Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Máquina silenciosa

Luis Estrela de Matos

Ensaísta, poeta e professor universitário

Diálogos Poéticos

Cecília. Sonoro, musical. Mas também silencioso. Cecília silenciosa. Cecília Meireles. O espaço de um nome em um espaço de uma poética. Os versos de Cecília têm a dimensão do grande, do aberto espaço das coisas minúsculas, às vezes quase imperceptíveis. Nossos olhos crescidos, sempre graúdos, quase não veem mais o ínfimo, a pequena dobra das coisas. Ler Cecília é fundamental. E quando o leitor percebe, porque leu, já experimenta. O que se experimenta com os versos de um grande poeta? Começo o ping-pong... Então: o que se experimenta quando se escuta a grande música ou quando se vê um grande quadro? O que somos nós quando nos sentimos outro? E a bolinha volta novamente: e o que é o grande? O que é ser outro? Leia Rimbaud e tire suas conclusões. De preferência, próprias. Je est un autre, disse o jovem francês. No mínimo, o que nos cala, o que cresce, o que já é, sem precisar ser novamente. O silêncio das coisas sem sequência. Uma dimensão do maravilhoso, um sim à vida, no que ela tem de único. Afinal, um grande poema tem esse dom: experimente-o e olhe em volta. Saberá exatamente a que me refiro. Só que Cecília tem suas exigências: difícil midiatizá-la. Há que se escutar a vaga música de um silêncio outro. Cecília é nuvem e abismo. Em qualquer das pontas, voo. O espaço exige seu sopro. Respire, prezado leitor. A máquina é breve. Engrene-se para não enganar-se. Ping e pong. E depois?

Máquina breve

O pequeno vaga-lume
com sua verde lanterna,
que passava pela sombra
inquietando a flor e a treva
– meteoro da noite, humilde,
dos horizontes da relva;
o pequeno vaga-lume,
queimada a sua lanterna,
jaz carbonizado e triste
e qualquer brisa o carrega:
mortalha de exíguas franjas
que foi seu corpo de festa.

Parecia uma esmeralda
e é um ponto negro na pedra.
Foi luz alada, pequena
estrela em rápida seta.
Quebrou-se a máquina breve
na precipitada queda.
E o maior sábio do mundo
sabe que não a conserta.

Publicado em 8 de setembro de 2009.

Publicado em 08 de setembro de 2009