Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Avaliação

Ivone Boechat

Na verdade, o que se tem exercitado, ao longo de tantos e tantos anos, não é nada mais do que uma prática desastrada de medir somente, ao invés de avaliar. Mede-se com dados pouco merecedores de crédito e, quantas vezes, não se aceita o consenso de uma frágil reunião do conselho de classe, porque a vaidade e o narcisismo onipotente manifestam-se, embaçando o olhar pedagógico.

Medir é o ato de colher informações e as ordenar quanto ao aspecto quantitativo, numérico. Medida implica quantificação. É importante, claro, só não é conclusivo. Avaliar envolve julgamento de valor. É um processo mais amplo, porque se utiliza das descrições qualitativas e quantitativas. É uma interpretação dos dados fornecidos pela medida.

A avaliação vai, justamente, aferir o rendimento educacional do estudante, através de dados qualitativos que informam sobre as inteligências, tais como: competências, habilidades, atitudes, interesses, espertezas, ironias, hábitos de trabalho, adaptação pessoal e social, e quantitativos que informam sobre o universo de conhecimentos adquiridos.

O que ocorre, em muitos casos, num verdadeiro desrespeito ao indivíduo é à implantação de um "método de avaliar" muito discriminador, muito mais artesanal: trabalho digitado, enfeitado, purpurinado, com capa e laço de fita: conceito ótimo; mas, se é manuscrito, em folhas simples: conceito ruim. Só, mais nada é levado em conta?

São inúmeros os fatores que devem ser avaliados: o rendimento nas áreas do currículo, o ajustamento pessoal e social, o estado físico do aluno, o recrudescimento de interesses e atitudes, o desenvolvimento do pensamento crítico e uma infinidade de demonstrações de atitudes que jamais seriam insensíveis ao educador.

Medir em educação é destacar os critérios para a verificação do alcance dos objetivos. Se não houver medida, não há metas estabelecidas e, consequentemente, a avaliação não estaria dosada ante os esforços e o rendimento, já que ela importa numa tomada de posição. Medir e avaliar são passos importantes na educação, desde que estejam comprometidos, casados, envolvidos neste ato de amor.

Extraído do livro Escola Comunitária, 1994.
Publicado em 10 de julho de 2007.

Publicado em 10 de julho de 2007