Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Professores da Iowa State University contam suas experiências na preparação de cursos em EAD em seminário organizado pela Fundação Cecierj

Alexandre Alves

Seminário Internacional de Formação de Professores através de Educação a Distância

Em agosto foi realizado o Seminário Internacional de Formação de Professores através de Educação a Distância, com a participação de professores associados da Fundação Cecierj e do Center for Technology in Learning and Teaching (CTLT) da Iowa State University, dos Estados Unidos.

O número de inscritos para o encontro, realizado no auditório 11 da Uerj, superou todas as expectativas; estavam presentes mais de 200 pessoas, lotando o auditório; por isso foi transmitido via internet, a fim de chegar a todos os que se interessaram por participar. Foram contabilizados mais de 400 acessos on-line ao evento.

A abertura foi feita pelo Secretário de Estado de Ciência e Tecnologia, Alexandre Cardoso; estavam presentes as professoras Laná Medeiros, da UERJ, e Masako Masuda, presidente da Fundação CEDERJ. Em sua fala, o secretário agradeceu aos palestrantes internacionais e destacou a importância, para o país, de debater a formação de professores, ressaltando a qualidade da educação publica.

A primeira parte constituiu-se de um painel com o objetivo de troca de experiências nos contextos norte-americano e brasileiro. As professoras de Iowa, coordenadas por Ann Thompson, inicialmente falaram de sua experiência na criação de um mestrado na modalidade on-line, além de algumas experiências em nível de graduação com um sistema misto (blended system). Nesse modelo os alunos têm 50% das aulas no modelo presencial e 50% on-line. No mestrado de formação de professores do CTLT, essa proporção sobe para 85% de atividades on-line e 15% de encontros presenciais.

Depois foi a vez da palestra da Fundação CECIERJ, ministrada pelo professor Daniel Salvador, que falou dos projetos existentes na fundação, detalhando a experiência de mais de cinco anos da Diretoria de Extensão na formação continuada de professores, totalmente on-line.

Seminário Internacional de Formação de Professores através de Educação a Distância

Na sequência do seminário, foram debatidos assuntos como: capacitação de professores para uso das novas tecnologias, experiências colaborativas em EAD, desenho instrucional, estruturas e estratégias de suporte aos estudantes e educação multicultural.

A professora Connie Hargrave destacou a importância de oferecer acesso à tecnologia da informação e engajar o aluno no relacionamento com o professor e com seus colegas de turma, levando ao aprendizado colaborativo. A plateia foi à loucura quando ela fez uma analogia entre dar aula e dançar e começou a tocar e dançar Garota de Ipanema, convidando alguns a seguir com ela. Hargrave destacou que o essencial é a aproximação do professor com o aluno, numa relação de “ativação”, valorizando a liderança, procurando entender as dificuldades do estudante e incentivando-o a superá-las e a prosseguir em seu aprendizado.

Para Clyciane Michelini, também do CTLT, que tratou de suporte aos alunos, isso não quer dizer que as respostas às consultas sejam imediatas, mas, sim, que sejam dadas com certa rapidez, de modo que o aluno não sinta como se a comunicação tivesse sido rompida. Sua preocupação, nesse contato – via troca de e-mail, por exemplo (eles não usam fax para essas tarefas) –, é atender o aluno não como um receptor passivo de informações; é essencial chamá-lo à colaboração e ao “aprender juntos”.

Uma das perguntas da plateia foi: “O que não funciona?”. Clyciane respondeu, com simplicidade: “Muitas coisas; estamos procurando sempre refletir e melhorar nossas práticas pedagógicas. A questão é que trabalhamos com poucos alunos, e os estudantes pagam pelos cursos, o que os faz ter mais compromisso com as aulas”.

Outra pergunta foi “Como equilibrar a relação entre conteúdos e tecnologia?”. Denise afirmou que não é fácil, mas é preciso fazer – mesmo sabendo que alguns alunos terão dificuldades com computadores. Para ela, o importante é tentar, experimentar várias possibilidades até encontrar a medida adequada. Afinal, lembrou, “nunca se falou que educar a distância é mais fácil ou mais rápido que no presencial”.

Seminário Internacional de Formação de Professores através de Educação a Distância

Segundo o professor Daniel Salvador, coordenador do evento, e a professora Masako, o balanço da visita dos professores da Iowa State University à Fundação CECIERJ ultrapassou as expectativas. “Essa parceria ainda renderá muitos frutos”, diz Daniel. Na reunião de fechamento, no dia seguinte ao seminário, foram levantadas várias ideias de trabalho conjunto. O primeiro resultado deve ser a formalização de um acordo de cooperação técnico-científica entre as duas instituições, a ser assinado até o final de 2009. Além disso, os professores norte-americanos e brasileiros das duas instituições vão continuar, a partir de setembro, a interagir e trocar experiências em um ambiente virtual de aprendizado.

08/09/2009

Publicado em 08 de setembro de 2009