Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Soluções simples para ensino público de qualidade

Cláudia Dias Sampaio

Como superar as barreiras?

Ouvir, acolher, e ao mesmo tempo exigir, impor limites e cobrar responsabilidades, essas atitudes simples podem provocar mudanças significativas no processo de ensino-aprendizado. É claro que, em alguns momentos, essa postura gera angústias, contradições... Afinal, a matéria prima do professor é o ser humano e quem se arrisca por essa vereda está sujeito às dores e delícias da complexidade humana. Mas o resultado desse comprometimento está sendo reconhecido e fazendo a diferença em escolas que mostram o valor de soluções simples para problemas aparentemente sem respostas.

Uma pesquisa coordenada pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância - Unicef - a pedido do Ministério da Educação, apontou os fatores que levaram 33 escolas carentes a obter notas acima da média no exame Prova Brasil realizado em 2006, que mediu conhecimentos de 3.306.378 alunos brasileiros de 4ª a 8ª séries, em português e matemática.

Foram os próprios alunos e pais que apontaram o compromisso dos professores com os alunos como o principal fator de sucesso. Em 21 escolas, destacou-se também o fato de haver avaliação permanente e projetos especiais interdisciplinares.

Os pesquisadores constataram ainda que a maioria dos professores dessas escolas tem curso superior completo e procuram se capacitar, principalmente, na área de gestão. Grande parte das 33 escolas pesquisadas administram seus recursos de forma participativa e, em alguns casos, como a Escola Municipal Madrid, no Rio de Janeiro, articulam proveitosas parcerias com empresas e instituições. A relação da escola com seu entorno é também outro fator importante. O resultado foi positivo para as escolas que acolheram a comunidade, abrindo suas instalações para jogos, casamentos e até velórios.

A diretora da Escola Madrid, Marina Kickinski, atribuiu o sucesso na avaliação à gestão participativa dos recursos financeiros e das normas escolares e, principalmente, o comprometimento dos professores. Para vencer as dificuldades da pouca infraestrutura e dos parcos recursos tecnológicos, a Escola - que fica em Vila Isabel -  promove passeios: cinema, teatro e centros culturais e transforma a sala de leitura em lugar nobre e disputado. As parcerias com diversas instituições próximas, como a Uerj, Hospital Pedro Ernesto e a Policlínica Piquet Carneiro são fundamentais. Os alunos têm atendimento de médicos, psicólogos e dentistas. O instituto Pão de Açúcar contribui com cursos de música e pintura.

Estudo valoriza a superação de barreiras extraclasse

O estudo "Aprova Brasil, o direito de aprender" leva em consideração na avaliação do desempenho das escolas, não somente valores quantitativos de notas, mas a capacidade de superar barreiras extraclasse que, normalmente, são apontadas como determinantes do fracasso no aprendizado, como: baixa renda e baixa escolaridade dos pais, bairros pobres e baixo investimento do setor público. A consultora especial de Educação do Unicef  e coordenadora do estudo, Maria de Salete Silva, enfatizou que soluções simples são capazes de fazer a diferença, destacou a importância dos projetos pedagógicos e o valor de aproximar o conteúdo em sala da vida dos estudantes, valorizando o potencial de cada um.

Fontes de pesquisa para a redação deste texto foram: clipping da Secretaria de Ciência e Tecnologia, do Governo do Estado do Rio de Janeiro e o site do Ministério da Educação - MEC.

Veja o perfil das escolas que se destacaram no Prova Brasil.

6/2/2007

Publicado em 06 de fevereiro de 2007