leitura, isto é, sobre o sentido que ele dá, repito a algo escrito, um quadro, uma paisagem, a sons, imagens, coisas, ideias, situações reais ou imaginarias.

O professor tem papel fundamental para que a proposta de leitura seja alcançada e deve estar preparado para o assunto em questão, sempre pesquisando para tirar qualquer dúvida ou falar de novo assunto que apareça dentro do tema abordado.

Dessa forma, o trabalho de leitura proporciona não só ao aluno, mas aos docentes, uma forma prazerosa de aprendizagem (e ensinagem) que evidencia a autonomia e as opiniões das partes ao escolher a leitura a ser realizada nas aulas. Assim, o trabalho aqui posto, expande as probabilidades do professor de descobrir metodologias de forma interdisciplinar e abordar temas variados e diversos, observando a evolução de cada aluno e suas preferências, além de analisar sua prática diária e o desenvolvimento durante o ano letivo.

Proposta de sequência de atividades com dois gêneros textuais

O professor do Ensino Fundamental está sempre buscando novas maneiras de diversificar as aulas de leitura, pois a leitura é parte fundamental não só das aulas de Língua Portuguesa, mas de todas as demais matérias. Desse modo, para aproximar e cativar a atenção dos alunos, o professor deve oferecer atividades lúdicas e atrativas relacionadas ao exercício da leitura.

Assim, este trabalho apresenta, neste item, algumas sugestões de atividades com dois gêneros textuais narrativos, a saber, a fábula e o conto, a fim de fomentar a leitura na sala de aula:

Sugestão 1: Contextualizar o gênero fábula

Proposta de trabalho com fábula de Monteiro Lobato

Fábula: A coruja e a águia

Quadro 1: Atividades e objetivos propostos

Atividades

Objetivos propostos

Lendo a fábula: roda de leitura, em que o professor apresenta o texto aos alunos. O professor mostra inúmeras imagens referentes a fábula.

Ouvir e conhecer a fábula em estudo.

Diálogo informal sobre a fábula, destacando os valores trazidos pela moral. Observação de como os estudantes dialogam sobre o texto em questão.

Socializar e comentar sobre a fábula ouvida.

Caracterização das personagens da fábula.

Descrever e registrar características de cada personagem, dando aos estudantes a oportunidade de protagonizar suas respostas.

Desenhos das personagens e pintura para expor na sala de aula.

Desenhar e pintar personagens da fábula.

Reescrita da fábula, reescrevendo o final e incorporando outras personagens.

Reescrever texto, observando as mudanças realizadas.

Pesquisa sobre os animais da fábula e apresentar aos colegas a pesquisa.

Pesquisar em livros e internet.

Comentar sobre o conhecimento adquirido/ampliado com o estudo da fábula.

Expor seus gestos de aprendizado.

Sugestão 2: Contextualizar o gênero conto

Proposta de trabalho com conto infantil de Hans Christian Andersen

Conto: O patinho feio

Quadro 2: Atividades e objetivos propostos

Atividades

Objetivos propostos

Lendo o conto: roda de leitura, em que o professor apresenta o texto aos alunos.

Ouvir e conhecer o conto em estudo.

 Vídeo do conto (acessar: https: //www.youtube.com/watch?v=ZgItPUY6WJI)

Assistir ao vídeo observando o tema bullying, abordado no vídeo.

Diálogo informal sobre o conto, destacando os valores abordados.

Socializar e comentar sobre o conto ouvido e visto.

Caracterização das personagens do conto, observando semelhanças e diferenças entre o pato e o cisne.

Descrever e registrar características.

Dramatização do conto.

Dramatizar o conto O patinho feio.

Reescrita do conto.

Reescrever texto.

Comentar sobre o conhecimento adquirido/ampliado com o estudo do conto.

Expor seus gestos de aprendizado.

Após a análise das atividades, observa-se a possibilidade de planejar aulas com base em diferentes gêneros textuais, desenvolvendo múltiplas atividades que conduzam a turma para uma aprendizagem significativa, harmonizando ocasiões de conhecimento com a leitura, oferecendo aos alunos a possibilidade de se expressarem. Desse modo, “a inferência que o leitor faz ao ler um texto está ligada ao conhecimento que ele possui, as suas linhas de pensamento e aquilo em que ele acredita ou não” (Gonçalves; Santiago; Ferreira, 2020, p. 9). Daí a importância de ouvir os alunos, seus pensamentos e conhecimentos que possuem.

Considerações finais

O compromisso de ensinar a ler, oferecendo a oportunidade prática para que o aluno encontre o seu lugar como leitor do mundo, é um dever de toda escola. Incentivar à leitura é dar condições ao aluno de tornar-se um bom leitor.

Neste trabalho, abordamos o tema “leitura no Ensino Fundamental” como um princípio básico para o desenvolvimento do aprendizado de uma criança. Iniciamos pela contextualização de discussões acerca do tema. Em seguida, tratamos sobre os desafios do trabalho com a leitura dentro do segmento proposto. Finalizamos, com sugestões de atividades sobre dois gêneros textuais narrativos, a saber, a fábula e o conto, a fim de apresentar algumas possibilidades para o trabalho com a leitura. 

Soares (2004), Cagliari (2009) e Martins (2007), entre outros autores, embasaram as discussões apresentadas no trabalho, retratando a aquisição da leitura como imprescindível para o sujeito-aluno tornar-se autônomo, em suas escolhas e posicionamentos, na sociedade.

É possível assegurar que este trabalho contribui para que os professores do Ensino Fundamental debatam acerca da leitura e construam ambientes agradáveis em sala de aula para a sua prática, com atividades distintas, fomentando o gosto pelo ato de ler.

Referências

CAGLIARI, L. C. Alfabetização e Linguística. São Paulo: Scipione, 2009.

COLOMER, Teresa; CAMPS, Anna. Ensinar a ler, ensinar a compreender. São Paulo: Artmed, 2002.

FERNANDES, Carolina. Os desafios de ensinar a Análise do Discurso e de ensinar com a Análise do Discurso. Revista Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 21, nº 2, p. 17-39, jul./dez. 2018.

GONÇALVES, Mônica Pereira; SANTIAGO, Gilberto da Silva; FERREIRA, Geraldo Generoso. Projetos de leitura na Educação Infantil: momento significativo de aprendizagem. Revista Educação Pública, v. 20, nº 34, 8 de setembro de 2020. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/20/34/projetos-de-leitura-na-educacao-infantilmomento-significativo-de-aprendizagem.

KLEIMAN, Angela (org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado das Letras, 1995.

MARTINS, Maria Helena. O que é leitura. São Paulo: Brasiliense, 2007.

MONTEMOR, N. A. Alfabetização e letramento: o processo de aquisição de leitura e escrita. Akrópolis, Umuarama, v. 28, nº 1, p. 27-35, jan./jun. 2020.

PAULINO, Graça; COSSON, Rildo. Letramento literário: para viver a literatura dentro e fora da escola. In: ZILBERMAN, R.; ROSING, T. M. K. (orgs.). Escola e leitura: velhas crises, novas alternativas. São Paulo: Global, 2009.

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento: caminhos e descaminhos. Pátio – Revista Pedagógica, p. 96-100, fev. 2004.

TOKARNIA, Mariana. Brasil perde 4,6 milhões de leitores em quatro anos. Agência Brasil, 11 de setembro de 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2020-09/brasil-perde-46-milhoes-de-leitores-em-quatro-anos.

ZILBERMAN, Regina. A escola e a leitura da literatura. In: _____; ROSING, Tania M. K. (orgs.). Escola e leitura: velhas crises, novas alternativas. São Paulo: Global, 2009.

Publicado em 13 de setembro de 2022

Como citar este artigo (ABNT)

DANTAS, Ireny Bueno; CARNEIRO, Lindaura Rodrigues. A leitura no Ensino Fundamental: desafios e possibilidades. Revista Educação Pública, Rio de Janeiro, v. 22, nº 34, 13 de setembro de 2022. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/22/34/a-leitura-no-ensino-fundamental-desafios-e-possibilidades

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.