Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

A escola não ensina

Luiza Barreto Leite

Especial: Memória da Educação

As crianças vão ao colégio para ter o diploma, mas precisam de professores particulares para aprender. Entre o Barnabé e a Maria Candelária, o funcionário letra “j” sofre o seu drama

Mal o jornal foi para as bancas com a nossa reportagem sobre os preços das matrículas e dos uniformes, começamos a receber telefonemas de adesão. Eram mocinhas e rapazes que estudam por conta própria, trabalhando nos empregos mais estranhos para pagar colégios ou cursos noturnos e diurnos, eram pais e mães de família responsáveis por filhos em idade escolar. Todos queriam prestar depoimento e auxiliar nossa reportagem. Escolhemos o Sr. José Afonso Alves. A escolha foi feita por ser o nosso amigo representante típico do brasileiro médio, morador das capitais. Desde o principio nosso objetivo tem sido demonstrar as deficiências e dificuldades do ensino no Brasil, tomando como ponto de partida o padrão médio — nem o completo abandono em que vive o sertanejo, nem o privilégio de uma pequena minoria que usufrui os benefícios das escolas modelo. Para não sermos injustos quanto à qualidade do nosso ensino (já chegaremos ao problema de sua quantidade), procuramos estabelecer o equilíbrio, tomando como ponto de partida o meio termo. Pois bem, o Sr. José Afonso é funcionário publico letra J (Cr$ 3.620,00 por mês), padrão médio do funcionário, nem "Barnabé" nem "Maria Candelária". Seus filhos são em numero de três, que parece também ser a média dos casais modernos de vida normal. A sogra mora com eles, pois sua mulher trabalha e alguém precisa tomar conta das crianças. Todos vivem engavetados num apartamento em Botafogo, com dois quartos apenas, reservados para a sogra e as crianças, sendo o casal obrigado a dormir na sala, que é durante o dia sala de estar e de jantar; e atelier de costura de sua mulher, que trabalha, mas em casa, ao mesmo tempo que ajuda a mãe nos afazeres domésticos.

Acontece que o casal em questão tem ideia própria sobre a educação das crianças, sempre em contradição com as da sogra. Resultado: um pandemônio. Isso também parece fazer parte do padrão da família brasileira, onde três gerações encontram-se em conflito, vivendo em três mundos diferentes.

Apresentado o panorama da vida do Sr. José Afonso, que, queiram ou não as famílias de classe média, é o seu panorama, passemos a analisar o reflexo desse ambiente nos filhos do casal e a influência da escola.

COLÉGIO INTERNO. O IDEAL IMPOSSÍVEL

Disse-nos o Sr. José Afonso que o seu ideal seria internar os filhos e poder, assim, livrá-los do ambiente doméstico e da falta de espaço. Tem essa ideia fixa bem há uns três anos, mas ainda não conseguiu base econômica para isso; ao contrário, à medida que os colégios aumentam de preço, suas esperanças diminuem.

Pensou também em mudar-se para o subúrbio. Mas verificou que as economias seriam praticamente nulas e que o sossego de espírito, adquirido por ele e pela mulher em virtude da aquisição de um espaço maior, seria posto a perder pelas dificuldades e riscos da condução. Além disso, as crianças ficariam muito mais tempo entregues à sogra, já bastante velha e sem força moral. A solução seria, sem dúvida, a do colégio interno. Mas como pagá-lo? Com o seu minguado salário e os lucros da mulher variando de acordo com as possibilidades econômicas das freguesas? Impossível.

O Sr. José Afonso tentou internar pelo menos um dos filhos, já no ginásio, e (fixado) na escola entre os desajustados, em virtude do ambiente da família. Os outros dois, bem menores e de caráter dócil, vão indo muito bem na escola pública. Assim, ao que parece, o problema do Sr. José Afonso é menor do que o de outros pais que já possuem todos os filhos no ginásio, ou todos já desajustados, mesmo no primário. Os professores, em geral, só se interessam pelas crianças sem problemas, capazes de aprender até mesmo sozinhas.

OITO MIL  CRUZEIROS - SÓ DE ENXOVAL

Mas, apesar de menor, o problema do nosso amigo apresenta-se igualmente insolúvel, pois aonde iria ele buscar 8.000 cruzeiros só para o enxoval, além de 550 cruzeiros para a matrícula e 5.000 para a primeira quota? Como conseguir tanto dinheiro se nem mesmo mais um empréstimo lhe é permitido fazer? Contentou-se então em colocar o filho em um ginásio qualquer, sabendo de antemão que suas despesas seriam inúteis, ou quase, pois de abril em diante começará a receber telefonemas diários declarando que o menino precisa de explicadores particulares, pois os professores, com mais de 50 alunos nas turmas, não se podem ocupar de “casos difíceis”. Assim, ele pagará o ginásio, para obter o diploma do filho, e os professores particulares, para que ele aprenda as matérias. De qualquer forma está desesperado porque precisa comprar uniformes livros, etc., mesmo para os que estão na escola pública, e essas despesas vão além de suas posses. Suponhamos, porém, que o Sr. José Afonso conseguisse o dinheiro para enxoval, matricu1a etc. etc.; resolveria o problema do menino? Provavelmente esse ainda se tornaria mais grave, mas isso é outro capítulo.

Publicado em O Mundo, em 1952, Rio de Janeiro;
da série: O problema dos nossos filhos

Publicado em 14 de agosto de 2007