Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Projeto Vila Viva

Karla Hansen

Nomear para cuidar

Você reconhece a marca de um de tênis sem precisar olhar a etiqueta? E a marca de um carro, você é capaz de identificar à distância? Não é incrível que produtos como esses sejam facilmente identificáveis e nomes de árvores ou de passarinhos que estão à nossa volta, ao contrário, sejam completamente desconhecidos da maioria da população?

Foi pensando nessas incoerências dos tempos atuais, enquanto olhava pela janela de seu apartamento a bela praça arborizada em frente, que, em 2006, uma empresária paulistana teve uma ideia original para um projeto que reúne cidadania e educação ambiental.

Rosely Brancaleone Brito, moradora de Vila Madalena, um dos bairros mais arborizados de São Paulo, é a idealizadora do projeto Vila Viva, cujo objetivo é colocar placas de identificação nas árvores das ruas e praças locais com o nome popular, o nome científico, a origem e as principais características da espécie.

Rosely, que também é síndica do prédio onde mora, apresentou a ideia ao professor José Rubens Pirani, do Departamento de Botânica da Universidade de São Paulo (USP), que se interessou em colaborar. Dessa forma, a universidade entrou com o saber científico na identificação das árvores e envolveu a participação dos alunos no projeto, que mais tarde também obteve a parceria da subprefeitura de Pinheiros.

Atualmente, 120 espécies de árvores de 14 ruas do bairro estão identificadas com pequenas placas afixadas nos troncos, a maioria delas colocada pessoalmente pela empresária, que também investiu recursos próprios na compra das placas.

O Vila Viva fez tanto sucesso que começou a ganhar outras ruas e praças do bairro, chamando a atenção da mídia impressa e eletrônica, como o programa Repórter Eco, da TV Cultura, e diversos sites. Rosely ainda pretende expandir seu projeto, convidando professores e alunos de escolas públicas e privadas de Pinheiros para fazerem visitas monitoradas às árvores já identificadas, exatamente como num Jardim Botânico.

Já tem gente pensando grande e alimentando o sonho de espalhar essa boa ideia por toda a cidade de São Paulo, que tem um dos maiores índices de poluição atmosférica do mundo. Como somos inclinados a cuidar de algo que conhecemos pelo nome, é bem possível que o projeto Vila Viva, além de prestar um serviço educativo à população local, desperte nos paulistanos maior amor ao verde.

Se quiser saber mais sobre o projeto, entre no site do bairro Vila Madalena.

7/3/2007

Publicado em 06 de março de 2007