Contaminantes emergentes na água

Any Bernstein

Professora associada da Fundação Cecierj, mestre em Bioquímica, doutora em Biotecnologia (UFRJ)

A sociedade de consumo adquiriu um ritmo acelerado, voltado para uma vida em um ambiente pouco natural, que demanda produtos industrializados. As indústrias, por sua vez, visam o aumento de produtividade para atender a um consumo sempre crescente de bens cada vez menos duráveis.

Em cada domicílio, e nos hospitais, remédios, produtos de higiene, cosméticos são lançados pelo esgoto; o que acontece depois? A grande quantidade de fármacos lançados no esgoto doméstico tornou-se um problema a partir do momento em que seus produtos de transformação passaram a aparecer em locais distantes, demonstrando a alta difusão deles pelos corpos hídricos.

Com o aumento populacional, essas substâncias tornaram-se cada vez mais presentes no meio ambiente e já despertam a atenção da saúde pública, porque a água tratada, considerada potável para uso humano e para a rega na agricultura, tem apresentado concentrações crescentes desses resíduos, que foram denominados “contaminantes emergentes”.

Apesar de não aparentarem toxicidade aguda, suspeita-se que os contaminantes emergentes possam estar por trás de vários problemas relacionados tanto à saúde humana quanto aos ecossistemas, podendo provocar efeitos na reprodução, na fisiologia e no crescimento dos seres vivos.

Quais são os contaminantes emergentes na água?

São os vários fármacos (antimicrobianos, reguladores endócrinos, fitoterápicos, antidepressivos, analgésicos, anti-inflamatórios), insumos agrícolas, detergentes e desinfetantes, metais pesados  e, além de resíduos de poluição industrial, produtos biotecnológicos introduzidos no ambiente natural que estão em concentrações acima do equilíbrio ecológico. Vários estudos comprovam a presença desses compostos bioativos, mesmo que em baixas concentrações, em todos os ecossistemas aquáticos, seu principal veículo de distribuição para o solo, para o ar e para os alimentos.

Os grandes vilões de contaminação são: resíduos lançados no esgoto pela indústria farmacêutica, em etapas intermediárias de produção, medicamentos não utilizados ou vencidos com disposição inadequada, resíduos hospitalares e de instituições de pesquisa, alem de excretas humanos e de animais.

Hoje são conhecidos mais de três milhões de compostos emergentes, número que aumenta a cada ano. Cerca de 1.500 substâncias químicas novas são lançadas no mercado mundial ano a ano, agregando princípios ativos farmacêuticos ou agroquímicos às águas. Todos os anos, toneladas de remédios são produzidas e vendidas, tanto na medicina humana quanto na veterinária, tornando-se agentes de contaminação potencialmente perigosos. Essa situação exponencial se reflete nos resultados de análises que mostram a presença desses resíduos em águas superficiais e águas naturais, apontando para a degradação da qualidade dos recursos hídricos. Estudos feitos em Chicago, nos Estados Unidos, encontraram remédios como anti-hipertensivos, antidepressivos, anti-histamínicos e anticonvulsivos em peixes. O mesmo ocorre em outras partes do mundo.

A ciência ainda não definiu que males esses resíduos podem causar ao organismo humano. Dois dos efeitos mais conhecidos e documentados, em nível mundial, são alterações no comportamento sexual dos peixes, com redução da fertilidade, e aparecimento de espécies de microrganismos resistentes aos fármacos, altamente patogênicos.

Por que tanta preocupação?

A contaminação dos recursos hídricos pode acarretar sérios riscos à população e à natureza porque esses produtos destroem os microrganismos mais sensíveis, deixando vivos apenas os mais resistentes.

A grande preocupação que aflige a população das cidades grandes brasileiras advém do fato de não existirem estudos de impacto ambiental sobre a progressiva introdução, movimentação e dispersão dessas substâncias na natureza.

Essas pequenas moléculas são resistentes aos tratamentos convencionais de água e estão sendo detectadas em efluentes de estações de tratamento de esgoto (ETE), em águas superficiais e em estações de abastecimento (ETA), o que é um forte indício da ineficiência dos tratamentos empregados.

Várias dessas substâncias, resistentes ao processo das ETE são persistentes, acumulam-se no solo e no sedimento de rios, são facilmente transportadas a longas distâncias pela atmosfera de suas fontes e permanecem no meio ambiente por longos períodos.

Estudos analíticos sobre substâncias tóxicas presentes na água foram iniciados com os agroquímicos, PCB (bifenilas policloradas), dioxinas, furanos, ftalatos etc. realizados em Kansas, em 1976, nos Estados Unidos. Essa pesquisa permitiu à FDA e à União Europeia orientar seus estudos sobre a avaliação dos impactos ambientais e desenvolver estratégias de tratamento, estudo de metabólitos, toxicidade, remoção, biorremediação e técnicas instrumentais para identificação e quantificação.

O estudo que caracteriza um poluente a partir de dados de contaminantes é bastante desafiador, pois os princípios ativos dos fármacos e dos produtos agrícolas fazem parte de formula­ções complexas. As substancias ativas são, em geral, ob­tidas por síntese orgânica para posteriormente serem incorporados a matrizes poliméricas que lhes garante a estabilidade e preser­vação de atividade biológica.

Quando a periculosidade desses compostos descarregados na natureza é testada de forma individual, os resultados tornam-se inconclusivos, pois são eliminadas interações entre as varias substâncias in natura. Organismos aquáticos e terrestres estão expostos a uma ampla gama de moléculas residuais que podem interagir entre si no ambiente, manifestando efeitos aditivos, antagônicos, sinergéticos etc.

Pouco se conhece sobre os efeitos crônicos dos fármacos no meio ambiente, ainda que alguns ensaios ecotoxicológicos alertem para o risco aos ecossistemas, visto que esses compostos são substâncias orgânicas sintéticas, não necessariamente biodegradáveis, muito deles lipofílicos e persistentes.

A toxicologia tem como principais objetivos identificar os riscos associados a uma determinada substância e determinar em quais condições de exposição esses riscos são induzidos. A toxicologia ambiental se preocupa com a influência que os agentes tóxicos ambientais exercem sobre a saúde e o bem estar de humanos, animais e plantas, por meio da interação desses organismos. A toxicologia ambiental é uma ciência altamente eclética e multidisciplinar que envolve diversas áreas de estudo como Biologia, Química (orgânica, analítica e Bioquímica), Anatomia, Genética, Fisio­logia, Microbiologia e Ecologia

A biodegradação total dessas substâncias, em cada ecossistema, não fica garantida, visto que seus coadjuvantes também geram produtos de transformação, que por sua vez interagem com a matéria orgânica em condições específicas, tornando-se cada vez mais tóxicos e recalcitrantes. Por isso, a água, mesmo tratada, pode conter contaminantes residuais que, ao atingir seus limites de concentração, passam a ser tóxicos, provocando alterações nas comunidades aquáticas de lagos e pequenos rios atingindo os alimentos através da irrigação.

Apesar de os efeitos da exposição a esses compostos, em longo prazo, serem pouco conhecidos, há que se ter em mente que mesmo em baixas concentrações pode haver aumento de toxidez desses resíduos pelas correntes tróficas em função da persistência e da biomagnificação. As substâncias tornam-se nocivas por acumularem-se nos tecidos/organismos de seres vivos. Esse processo denominado bioacumulação pode se dar de modo direto – quando a substância fixa-se de alguma forma no organismo, como a absorção através da pele – ou indiretamente, em especial por meio da alimentação, o que ocorre muito no meio aquático.

 Um animal que se alimenta de produtos contaminados, por exemplo, transfere a contaminação para seu consumidor e assim por diante, fazendo com que o agente químico esteja presente em todos os níveis tróficos, em concentração aumentada a cada nível. A biomagnificação faz com que animais do topo da cadeia alimentar apresentem maiores quantidades da substância nociva do que os produtores.

Pesquisas feitas na região dos Grandes Lagos (Lago de Ontário) demonstram a biomagnificação de PCB (bifenilas policloradas) original da água em relação ao fitoplâncton (aumento de 250 vezes) e zooplâncton (aumento de 500 vezes), ate trutas (aumento de 2800 vezes) e gaivota (25000 vezes). Isto representa um serio risco à saúde daqueles que se encontram no topo da cadeia alimentar, ou seja, os humanos.

Percepção do risco de contaminação

A população está permanentemente exposta a situações de risco pela simples ingestão de alimentos selecionados pela aparência visual, tato, paladar e pela propaganda. Os consumidores esquecem os perigos ocasionados pela presença de aditivos alimentares, drogas veterinárias, resíduos de pesticidas e metais pesados, alem de resíduos industriais produzidos durante o processamento, a estocagem e o descarte dos alimentos; esses resíduos permeiam toda a cadeia trófica.

Os resultados de análises demonstram outra “verdade inconveniente”: nós estamos bebendo água potável que recebe carga poluidora de diversos ramos industriais farmacêuticos, de polímeros e de petróleo e contém resíduos de pesticidas, de remédios e de cosméticos!

Um exemplo corriqueiro são produtos químicos usados na limpeza doméstica, que se tornam tóxicos quando em alta concentração ou mal manipulados: inseticidas para baratas, insetos e cupins, cloro ativo ou aguarrás na limpeza, concentrados de limpeza contendo amônia ou formol, polidores de metais, adoçantes à base de sacarina e ciclamato, gorduras de frituras recicladas, contato com mercúrio pela quebra de um termômetro ou qualquer substância química de uso comercial. Todos esses produtos são perigosos, mas não existe, da parte de seus usuários, a percepção de risco. Por que será?

Como saber que as substâncias encontradas nas águas servidas são originadas de excretas humanos? Existem substâncias indicadoras; uma delas é a cafeína, presente em refrigerantes, energéticos, sucos e em fármacos; sua concentração pode indicar o grau de contaminação: quando detectam cafeína na análise, os pesquisadores sabem que provavelmente acharão outros compostos, como hormônios e antibióticos.

É importante destacar que a contaminação humana pode ocorrer sob a forma de inalação de gases tóxicos, pelo consumo de água poluída ou pela alimentação. Os efeitos diretamente associados à intoxicação por produtos químicos vão desde dores de cabeça e náuseas até carcinogênese e genotoxidez. A ação dessas substâncias sobre o organismo obedece a critérios variados, como consumo, massa corpórea, exposição cumulativa e agregada, além da possibilidade da ação sinergética de aditivos alimentares que apresentem o mesmo órgão alvo de ação tóxica.

Alguns problemas cujos motivos ninguém conseguiu explicar até agora podem estar relacionados aos produtos que estão presentes na água e que alteram o metabolismo hormonal: meninas estão menstruando cada vez mais cedo e nos últimos 50 anos o número de espermatozoides nos homens despencou. São dados que silenciosamente mostram alteração na biodiversidade do planeta!

Pode-se concluir que a prática diária de comprar, ingerir, excretar e descartar leva ao desequilíbrio ambiental que se reflete em nossa matéria corporal: o meio externo e interno do qual fazemos parte estão interligados. Precisamos atentar para isso!

Rota seguida pelos contaminantes

Somente a partir da década de 1990, concentrações consideráveis de fármacos, substâncias organocloradas persistentes e bioacumulativas, que incluem agroquímicos (fungicidas, herbicidas e inseticidas), substâncias químicas industriais, outros produtos sintéticos e alguns metais pesados começaram a aparecer em efluentes de água residuais. 

Até então, produtos farmacêuticos não eram considerados contaminantes ambientais, pois eram encontrados em concentrações entre partes por bilhão (ppb) e partes por trilhão (ppt) e pouco se conhecia sobre sua acumulação ou de seus produtos de transformação em solos, águas, ar, tecidos vegetais e tecidos animais.

Relatos de intoxicação por pesticidas em água eram escassos e não se avaliava a qualidade da água em relação aos níveis desses resíduos. Ao se tentar montar o quadro geral da rota de contaminação foi necessário diferenciar a origem e o comportamento do fármaco, do agroquímico no ambiente.

O comportamento do agroquímico no ambiente depois de aplicado é bastante complexo, devido à necessidade de considerar a influência dos agentes que atuam provocando seu deslocamento físico e sua transformação química e biológica. Independente do modo de aplicação, o agroquímico pode atingir o solo e as águas, principalmente devido aos ventos e à água das chuvas, que promovem a deriva, a lavagem das folhas tratadas, a lixiviação e a erosão.

 As substâncias sofrem processos físicos, químicos ou biológicos que podem modificar as suas propriedades e influenciar seu comportamento, inclusive com a formação de subprodutos com propriedades absolutamente distintas do produto inicial e cujos danos à saúde ou ao meio ambiente também são diferentes.

No caso dos agroquímicos, não só eles podem contaminar leitos subterrâneos e acabar contaminando peixes e consumidores dessas águas como também pessoas e animais são contaminados ao ingerir os vegetais provenientes da agricultura. O seu alcance vai desde cadeias de produção de alimentos até a saúde humana. Uma coisa é certa: qualquer que seja o caminho do agroquímico no meio ambiente, invariavelmente o homem é seu potencial receptor.

Apesar de a excreção ser essencial à vida, o excesso de fármacos expelidos por um indivíduo, somado à quantidade de outras tantas substâncias tóxicas, segue via esgoto para as bacias hidrográficas, que, por sua vez, ficam contaminadas. A carga e a persistência de princípios ativos na água dependem de fatores como demanda, frequência de administração, automedicação, consumo ilícito de drogas e processos fisiológicos. Acredita-se que entre 50% e 90% de sua dosagem permaneçam inalterados nos excretas fisiológicos, que persistem no meio ambiente. Por conta disso, muitos desses fármacos vêm sendo encontrados em concentrações bastante altas em efluentes de estações de tratamento de esgoto.

A Figura 1 mostra a rota seguida pelo conjunto de contaminantes orgânicos de origem farmacêutica, presentes em mananciais provenientes de empresas instaladas ao longo das margens dos rios; essas empresas lançam metais pesados, subprodutos industriais, pesticidas e fármacos em riachos, lagos, rios e na água subterrânea.

Alem disso, o descarte de resíduos que ocorre em aterros sanitários, solos ou esgotos são igualmente poluentes. Uma vez no solo, a lixiviação, o escoamento superficial e a erosão podem transportar adiante esses resíduos, atingindo os cursos d’água no subsolo e na superfície próxima do descarte.

Aqui no Brasil. segundo uma pesquisa desenvolvida pelo Instituto Nacional de Ciências e Tecnologias Analíticas Avançadas (Inctaa), da Unicamp, em colaboração com outras instituições, a água potável fornecida em 16 capitais brasileiras – onde vivem aproximadamente 40 milhões de pessoas – apresenta contaminação por substâncias sobre as quais ainda não existe legislação e não são monitoradas com frequência, mas que podem ser nocivas à saúde humana. É a contaminação partindo do micro e alcançando o macro num futuro próximo.

Um dado interessante apresentado por esses estudos é que as capitais costeiras – como Florianópolis, Vitória e Rio de Janeiro – apresentam níveis de contaminação inferiores às demais. A explicação para isso pode estar no fato de esses municípios lançarem parte do esgoto diretamente no mar e, desse modo, os rios de onde a água é captada para posterior fornecimento à população apresentam concentrações inferiores desses poluentes.

Fármacos no ambiente

O Quadro 1 apresenta a lista os produtos farmacêuticos mais consumidos, como analgésicos, antibióticos, anti-inflamatórios, antiepilépticos, antidepressivos e desreguladores endócrinos.

Quadro 1: Classificação dos principais poluentes emergentes em grupos

Classe de compostos farmacêuticos

Substância ativa

Antibióticos humanos e veterinários

Trimetoprim, eritromicina, lincomicina, sulfametaxola, cloranfenicol, amoxicilina

Analgésicos e anti-inflamatórios

Ibuprofeno, diclofenaco, fenoprofeno, paracetamol, acetaminofeno, naproxeno, acetilsalicílico, fluoxetina, cetoprofeno, indometacina

Drogas psiquiátricas

Diazepam, carbamazepina, primidona, salbutamol

Desreguladores endócrinos

Hormônio da tireoide (TSH), Luteinizante (LH) e estimulante do folículo (FSH), clofibrato, carbamazepina e fluoxetina

Desreguladores endócrinos

Grande número de substâncias químicas artificiais despejadas no meio ambiente tem potencial para perturbar o sistema endócrino dos animais, inclusive dos seres humanos. Estes fármacos têm presença crescente em rios e reservatórios como resultados do crescimento das cidades e de novos processos industriais. Os chamados desreguladores endócrinos não são removidos com facilidade nas estações de tratamento de águas residenciais e terminam em águas superficiais e para o consumo humano, expondo de forma crônica a espécie humana a seus efeitos tóxicos.

Varias atividades vitais do organismo são reguladas pelo sistema endócrino, por meio de mensageiros químicos que, por sua vez, são capazes de interagir com receptores celulares e outras moléculas orgânicas presentes na corrente sanguínea. Um interferente endócrino pode mimetizar hormônios naturais e interferir no sistema de mensagens de diversas formas: bloqueando sítios receptores ou a formação de mais receptores, desativando hormônios e enzimas, estimulando a síntese e a secreção de hormônios naturais, afetando o metabolismo.

Como os hormônios fluem naturalmente pelo corpo humano, poder-se-ia imaginar que, ao serem excretados, eles seriam biodegradados e não teriam os mesmos efeitos prejudiciais apresentados por medicamentos sintéticos. Ao contrário; estudos revelam que muitos desses desreguladores estão relacionados a efeitos carcinogênicos, mutagênicos e teratogênicos, além de afetar o sistema reprodutivo dos humanos.

Suspeita-se que o contato com a água com excesso de hormônios esteja antecipando a menstruação das meninas e reduzindo da quantidade e mobilidade dos espermatozoides, deixando os homens mais femininos e até causando câncer, embora, por enquanto, nenhuma dessas hipóteses tenha sido confirmada.

Muitas populações animais têm sido afetadas por essas substâncias, que levam à disfunção da tireoide em aves e peixes; à diminuição da fertilidade em aves, peixes, crustáceos e mamíferos; à diminuição do êxito da incubação de ovos em aves, peixes e tartarugas; a graves deformidades de nascimento em aves, peixes e tartarugas; a anormalidades metabólicas e comportamentais em aves, peixes e mamíferos; à desmasculinização e feminização de peixes, aves e mamíferos machos; à desfeminização e masculinização de peixes e aves fêmeas e a perigo para os sistemas imunológicos.

Cientistas que investigavam a redução da população de jacarés que habitava os pântanos da Flórida, nos Estados Unidos, perceberam que os machos da espécie tinham pênis menores do que o normal, além de apresentar baixos índices do hormônio masculino, (testosterona). Essas alterações na ecologia e na biodiversidade direcionaram as pesquisas para a identificação e quantificação de alguns produtos  que permitissem correlacionar o aumento de suas concentrações no meio hídrico com os efeitos para as populações submetidas à sua presença.

Antibióticos

Os antibióticos são fármacos de amplo uso no mundo, tanto contra patógenos em animais e humanos como na preservação de alimentos. Ao contrário de outros fármacos, afetam não só o indivíduo tratado como também o meio ambiente. Isso quer dizer que o benefício é individual, mas o risco é coletivo.

O veículo mais importante, do ponto de vista ambiental, é a água, responsável inclusive pela introdução e a disseminação de organismos bacterianos resistentes a antibióticos entre populações humanas e animais, alterando a microbiota natural. Os hospitais, por exemplo, ao introduzir agentes antimicrobianos na água, contribuem para a seleção de genes resistentes. Existe um aspecto importante em relação aos antibióticos: uma bactéria que tenha sofrido uma mutação que lhe conferiu resistência a um antibiótico e esteja presente em um rio que contenha traços desse antibiótico será selecionada naquele ecossistema e poderá ser um novo patógeno.

A resistência a antibióticos tem sido observada em vários ambientes aquáticos, incluindo rios e áreas costeiras, esgoto doméstico, esgoto hospitalar, sedimentos, águas superficiais, lagos, oceanos e água potável. Há alterações na atividade da microbiota local, que pode interromper processos naturais de biodegradação de matéria orgânica nos corpos hídricos.

Somos portadores involuntários de bactérias multirresistentes, não só devido ao lixo hospitalar como também devido aos padrões sanitários de uma dada localidade ou sociedade. Como exemplo temos a Índia, país superpopuloso onde a maioria dos habitantes não tem saneamento básico ou mesmo acesso a água limpa. Um turista ou imigrante pode importar microrganismos patogênicos de um país para outro. Aí, o que seria à primeira vista um problema de saúde pública de um país pode vir a se tornar uma epidemia de ordem global.

Poucos países dispõem de estatísticas abrangentes a respeito das quantidades de fármacos veterinários utilizados nas criações de animais. Na Alemanha, 18 antibióticos já foram identificados em afluentes de ETE e águas superficiais. Os antibióticos mais presentes nos corpos hídricos são: tetraciclinas, aminoglicosídeos, macrolídeos, betalactâmicos e a vancomicina.

Quadro 2: Antibióticos encontrados em matrizes ambientais

Composto

Matriz de concentração (micrograma/L)

Tetraciclinas

Água residual doméstica: 0,06-0,21
Água de rio: 0,08-0,30

Aminoglicósidos

Resíduos hospitalares
Gentamicina: 0,4-7,6

Quinolonas
Ciprofloxacina
Norfloxacina

Efluentes: 0,002
Planta de tratamento
Ciprofloxacina: 2,3

Β-lactámicos
B-Lactámicos
Cefalosporinas
Carbapenemas

Efluente planta de tratamento
Água de rio
Cefapirina: 1,01
Presença em água residual

O aumento da produção e do consumo de antibióticos ocasionou aumento da concentração dessas substâncias nos ecossistemas e, como consequência, favoreceu a resistência dos microrganismos aquáticos e terrestres aos agentes antibióticos. Muitos estudos já têm demonstrado que o próprio meio ambiente funciona como um grande reservatório de genes de resistência, daí o aparecimento de bactérias multirresistentes.

A resistência microbiana está determinada pela expressão de genes que codificam enzimas que promovem varias funções, dentre elas a expulsão do antibiótico até o exterior da célula, degradação do antibiótico e alterações no seu alvo terapêutico. Entre os organismos que apresentam resistência destacam-se: Staphylococcus, Ae­romonas, Pseudomonas, Salmonellas e Escherichia, entre outros.

São praticamente inexistentes os estudos no Brasil sobre a ocorrência de antibióticos em amostras de efluentes de esgoto e corpos hídricos. Igualmente existem poucos trabalhos investigando a presença de resíduos de antibióticos em alimentos.

É importante destacar que as criações intensivas de animais (bovinos, suínos e aves) representam as principais vias de entrada de antibióticos em solos, águas superficiais e subterrâneas, a partir de excrementos de animais. A contaminação dos ambientes ocorre em lagoas de tratamento de resíduos de efluentes de esgoto, de onde surge o lodo, e de esterco utilizado como fertilizante orgânico.

Portanto, o país carece amplamente de informações sobre a dinâmica e o comportamento ambiental dos principais antibióticos de uso veterinário, além de avaliações de possíveis impactos desses resíduos nos organismos locais, aquáticos e terrestres. Esse é um tema de grande importância para a saúde pública e para definição de políticas legais e de operação nos sistemas de tratamento.

Agroquímicos, fertilizantes ou agrotóxicos

O número de casos de contaminação por pesticidas também tem cresci­do nos últimos anos. De acordo com o Ministério da Saúde, em 1999 foram notificados 398 óbitos relacionados a intoxicações; destes, 140 foram causados por agroquímicos nos alimentos.

O agroquímico visa alterar a composição da flora ou da fauna, a fim de preservá-la da ação danosa de pragas ou seres vivos considerados nocivos. Segundo a legislação vigente, agroquímicos são produtos e agentes de processos físicos, químicos ou biológicos utilizados nos setores de produção, armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas, pastagens, proteção de florestas (nativas ou plantadas) e de outros ecossistemas e de ambientes urbanos, hídricos e industriais. Também são considerados agroquímicos as substâncias e os produtos empregados como desfolhantes, dessecantes, estimuladores e inibidores de crescimento.

Quando o DDT (1,1,1-tricloro-2,2-bis(4-cloro-fenil)etano) foi sintetizado por Paul Muller, detentor do Prêmio Nobel de 1948, parecia que o controle das pragas estava finalmente equacionado. Desde a Revolução Verde, na década de 1950, o processo tradicional de produção agrícola sofreu drásticas mudanças, com a inserção de novas tecnologias que utilizam agroquímicos na produção extensiva de commodities agrícolas. Essas tecnologias têm a finalidade de controlar doenças e aumentar a produtividade. Inicialmente, os agroquímicos recebiam as denominações “fertilizantes” e “defensivos agrícolas”, nomes que caíram em desuso logo aos primeiros sinais de nocividade do produto.

Em meados da década de 1970 descobriram que, além de esse pesticida não eliminar as pragas para sempre, ele selecionava pragas resistentes ao produto e o agricultor necessitava aumentar sua concentração a cada safra para a obtenção do mesmo rendimento de colheita, deixando resíduos no solo que apareciam em águas de abastecimento.

O uso de tais artifícios para alcançar metas de produção, a manipulação dos produtos sem os devidos cuidados e o consumo de alimentos com doses de agroquímicos acima do tolerável para o organismo tornaram-se os mais graves problemas de poluição causados por produtos químicos. Alem disso, constatou-se que compostos organoclorados provocavam afilamento das cascas de ovos das aves, principalmente as de rapina, o que quase levou à extinção o falcão-peregrino. O remédio tornou-se um veneno, por isso, os organoclorados, que têm toxidade crônica alta, já não têm o atrativo de antes e foram proibidos em diversos países.

Como no Brasil não havia legislação que restringisse a fabricação nem a comercialização de organoclorados, as empresas europeias viram aqui a oportunidade de ganhos comerciais e venderam suas plantas industriais para o polo industrial de Cubatão, implantado sem a menor preocupação ambiental. Segundo estudo realizado em 1978, pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE) e pela Companhia de Tecnologia e Saneamento Ambiental (Cetesb), cinco indústrias localizadas no município de Cubatão apresentavam deposição final inadequada de resíduos perigosos. Na Região Metropolitana da Baixada Santista, um dos estudos aponta diversos pesticidas organoclorados (DDT e outros) no sangue dos habitantes da área onde um antigo lixão do município foi usado para a disposição de resíduos químicos perigosos por décadas.

Quando comparamos os antibióticos com agroquímicos, percebemos que os primeiros apresentam maiores valores de solubilidade em água  e em solventes polares (menores valores de coeficiente de partição em uma mistura de n-octanol/água). Isso provavelmente se deve à presença de muitos grupos funcionais ionizáveis, o que sugere menor potencial de bioacumulação nos tecidos e maior mobilidade na água e no solo. Os agroquímicos se comportam de maneira inversa, ou seja têm baixa solubilidade em água para não serem eliminados com as chuvas, mas têm alta persistência e sofrem o processo de bioacumulação. Hoje, os fabricantes de agroquímicos buscam produtos que tenham toxicidade aguda alta, mas que, por outro lado, não permaneçam no campo indefinidamente, ou seja, espera-se que tenham toxicidade crônica baixa

O papel do poder público, das empresas e da população

De quem é a responsabilidade pelo dano ambiental? Do empresário que fabricou o antibiótico, agrotóxico, hormônio? Dos órgãos ambientais que não fiscalizaram? Das comunidades que descartaram os fármacos no meio ambiente, sem cuidados? Quem são os atores dessa cadeia de responsabilidades?

Apenas 12,5% dos municípios brasileiros têm aterro sanitário, segundo o IBGE. Isso significa que grande parte dos resíduos produzidos no país vai para lixões a céu aberto. Lá, essas substâncias se infiltram no terreno e contaminam o solo e as águas. Urge que se tomem medidas para minimizar o problema – que passa por monitorar e melhorar o funcionamento das estações de tratamento de água e resíduos (ETAR), no que tange à remoção desses poluentes, e pela sensibilização de todos.

As estações de tratamento brasileiras ainda não incorporaram novas tecnologias e não farão isso enquanto não forem obrigadas, já que esse processo encarece o tratamento. É necessário estabelecer novos parâmetros legislativos que obriguem uma varredura das possíveis substâncias presentes para fazer o levantamento da carga poluidora que chega à bacia hidrográfica responsável pelo abastecimento de determinada região. As prestadoras de serviço, que fornecem água tratada, atualmente só realizam tratamento para tornar a água incolor e com população de bactérias dentro dos padrões de potabilidade. São realizadas apenas análises básicas, porque a legislação vigente determina que somente algumas substâncias sejam avaliadas.

Da mesma forma, se não houver uma legislação que faça as empresas de distribuição retirar essas substâncias – tanto do esgoto a ser jogado nos rios como da água captada neles –, será cada vez mais comum encontrar contaminantes nas torneiras das residências.

Infelizmente, no Brasil não há legislação que faça as empresas de distribuição retirar essas substâncias tanto do esgoto a ser jogado nos rios como da água captada nem mesmo a terem em postos apropriados de coleta. Como não existe legislação que obrigue, tem sido comum encontrar interferentes hormonais, antibióticos e agroquímicos nas torneiras das residências. Isso acontece porque a maior parte dos filtros domésticos não faz esse tipo de limpeza, somente aqueles que usam a nanofiltração.

Os filtros domésticos atualmente disponíveis no mercado jamais darão conta da filtração e higienização necessárias. Osmose reversa, oxidação química, carvão ativado e ozonólise são formas de limpar poluentes invisíveis. Em algumas empresas de saneamento, a osmose reversa já é usada para remover outros tipos de poluentes. O desafio é levar essas formas de limpeza à maioria das estações. Com o avanço das pesquisas, a água potável de hoje certamente será considerada água suja, amanhã.

O que diz a legislação

A Constituição da República Federativa do Brasil menciona a incumbência do Poder Público de “controlar a produção, a comercialização e o emprego de técnicas, métodos e substâncias que comportem risco para a vida, a qualidade de vida e o meio ambiente”. Tal norma a respeito de substâncias que representam risco para a saúde humana e o meio ambiente é reafirmada pelas legislações regionais e locais.

A Constituição do Estado do Rio de Janeiro determina que “todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente saudável e equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se a todos, e em especial ao Poder Público, o dever de defendê-lo, zelar por sua recuperação e proteção em benefício das gerações atuais e futuras”. E afirma que, para assegurar esse direito, cabe ao Poder Público “controlar e fiscalizar a produção, a estocagem, o transporte, a comercialização e utilização de técnicas, métodos e instalações que comportem risco efetivo ou potencial para a qualidade de vida e o meio ambiente, incluindo formas geneticamente alteradas pela ação humana”.

Apesar de previstos na Constituição, o descarte de medicamentos precisa ser reavaliado e mudado, pois no Brasil ainda existe pouca fiscalização e poucos órgãos responsáveis por fiscalizar o descarte de medicamentos, tornando isso um problema sério para a saúde pública e para o meio ambiente. De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), estados e municípios têm autonomia na legislação própria na questão do descarte de medicamentos e no licenciamento ambiental dos sistemas de tratamento e destinação final dos resíduos sólidos. Cabe à própria Anvisa regular os processos de segregação, acondicionamento, armazenamento, transporte, tratamento e disposição final desses materiais.

Segundo a legislação vigente, devem ser submetidos a tratamento ou disposição final específica os resíduos químicos que apresentem risco à saúde ou ao meio ambiente, que não forem submetidos a processo de reutilização, recuperação ou reciclagem. Os medicamentos devem ser encaminhados para sistemas de disposição final licenciados. Quando não tratados, devem ser dispostos em aterro de resíduos perigosos (Classe I).

Os agroquímicos, para serem produzidos, exportados, importados, comercializados e utilizados, devem ser previamente registrados em órgão federal, de acordo com as diretrizes e exigências dos responsáveis pelos setores da saúde, do meio ambiente e da agricultura.

O Ibama realiza a avaliação do potencial de periculosidade ambiental de todos os agroquímicos registrados no Brasil. Segundo a lei, no Brasil, é proibido o registro de agroquímicos para os quais o Brasil não disponha de métodos para desativação de seus componentes, de modo a impedir que os seus resíduos remanescentes provoquem riscos ao meio ambiente e à saúde pública; para os quais não haja antídoto ou tratamento eficaz no Brasil; para aqueles que revelem características teratogênicas, carcinogênicas ou mutagênicas, de acordo com os resultados atualizados de experiências da comunidade científica; para os que provoquem distúrbios hormonais, danos ao aparelho reprodutor, de acordo com procedimentos e experiências atualizadas na comunidade científica; para aqueles que se revelem mais perigosos para o homem do que os testes de laboratório com animais tenham podido demonstrar, segundo critérios técnicos e científicos atualizados; e finalmente aqueles cujas características causem danos ao meio ambiente.

A Agência Nacional das Águas (ANA), em conformidade com a Política Nacional de Recursos Hídricos, estabelece como fundamento dessa política que a água é bem de uso comum do povo; como é recurso natural limitado, de valor econômico, deve ter prioridade para o consumo humano e dessedentação de animais. Sua gestão deve proporcionar uso múltiplo, sendo descentralizada entre o poder público, usuários e consumidores. A importância de zelar pela água faz com que seja crime ambiental a não observância desses princípios legais.

Potenciais soluções para os problemas apontados

Os medicamentos são essenciais ao bem-estar de homens e animais, mas o seu uso deve ser feito de forma criteriosa, consciente dos problemas que eles podem acarretar para o ambiente. Para minimizar esse problema, os restos de medicamentos e suas embalagens podem ser levados até a farmácia para que possam ser convenientemente descartados. A grande massa poluidora acaba sendo a população, pois empresas e serviços de saúde possuem legislação para o descarte correto de medicamentos

Diante desse quadro, o varejo farmacêutico poderia encontrar uma forma de se diferenciar da concorrência criando quiosques de coleta para embalagens de medicamentos não mais utilizados, seringas e medicamentos vencidos, da mesma forma que algumas instituições já vêm trabalhando como postos de coleta de pilhas e baterias.

Logística reversa

A ferramenta mais moderna de ataque ao problema é a “logística reversa, um instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial para reaproveitamento, em seu ciclo, em outros ciclos produtivos ou outra destinação final ambientalmente adequada”, de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos. A logística reversa traz uma visão diferente em relação à responsabilidade das empresas quanto à destinação, ou melhor, utilização dos resíduos do processo produtivo.

A logística reversa planeja ações que seguem o fluxo contrário do processo produtivo, identificando as necessidades de estrutura e tecnologia para angariar informações e materiais que possuem origem no consumidor, indo novamente para a cadeia produtiva.

A logística reversa cuida dos fluxos de materiais que se iniciam nos pontos de consumo e terminam nos pontos de origem, com o objetivo de recapturar valor ou de descarte final; ou seja, segue o fluxo reverso do sistema produtivo comum; por suas ações pontuais, retira do ambiente os materiais considerados inúteis ao usuário e os leva ao ponto de origem produtiva; presta, assim, um serviço ambiental extremamente relevante.

A logística reversa é uma ótima ferramenta para ser implementada para controlar o descarte inadequado de medicamentos no solo ou na água, mas para realizar esse trabalho é preciso que sejam atendidas algumas necessidades básicas, a serem obedecidas no planejamento da operação, como:

  • Deixar à disposição da população uma alternativa para o descarte de medicamentos pós-consumo que seja próximo à sua residência ou ao local de trabalho;
  • Investir em desenvolvimento tecnológico para ter embalagens que acondicionem adequadamente os resíduos e ao mesmo tempo divulguem o projeto; e
  • Desenvolver modelos logísticos capazes de operacionalizar a coleta em diferentes pontos, com demandas completamente diversas e imprevisíveis.

Fitorremediadores

Outra medida simples e de cunho sustentável para efetuar a descontaminação da água é o uso da casca de fitorremediadores, que são agregados de plantas aquáticas que degradam, isolam ou imobilizam contaminantes do solo e da água. Esse processo apresenta variadas classificações, dependendo da técnica a ser empregada: há a fitoextração, que consiste na absorção dos contaminantes pelas raízes; eles são armazenados nelas ou transportados e acumulados nas partes aéreas; há a fitoestabilização, em que ocorre a incorporação de contaminantes orgânicos ou inorgânicos à lignina da parede vegetal ou ao húmus do solo, precipitando os metais sob formas insolúveis; há também a fitoestimulação, em que as raízes em crescimento (extremidades e ramificações laterais) promovem a proliferação, de microrganismos degradativos na rizosfera, usando  metabólitos exudados da planta como fonte de carbono e energia. Além disso, as plantas podem secretar elas próprias enzimas específicas para a degradação ou mineralização de contaminantes orgânicos, processo chamado de fitodegradação, e a rizofiltração, que é a técnica que emprega plantas terrestres para absorver, concentrar e/ou precipitar os contaminantes de um meio aquoso, particularmente metais pesados ou elementos radiativos, por meio do seu sistema radicular.

A educação ambiental pode contribuir no descarte de resíduos sólidos

Além do trabalho do poder público no monitoramento e melhoramento do funcionamento das estações de tratamento de água e resíduos (ETAR), no que concerne à remoção desses poluentes, também deve ser feita a sensibilização da comunidade. A população tem plena consciência que os medicamentos são essenciais ao bem-estar de homens e animais,.O problema de contaminação por essas substâncias se agrava porque a população desconhece a consequência que pode acarretar ao ambiente, muito menos de que há mudança de qualidade na água. É exatamente por isso que a população necessita estar bem informada dos riscos existentes durante a manipulação, ingestão e descarte de medicamentos, pois as legislações referentes às empresas são bem restritas e a demanda maior de eliminação de contaminantes emergentes acaba vindo das áreas urbanas.

A lei que instituiu a Política Nacional de Educação Ambiental afirma que a Educação Ambiental envolve “os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade”, considerando-a um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não formal, devendo estar disponível para todos.

O uso de fármacos, agroquímicos, produtos de higiene e limpeza deve ser feito de forma criteriosa e consciente e cada cidadão pode contribuir para minimizar problemas levando os restos de medicamentos e as suas embalagens até a farmácia para que possam ser convenientemente descartados.

Referências

ALVES FILHO,M. Potável, porem contaminada. Jornal da Unicamp, Campinas, Maio 2012. Disponível em: www.unicamp.br/unicamp/sites/default/files/jornal/paginas/pagina3A_1.pdf.

BILA, D. M.; DEZOTTI, M. Fármacos no meio ambiente. Química Nova, v. 26(4), p. 523-530, 2003.

______; ______. Desreguladores endócrinos no meio ambiente: efeitos e consequências. Química Nova, v. 30, p. 651-666, 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Por­taria nº 518. Controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2004.

______. Ministério do Meio Ambien­te. Resolução Conama nº 357. Classifica os corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e outras providências. Brasília: MMA, 2005.

COSTA, C. R.; OLIVI, P. A toxicidade em ambientes aquáticos: discussão e métodos de avaliação.  Química Nova, v. 31, nº 7, p. 1.820-1.830, 2008.

DAROS, T. Metodologias ativas: aspectos históricos e desafios atuais. In: CAMARGO, F.; DAROS, T. A sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. Porto Alegre: Penso, 2018.

KEHRIG, H. A.; MALM, O.; PALERMO, E. F. Bioconcentração e biomagnificação de metilmercúrio na Baía da Guanabara, Rio de Janeiro, Química Nova, v. 34, nº 3, p. 377-384, 2011.

LIMA, V. F.; MERÇON, F. Metais pesados no ensino de Química. Química Nova na Escola,  v. 33, n° 4, p. 199-205, 2011.

SANTOS FILHO, E. et  al. Grau de exposição a praguicidas organoclorados em moradores de aterro a céu aberto. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 37, nº 4, 2003. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-89102003000400018.

STUMPF, M. et al. Polar drug residues in sewage and natural waters in the state of Rio de Janeiro, Brazil. The Science of the Total Environment, v. 225(1-2), p. 135-141, 1999.

Publicado em 13 de setembro de 2022

Como citar este artigo (ABNT)

BERNSTEIN, Any. Contaminantes emergentes na água. Revista Educação Pública, Rio de Janeiro, v. 22, nº 34, 13 de setembro de 2022. Disponível em: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/22/34/contaminantes-emergentes-na-agua

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.