Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Escola oferece ensino de música para alunos da rede pública de Resende

Leonardo Soares Quirino da Silva

Desde abril deste ano, os alunos entre 8 e 18 anos das escolas das redes municipal e estadual da cidade de Resende podem estudar música de graça na Escola Municipal de Música. No momento, 110 alunos estudam música, aprendem a tocar um instrumento ou a cantar nos dez cursos oferecidos.

A diretora da escola, professora Malu Rocha, observa que o passo seguinte será a capacitação dos professores da rede municipal para o ensino de música. Com isso, é suprida a falta de profissionais especializados na área, o que a diretora aponta como um dos problemas para se atender à obrigatoriedade do ensino de música como previsto na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. A música é uma das linguagens ensinadas na educação artística. As outras são: a dança, o teatro e as artes plásticas.

Essa etapa do programa, contudo, depende do envio de mensagem à Câmara dos Vereadores com projeto de lei que cria escolas especializadas no ensino de artes.

Vantagens do ensino de música

Malu aponta que o ensino de música dá aos alunos maior agilidade mental e concentração. O resultado pode ser visto nas outras disciplinas com melhor compreensão, aprendizagem e raciocínio lógico. A melhor fase para se iniciar o ensino de música, segundo ela, é entre os 8 e 12 anos.

A professora destaca outras duas vantagens do ensino de música. A primeira é a formação de público - Malu observa que a falta de educação musical faz com que a população em geral só conheça o que se toca nas rádios e na TV. Com isso, o grande público acaba não conhecendo estilos, ritmos e compositores importantes do Brasil.

Como exemplo, ela cita uma experiência pessoal. Malu, que é cantora, organizou com outros músicos um show que incluía choro, bossa-nova e sambas clássicos. No meio da apresentação veio um bilhete pedindo para tocar Música Popular Brasileira (MPB).

O ensino de música também pode ajudar a cidade a criar tradição musical. Ela conta que a região teve uma grande mecenas das artes na figura de Maria Benedita Gonçalves Martins (1809-1881), a rainha do café. Filha de um cafeicultor de origem portuguesa e uma índia puri, Maria Benedita organizou bandas de música com seus escravos. Estes tinham que aprender a ler partitura, ao contrário do que acontecia em outras bandas de fazendas.

Estrutura

A escola oferece o ensino de violão, cavaquinho, bateria, teclado, percussão, violino, saxofone, guitarra, baixo e técnica vocal. Os alunos têm duas aulas práticas por semana: uma de teoria e outra prática, com o instrumento.

Eles são separados em função da faixa etária em dois grupos, um de 8 a 12 anos e outro de 13 a 18 anos. O primeiro tem aulas de musicalização e o segundo de linguagem e percepção.

20/6/2006

Publicado em 20 de junho de 2006

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.