Este trabalho foi recuperado de uma versão anterior da revista Educação Pública. Por isso, talvez você encontre nele algum problema de formatação ou links defeituosos. Se for o caso, por favor, escreva para nosso email (educacaopublica@cecierj.edu.br) para providenciarmos o reparo.

Xadrez como arte e expressão

Maria Aparecida Schio

Professores da rede pública de educação do Distrito Federal

David Rocha

A impossibilidade de conhecer o melhor lance em uma partida de xadrez é que eleva o xadrez de um jogo científico para uma forma de arte, um meio de expressão individual.

John R. Bowman, físico

Introdução

A necessidade de dispor de um material pedagógico mais eficiente e criativo para o ensino de xadrez nos levou a criar este pequeno ”programa”, com ele, o aluno iniciante pode, em curto espaço de tempo, aprender a arte do jogo de xadrez.

Esse recurso pode ser utilizado na sala de informática, usado em datashow ou em um aparelho de DVD comum. O “programa” passa automaticamente e ensina todas as etapas do jogo de xadrez, começando com o nome das peças, posição delas no tabuleiro, movimento das peças, regras de captura, xeque, xeque-mate, promoção, pequeno e grande roque etc. Todos com efeito e animação.

Queremos ressaltar que o xadrez é pedagógico e auxilia no desenvolvimento das demais disciplinas curriculares. Devido a tais benefícios o jogo de xadrez já foi adotado como disciplina obrigatória ou opcional em grande parte das escolas do sul do Brasil, além de inúmeras no Estado de São Paulo e em diversas regiões do país.

Nos dias atuais, o xadrez é fundamental nas escolas públicas, pois responde a uma das preocupações fundamentais do processo ensino-aprendizagem, que é dar a cada aluno a possibilidade de progredir segundo seu próprio ritmo, valorizando assim a motivação pessoal do educando e contribuindo para a diminuição da violência na escola.

Experiências realizadas em diversos países demonstram que o xadrez, quando utilizado como terapia ocupacional, contribui para a reinserção familiar e social de crianças, adolescentes e até mesmo adultos infratores ou em liberdade assistida.

O xadrez pode também auxiliar de maneira significativa na diminuição da repetência e da evasão escolar, pois quando ele é introduzido nas classes de baixo rendimento escolar desenvolve no aluno um sentimento de autoconfiança, visto que apresenta uma situação na qual os alunos têm a oportunidade de descobrir uma atividade em que podem se destacar e, paralelamente, progredir nas outras disciplinas.

O xadrez pode contribuir, ainda, para a solução de um grande problema da educação moderna: o ensino da Matemática, pois é um dispositivo eficaz para a aprendizagem da Aritmética (noções de troca, valor comparado das peças, controle de casas como exemplo de operações numéricas elementares), da Álgebra (cálculo do índice de desempenho dos jogadores, que é assimilável a um sistema de equações com n incógnitas) e da Geometria (o movimento das peças é uma introdução às noções de verticalidade, horizontalidade; a representação do tabuleiro é estabelecida como um sistema cartesiano).

Bons motivos

O projeto Xadrez na escola justifica-se pela necessidade existente, no espaço escolar, de algo que leve o aluno a usar o raciocínio lógico. Segundo o Currículo da Educação Básica, cada escola, mesmo pertencendo a um sistema público, precisa desenvolver projetos que atendam às necessidades específicas de seus alunos, voltar-se para a comunidade onde se insere e acompanhar os avanços científico-tecnológicos.

Diante do exposto e do fato de que o desenvolvimento do raciocínio é elemento fundamental para que a cidadania se efetive, o jogo de xadrez pode servir como complemento à educação escolar.

Esta atividade não oferece apenas mais uma opção de lazer, mas, sim, a possibilidade de valorizar o raciocínio através de um exercício lúdico. Segundo Charles Partos, mestre internacional suíço, o aprendizado e a prática do xadrez desenvolvem as seguintes habilidades:

  • a atenção e a concentração;
  • o julgamento e o planejamento;
  • a imaginação e a antecipação;
  • a memória;
  • a vontade de vencer, a paciência e o autocontrole;
  • o espírito de decisão e a coragem;
  • a lógica matemática, o raciocínio analítico e sintético;
  • a criatividade;
  • a inteligência;
  • a organização metódica do estudo;
  • o interesse pelas línguas estrangeiras.

Acreditamos que todas estas vantagens descritas, somadas ao projeto informatizado, são requisitos suficientes para justificar o presente projeto.

Para que o projeto

Em nossas pesquisas descobrimos que o xadrez é o segundo esporte mais praticado no mundo, abaixo apenas do futebol. É um grande impulsionador da imaginação e contribui para o desenvolvimento da memória, da capacidade de concentração e da velocidade de raciocínio. Foi constatado que o xadrez desempenha um importante papel socializante, por ensinar a lidar com a derrota e com a vitória, mostrando que a derrota não é sinônimo de fracasso nem a vitória é sinônimo de sucesso.

Baseando-se nessas assertivas, o projeto Xadrez na escola tem como objetivos:

  • Estimular a atividade intelectual e estabilizar a personalidade de crianças e jovens durante seu crescimento.
  • Desenvolver o raciocínio lógico e a capacidade de cálculo.
  • Desenvolver a força de vontade, tenacidade, a memória e a concentração.
  • Ensinar a avaliar as consequências dos seus atos, tornando as crianças mais prudentes e responsáveis.

Como acontece

As escolas, em sua maioria, já possuem quase todo material necessário para a implantação do projeto Xadrez na escola, pois o que faltava está sendo oferecido: o recurso didático informatizado.

Nossa experiência indica que o melhor é trabalhar com uma turma de cada vez, em encontros semanais de uma hora. Os encontros podem ser realizados na própria sala de aula (se houver equipamento disponível) ou na sala de informática (se existir).

De acordo com sua realidade, a escola pode decidir em qual ambiente serão desenvolvidas essas atividades:

  • Sala de informática: neste ambiente será instalado o programa nos computadores. Cada dois alunos com um tabuleiro acompanharão a aula. O aluno também pode copiar, em DVD, todo o programa e levar para praticar em casa.
  • Sala de aula: neste ambiente o professor pode desenvolver a aula usando o datashow ou o aparelho de DVD comum. Nesta modalidade é necessário um tabuleiro para cada dois alunos.
  • Sala de recursos: o professor irá prender a atenção dos seus alunos, pois o programa é composto de muitas cores e animações muito interessantes.

Necessidade de recursos humanos/materiais

Recursos humanos: O programa foi montado para facilitar o ensino e a aprendizagem do jogo de xadrez; portanto, não é necessário um professor específico para desenvolver esse projeto. Poderíamos também optar pelos professores de Educação Física ou aqueles que estão com tempos disponíveis na escola ou na sala de recursos.

Materiais necessários:

  • O programa (faça o download no site do Xadrez Informatizado na Escola)
  • Tabuleiros de xadrez – 20 tabuleiros por escola.
  • Televisão e DVD ou datashow
  • Sala de informática

Bibliografia

CORTEZ, Cleandro. Projeto curso básico de xadrez. Açu-RN, apostila, 2002.

FISCHER, J. Como é fácil aprender xadrez. Porto Alegre: Rigel, 1991.

REMFELD, Fred. Xeque-mate - o raciocínio em xeque. São Paulo: 1973.

Publicado em 8 de setembro de 2009

Publicado em 08 de setembro de 2009

Este artigo ainda não recebeu nenhum comentário

Deixe seu comentário

Este artigo e os seus comentários não refletem necessariamente a opinião da revista Educação Pública ou da Fundação Cecierj.