Edição V. 20, Ed. 28 - 28/07/2020

Por uma política de iniciação científica na escola pública: o uso de uma teoria e a motivação para a leitura por prazer e não por obrigação

Vivências de Sala de Aula, Língua Portuguesa e Literatura e Política Educacional

Pesquisas com cerca de 200 alunos da rede pública de ensino de Três Lagoas/MS, Andradina/SP, Campo Grande/MS e Iturama/MG revelam que há dificuldade latente no quesito leitura e escrita por parte dos alunos da escola pública em sala de aula. Esse quadro levou os pesquisadores a desenvolver intervenções em escolas públicas dessas cidades com o fim de mudar essa situação, por meio de iniciação científica na graduação e com o mestrado profissionalizante. Este trabalho apresenta o resultado das intervenções e sugere atividades didáticas com o uso de multiplicidade de textos verbais, não verbais e sincréticos como forma de motivação ancorados pela Teoria Semiótica de Greimas e seus seguidores e a proposta da iniciação científica desde o Ensino Fundamental como forma de preparar o aluno para a faculdade.

Leia este artigo

A beleza incomparável do mito da origem do inverno

Antropologia, História e Psicologia

A mitologia grega é maravilhosa para explicar os fenômenos da vida terrestre. A justificativa para a existência das estações do ano merece ser lida e conhecida para possibilitar a descoberta das formas de percepção dos gregos antigos para o seu mundo – o que não os impedia de desenvolver bases científicas.

Leia este artigo

Currículo e a escola do século XXI: a escola e seus novos desafios

Instituição Escola, Vivências de Sala de Aula, Língua Portuguesa e Literatura e Política Educacional

Alguns aspectos da estratégia curricular das escolas municipais de Maricá/RJ em Língua Portuguesa merecem ser modificados, a fim de facilitar a aprendizagem e o exercício da leitura e da escrita, o que contribui para um melhor desempenho dos estudantes do Ensino Fundamental em concursos realizados no fim dessa etapa da educação.

Leia este artigo

As políticas públicas sob a ótica do Programa Mais Educação: experiências de uma escola pública do Estado de Pernambuco

Política Educacional

O direcionamento deste trabalho são as políticas públicas educacionais que têm como foco primordial as questões ligadas à escola, dando ênfase ao Programa Mais Educação e sua vivência diária em uma escola do Estado de Pernambuco. Metodologicamente ele se constitui em um relato de experiência vivenciado durante seis anos de implantação do programa. Iniciaremos explanando o que são as políticas públicas e em seguida vamos expressar os problemas gerados pela implantação do programa, bem como expor as virtudes com os resultados da implementação desse programa, mesmo com todas as dificuldades enfrentadas. Por fim, vamos apresentar os resultados percebidos com toda essa movimentação dentro da escola.

Leia este artigo

A percepção dos alunos de Ensino Médio de uma escola pública sobre o ensino de Matemática

Matemática

O objetivo deste trabalho foi obter a percepção de alunos de uma escola pública do Estado do Rio de Janeiro sobre o ensino de Matemática. Nosso principal instrumento na produção de dados foi um questionário em que os participantes somente informavam seu sexo e sua idade. De acordo com os dados produzidos, a maioria dos alunos (62%) admitiu ter dificuldade em Matemática. Em relação às aulas do Ensino Médio, 72% afirmaram que elas tinham qualidade superior em relação às aulas que frequentaram no Ensino Fundamental. Os dados obtidos indicam que a forma como se ensina Matemática no Ensino Médio precisaria sofrer intervenções sob vários aspectos, mas no que tange ao papel do professor, fomos levados a considerar a possiblidade de desconstruir pensamentos e posturas enraizados na prática docente e que possam vir a contribuir para que nossos alunos não se sintam capazes de aprender e produzir Matemática.

Leia este artigo

I Colóquio Faetec de Professores Pesquisadores

Estão abertas também chamadas para submissão de proposta de mesa redonda e para coordenador de vídeo pôster (24) e coordenador de comunicação oral (24), nas seguintes áreas de conhecimento: Ciências Exatas e da Terra; Ciências Biológicas; Engenharias; Ciências da Saúde; Ciências Agrárias; Ciências Sociais Aplicadas; Ciências Humanas; Linguística, Letras e Artes.

O prazo de inscrição é até 31 de março, por meio do site: www.coloquiofaetec.com.br

Educação e pandemia

Educação e pandemia

Artigos publicados na revista Educação Pública sobre a pandemia

Acesse aqui

Educação: Tem o poder de transformar

O Centro de Estudos “O bem viver e a resiliência dos povos indígenas no cuidado com a Amazônia" recebeu os representantes dos povos indígenas
- Iolanda Pereira da Silva, do Povo Macuxi;
- Michel Oliveira Baré Tikuna, do Povo Baré e Tikuna;
- e o procurador da República Marco Antônio Delfino de Almeida;
- e o coordenador do Programa Rio Negro do Instituto Socioambiental, Marcos Wesley de Oliveira.

Veja o video

Citação

"É melhor construir salas de aula para o Menino do que celas e patíbulos para o Homem."
Eliza Cook (12/1818 – 09/1889)

Educadores e Educadoras

Magda Soares

"Para a criança, a complexa aprendizagem da língua escrita deve acompanhar seu desenvolvimento cognitivo, linguístico e mesmo motor, para a manipulação dos instrumentos e suportes da escrita."

Twitter da revista

Siga-nos no Twitter @educacaopublica

Veja também

Fundação Cecierj


Diretoria de Extensão


Revista EaD em foco