Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Biblioteca Rodolfo Garcia (ABL)

Karla Hansen

Desfazendo mitos

Corre no largo rio da imaginação popular o mito de que a Academia Brasileira de Letras é lugar de culto ao passado, quase um museu, abarrotado de livros antigos e empoeirados e guardado por uma confraria de homens chamados acadêmicos, com seus cabelos brancos e fardões, que se encontram toda quinta-feira, lá pelas cinco da tarde, para tomarem chá e falar de coisas importantes.

Mas, numa visita à Biblioteca Rodolfo Garcia, da ABL, toda essa fantasia se desfaz feito fumaça. A biblioteca tem instalações e recursos moderníssimos, está estalando de nova e, o melhor, é aberta ao público. De fato, ela foi inaugurada há apenas dois anos (dezembro de 2003), ocupa uma área de 1.300 m², no segundo andar do Palácio Austregésilo de Athayde (Av. Presidente Wilson, 231, Castelo), e conta com um salão de leitura amplo e bem iluminado que abriga um acervo com cerca de 70 mil volumes, sendo que 35 mil itens, entre livros e periódicos, já informatizados, ou melhor, já foram catalogados e pertencem ao acervo on-line da biblioteca. Também há uma sala de multimídia à prova de som, perfeita para atividades com pequenos grupos e encontro de escritores com leitores - por enquanto, apenas algumas ideias de uso do espaço.

Especializada em língua portuguesa, linguística, literatura, filosofia, história e ciências humanas, a Biblioteca Rodolfo Garcia é considerada hoje uma das mais modernas do Brasil, principalmente, no que se refere aos recursos de pesquisa e consulta on-line, à disposição dos usuários, em geral, pesquisadores graduados ou professores de ensino médio.

A consulta pode ser feita lá mesmo, em cabines individuais, com computadores ligados à Internet, onde o usuário faz sua pesquisa, seleciona os livros ou materiais de seu interesse e imprime o pedido, passando-o, em seguida, ao funcionário que irá lhe entregar o material solicitado. Desse modo, diferente da maioria das bibliotecas, na Rodolfo Garcia todo o processo é automatizado, o que evita que o usuário tenha que procurar num fichário e anotar num pedaço de papel, quase sempre pequeno, os dados dos livros de que precisa, como acontece na maioria das bibliotecas. Além desse avanço, pode-se gravar a pesquisa em disquete ou CD - que devem ser adquiridos na própria biblioteca - ou, ainda, em um computador portátil (notebook, laptop) de uso pessoal do usuário, cuja entrada é permitida, mediante registro na recepção.

A consulta ao acervo também pode ser feita a distância, pela Internet, por intermédio do site www.academia.org.br, onde o usuário se cadastra ao preencher um formulário e enviá-lo para o e-mail da biblioteca. Nesse tipo de consulta é possível reservar material (livro, periódico, vídeo etc) ou reproduzir parte de material impresso. A biblioteca participa, ainda, de um sistema de empréstimos entre bibliotecas, que pode atender a um pedido de um usuário, mesmo que o material solicitado não exista no acervo da Rodolfo Garcia. É importante lembrar que a biblioteca não empresta livros e/ou materiais a usuários.

A Biblioteca se destaca, ainda, pelo seu próprio acervo, na verdade, o seu ponto forte. Ele é composto por obras de referência, periódicos, monografias, materiais especiais (audiovisuais, por exemplo) e de coleções particulares de personalidades históricas dos meios políticos, intelectuais e literários, além de obras raras dos séculos XIX e XX. Essas obras pertenciam à Biblioteca Acadêmica, que já não tinha espaço suficiente para armazenar, em condições adequadas, um acervo acumulado ao longo de cem anos.

Foi, portanto, por essa limitação física, que em 1999, decidiu-se criar uma nova biblioteca, no prédio ao lado do Trianon, ao mesmo tempo em que se modernizava a antiga, com introdução de novas tecnologias e aprimoramento da informatização do acervo.

Com tudo isso, talvez pelo mito que se criou em torno da ABL, a baixa frequência do público é um dos maiores desafios da Biblioteca Rodolfo Garcia. De acordo com Marília Amaral, chefe da biblioteca, uma das metas mais importantes para este ano, é investir numa política de divulgação dos serviços da biblioteca, tornando-a mais aberta e mais próxima da comunidade de pesquisadores e estudiosos de língua e literatura, assim como das demais atividades culturais promovidas pela Academia Brasileira de Letras.

Uma das iniciativas visando a uma maior socialização da ABL é a visita guiada, que existia até o ano passado, mas há dúvidas se ela continuará existindo este ano. Nas visitas guiadas, pequenos grupos podem agendar uma visita (às segundas, quartas e sextas-feiras) à Academia, passando pelo antigo prédio do Trianon e pelas novas instalações, incluindo a Biblioteca Rodolfo Garcia, sendo acompanhados por atores que cantam e contam a história da ABL.

A Biblioteca Rodolfo Garcia fica aberta de 2ª a 6ª feira, das 10 às 17 horas. Para obter mais informações ligue para (21) 3974 2506 ou 3974 2550 ou escreva para brg@academia.org.br

Saiba mais sobre o acadêmico Rodolfo Garcia.

14/3/2006

Publicado em 14 de março de 2006