Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Astronomia no Zênite

O site que é a maior viagem

Imagem da página inicial do site
http://www.zenite.nu

O site Astronomia no Zênite esclarece diversas dúvidas sobre a nebulosa ciência dos astros. Logo abaixo do título do site há uma linha onde o primeiro nome que aparece é o da seção Meu céu. Lá é possível ficar por dentro das datas e horas de passagens de satélites, crepúsculos, nascer e ocaso do Sol e da Lua, tudo isso de acordo com a cidade escolhida. Para saber mais sobre constelações e planetas, basta clicar em Céu do mês e ler as sugestões de José Roberto V. Costa sobre os melhores eventos astronômicos. O visitante também pode aprender a reconhecer as constelações no céu noturno; para isso, conta até com o auxílio de um gráfico.

A seção seguinte é Atmosfera, onde são mostradas imagens das nuvens sobre a Terra, atualizadas a cada 60 minutos. Em seguida há um texto sobre a atmosfera e a troposfera. A interatividade fica por conta de uma calculadora atmosférica padrão, que possibilita calcular, por exemplo, a pressão e a temperatura no topo do Monte Everest, a alteração desses parâmetros desde 2.000 m abaixo do nível do mar até 86 km de altitude.

Depois dessa lição atmosférica, é hora de ajustar os relógios: na seção Hora universal estão dois ícones animados que, ao serem clicados, mostram a hora oficial do Brasil e de Portugal. Em seguida, encontram-se as explicações históricas sobre acertos de hora que antes eram feitos pelo tempo fornecido pelos relógios de Sol; depois, a Inglaterra serviu como ponto de partida referencial para todas as nações do mundo através do meridiano de Greenwich, que passou a ser utilizado como padrão mundial até 1986, quando surgiu o Tempo Universal Coordenado, baseado em padrões atômicos. Logo abaixo vem um gráfico com a representação dos 24 fusos horários.

A parte de navegação do site é uma coluna localizada à esquerda da página inicial. A seção de abertura é Primeiros passos, onde são apresentados dois tópicos: O que é Zênite e Para que serve a Astronomia. Abaixo está seção Diário astronômico, com os tópicos: Espaçonave Terra e Últimas notícias, com as notícias mais importantes e atuais sobre Astronomia e Astronáutica no Brasil e no mundo. Em Curiosidades estão tópicos interessantes, como Astronomia e futebol, onde a Terra é comparada a uma bola, Planetas na fórmula 1, mostrando que tudo no universo se move: galáxias, estrelas, buracos-negros, planetas e satélites, e o terceiro tópico são as Perguntas intrigantes: qual é a maior estrela? Por que se adota o horário de verão? De que cor são as estrelas?, entre outras questões. Em seguida vem a seção Sistema solar, cujos tópicos são: O novo sistema solar e Eclipses do Sol e da Lua; depois vem a seção Espaço profundo com tópicos que descrevem as colisões de galáxias, buracos-negros e planetas solares.

Na seção Tempo & espaço está um calendário cósmico, a medição da Terra e da Lua, as unidades astronômicas. Na parte sobre Constelações são encontradas diversas explicações sobre suas formações e seus nomes. Na seção seguinte – História – estão textos sobre a Astronomia no Brasil, Astronomia do erro e sobre os astrônomos.

Após essa navegação espacial sem sair do lugar, quem quiser testar os conhecimentos astronômicos é só clicar em Atividades e abrir o Astroquiz.

A seção Para ir além traz dicas de livros, links e uma loja virtual, onde é possível encontrar desde livros sobre Astronomia até telescópios. A Sala de imprensa é um espaço aberto para o visitante opinar sobre o site. Lá podemos ver depoimentos de gente que entende do assunto, como o físico Marcelo Gleiser, e de pessoas de várias partes do mundo.

Para quem tiver dúvidas quanto ao vocabulário, basta ir à parte de baixo da página e dar uma olhada no glossário. Depois disso é só começar a viajar no site. E no espaço.

Publicado em 30 de outubro de 2007

Publicado em 30 de outubro de 2007

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.