Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Aula de samba

Cláudia Sampaio

Joaquim José da Silva Xavier.
Morreu a 21 de abril,
pela independência do Brasil.
Foi traído e não traiu jamais,
a Inconfidência de Minas Gerais (...)
(Exaltação a Tiradentes. Estanislau Silva, Mano Décio e Penteado. Império Serrano, 1949)

Boa parte dos estudantes já ouviu falar em Tiradentes, mas os detalhes da Inconfidência Mineira certamente ficarão mais vivos na memória se forem conhecidos a partir de algo que desperte sua curiosidade e quebre a rotina. Pensando no potencial de atração que a música exerce sobre os jovens, ainda que não seja exatamente o estilo que eles mais ouçam em iPods e MP3, 4, 5..., a cantora Mart’nália e seu irmão, Martinho Filho, filhos do sambista Martinho da Vila, realizaram o projeto Aula de samba – a História do Brasil através do samba.

Recentemente lançado pela Biscoito Fino, a partir do segundo semestre de 2008 o CD será distribuído para mais de duas mil escolas brasileiras de Ensino Fundamental e Médio. Junto com ele estará uma cartilha com comentários sobre os períodos históricos citados pelas músicas, que trazem desde os movimentos populares de independência à era Getúlio Vargas, passando pela Abolição da Escravatura e a Guerra de Canudos.

A primeira faixa apresenta uma gravação inédita, de Chico Buarque, do samba-enredo Exaltação a Tiradentes, composto em 1949, que se tornou célebre na voz de Elis Regina, em gravação de 1971.

Além de Chico Buarque, no elenco dos intérpretes convidados estão Dona Ivone Lara, Fernanda Abreu, Toni Garrido, Zélia Duncan, Alcione, Simone, Lenine, Emilio Santiago, Leci Brandão e Maria Rita. A ideia do projeto é trazer um pouco da História do Brasil a partir de sambas-enredos clássicos do carnaval carioca, compostos de 1949 a 1976.

As letras são, por vezes, excessivamente didáticas e ufanistas, como a popular estrofe de Aquarela do Brasil, de Silas de Oliveira:

Vejam esta maravilha de cenário.
É um episódio relicário,
que o artista num sonho genial,
escolheu para este carnaval (...).

Ainda assim, o CD pode ser um excelente instrumento pedagógico. Principalmente se forem observados e discutidos os eventuais erros históricos que as músicas podem conter. Desse modo, as aulas de samba serão muito bem-vindas para alunos e professores:

Com flores e alegria veio a abolição.
A Independência laureando o seu brasão.
Ao longe soldados e tambores.
Alunos e professores,
acompanhados de clarim,
cantavam assim:
Já raiou a liberdade
A liberdade já raiou.
(Heróis da liberdade. Mano Décio, Silas de Oliveira e Manoel Ferreira. Império Serrano, 1969)

Sobre este mesmo assunto – uso de músicas em sala de aula –, foi publicado aqui no Portal da Educação Pública o artigo A música no cotidiano de sala de aula do professor de história, da professora Sandra M. Monteiro Chírico.

Publicado em 18 de março de 2008

Publicado em 18 de março de 2008