Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Rimas de verdade

Hilan Bensusan

O mundo é um punhado de acontecimentos
e um poema é um entulho de palavras.
Mas o entulho de palavras
quer dar abrigo ao mundo,
gritar com ele,
fazer acontecimentos,
como se fosse mundo também.

O punhado de acontecimentos
se esconde no entulho de palavras.
Eles se camuflam um no outro,
fatos parecem estrofes, rimas viram verdades.
Às vezes parece que podemos dividir
as palavras e os acontecimentos:
poemas à esquerda, o mundo à direita.
Mas basta movermos a cabeca uns centímetros
e eles misturam. Tudo entra em métrica.

Às vezes, um entulho de palavras cerca as coisas,
um punhado de acontecimento se veste de palavras.
Quem vê, vê tudo.
Ninguém vê sem versos
porque sem versos
o mundo parece que ocorre sem direção,
corre sem rima, rima sem estrofe.
As palavras usadas seguram as coisas,
parecem nós cegos, com fios finos,
e arrebentam com um verso que sopra,
deixam as coisas escaparem,
fora da rima.
É areia que solta das dunas quando bate o vento.

Leia também:

Pubicado em 7/11/2006

Publicado em 07 de novembro de 2006

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.