Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Crise conjugal de uma química

Any Bernstein

Professora associada da Fundação CECIERJ

Radio hidrogênio, 2,2 dimetil xileno de 2008

Meu futuro ex-marido Fulereno

Quando te vi pela primeira vez, senti um estrôncio e meus elétrons entraram em órbita! Naquela época, você não tinha prata no cabelo nem um cobre no bolso! Fui tomada de enxofre por uma forte atração que até agora não sei se era do tipo eletrostática ou eletromagnética! Você me convidou pra dançar e, quando nossos íons com cargas opostas se aproximaram, a Lei de Coulomb se fez sentir!

Logo começamos a trocar fluidos e a reagir em pH fisiológico. Passamos a compartilhar nossos elétrons, alinhar nossos spins... e iniciamos um relacionamento cério. Parecia que nossa ligação eletricamente neutra seria um enlace covalente duradouro e resistente. Uma verdadeira ligação peptídica entre mim e você! A estrutura primária de nossas proteínas ligava aminoácidos amigos e parentes ao nosso redor. Enovelamos nossa estrutura secundária, estabelecendo pontes de hidrogênio com grupamentos polares vizinhos. Quando fiquei grávida do Frâncio, pediu quimicasasse com você para construirmos uma estrutura quaternária sólida, e decidimos juntar nossas sulfidrilas.

Passado urânio, sinto uma transição eletrônica e confesso que nosso orbital molecular não é mais o mesmo. Creio que nosso amor está carburando e estamos à margem de uma reação irreversível de dupla troca, caso não equilibremos nossos coeficientes. Você está reagindo de modo estanho depois que saiu do emprego e passou a vender créditos de carbono! Estou borada, porque seu temperamento mudou! Parece que se complexou ou está usando drogas derivadas do ácido lisérgico... Você passa o tempo olhando para o telúrio e no silício da noite está inerte aos meus encantos. Mudou do time dos metais, que se ligava aos halogênios e calcogênios, e se bandeou para o lado dos metais de transição. Soube ainda que você está frequentando os gases nobres, que não interagem com ninguém.

Você deve ter percebido que nosso relacionamento se tornou alcalino, com sobrecarga íons negativos, e que passamos a viver naquela base, soltando radicais livres para todo lado. Gostaria de deslocar esse equilíbrio e fazer com que tudo volte ao pH neutro, pois se continuarmos assim a dissociação de nossos ligantes será inevitável! Vamos expor nosso filho ao odor de gás sulfídrico liberado pela redução das pontes de enxofre!

Essa volatilidade de nossa relação aumentou minha pressão de vapor! Se você está procurando uma separação de nossas misturas em substâncias puras, é melhor procurar um Avogadro para saber a quantos equivalentes a 6,02 x 1023 moléculas de prata eu vou ter direito. Estou uma pilha de rádio! Vamos acabar brigando pelo ouro metálico, pelo faqueiro de liga metálica e pelas taças de silicato de titânio! Não quero saturar o ambiente e precipitar sais ácidos na nossa relação, pois creio que devemos buscar uma reação de adição, e não de substituição!!!

Proponho fazermos uma grande diluição dos problemas e partir para soluções com bases fortes!

De sua ex-futura mulher

Lantânia

Publicado em 09/12/08

Publicado em 09 de dezembro de 2008