Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Jornal de Poesia

Mara Lúcia Martins

Praia, cinema e poesia nas férias

Imagem da página inicial do site
http://www.revista.agulha.nom.br/poesia.html
Gastei uma hora pensando em um verso
que a pena não quer escrever.
No entanto ele está cá dentro
inquieto, vivo.
Ele está cá dentro
e não quer sair.
Mas a poesia deste momento
inunda minha vida inteira.
Carlos Drummond de Andrade

As férias vão começar e nada mais bacana do que dedicar um tempinho, no meio da diversidade de opções de diversão, para a leitura. Ler é uma aprendizagem: criar o hábito de ler é como não esquecer de escovar os dentes antes de dormir. E é tão bom, dá tanto prazer.

Há diversos tipos de leitura e uma, particularmente, chama muito a atenção dos leitores que às vezes a amam, às vezes a detestam: a poesia. Para ler poesia é preciso disciplina e atenção, o resto é consequência. Uma vez abrindo a porta da intenção de conhecer o mundo, por intermédio da poesia, parece que ela está muito mais ao nosso alcance. E fica fácil aprender o estilo de cada poeta a partir do momento em que se começa a ler, podendo assim optar pelos que mais se afinam com nossa maneira de pensar e de sentir.

Assim, com a intenção de facilitar o conhecimento da poesia e o acesso à ela Francisco José Soares Feitosa criou o Jornal da Poesia. O Jornal de Poesia é o maior site de poesias da Internet, segundo seu Editor. No tempo em que as terminações "swf", "gifs" etc sugerem vários movimentos na rede, neste site só encontramos a palavra. Mas é a palavra dos vários e famosos poetas que escreveram a história da poesia mundial. E palavras que vão das mais belas até as mais ferozes. Basta clicar na primeira letra do nome do poeta e um mundo estará ao nosso alcance.

O site começou a ser formado por iniciativa de um cearense que um dia, do ano de 1996, procurou em sites de buscas sobre Castro Alves, Luís de Camões, Gonçalves Dias e nada encontrou. Diante dessa escassez, ele descobriu que poderia resolver este problema para ele e para as outras pessoas que desejavam ler poesia, conto, prosa etc.

E para tanto colocou todo o alfabeto em um quadro, onde clicando nele abre-se a letra de cada inicial do nome dos poetas. As páginas de cada poeta contêm fotos dos autores dos poemas, poesias, e mais nada, além das mais belas palavras. É possível também encontrar a biografia dos poetas, contistas e críticos, algumas ilustrações aqui e acolá, mas nada mais relevante do que as palavras.

Há também uma parte dedicada ao Jornal do Conto - que começou em 2004, também com o objetivo de haver uma maior divulgação -; Feitosa Tributos - divulgação do proprietário do site e sua atuação na área de Direito Tributário Federal; e Jornal de Filosofia - ainda em construção, mas prometendo muito.

As fotos, ainda que raras, mostram uma certa "desorganização organizada" e há também algumas chamadas na parte inicial do site dando maior atenção ao que há de mais extraordinário no momento e dicas de como ler poesia - um bom exemplo, segundo o Editor: para ler a poesia de Gonçalves Dias é bom fazê-lo em voz alta.

Há seções como Manifesto da Fundação - a explicação de como tudo começou -; Expediente; Equipe e Conselho Editorial - uma pessoa só: Soares Feitosa; Como participar - onde podemos colaborar enviando poesias e poemas que ainda não pertençam à página; Poesia temática - onde podemos encontrar poesias separadas por temas, tais como: noiva, pai, mãe, mar etc.; Cordel - teorias, ensaios, poetas e antologias, já que o editor é do Ceará, da terra do cordel; Links de literatura; Academias Lusófonas - Academias que falam a língua portuguesa; Autoria negada - algumas autorias que são reconhecidas pelos verdadeiros autores; Perdidos & Achados - remetendo ao Google ; Pendências do Editor - nota do Editor que se compromete a responder t-o-d-o-s os e-mails e que fica dependendo única e exclusivamente da disponibilidade e boa vontade dos vírus que assolam a rede e, principalmente, o computador do Editor; Poesia viva no mundo lusófono - lugares onde os poetas se reúnem para conversar e/ou recitar poesias.

Praia, festas, cinema, teatro, futebol (ai meu Deus!) e muita poesia - transforme suas férias em um tempo de transformação e veja que poesia é tudo de bom quando é querida e lida. Boa navegação!

Publicado em 04 de julho de 2006