Edição V. 7, Ed. 45 - 13/11/2007

Ruan Garcia

Na quinta-feira última fui liberado da aula cedo por causa de uma obra de emergência no Educandário Monte Alverne. Por isso, cheguei em casa ainda no início da tarde. Logo que abri a porta, vi que meu pai estava presente. Ele tinha uma cópia da chave e, vez por outra, vinha me visitar – especialmente nos momentos em que precisava de dinheiro. A televisão estava ligada, mas a sala, vazia. Sobre a mesa do computador, uma pasta de couro com um catálogo de pílulas de emagrecimento do doutor Phillip W.N. Foster. A porta do banheiro abriu junto com o barulho da descarga enquanto eu cruzava o cômodo até a cozinha. “Oi, filho”, disse o velho Souza, fechando a braguilha, “estava vindo pelo centro e resolvi dar uma passadinha”.

Leia este artigo

A internet e O Aleph

Outro dia estava no carro, dirigindo, e a música que tocava no rádio chamou minha atenção, a letra falava sobre várias coisas: Almodóvar, Frida Kahlo, trânsito, cores, meninos com fome, telefone, janela, controle remoto etc. Por analogia, lembrei-me de um dos mais conhecidos contos de Jorge Luis Borges, O Aleph, que também fala de um monte de coisas. Na época em que li – há pelo menos quinze anos –, causou-me um verdadeiro arrebatamento, o que não é surpresa em se tratando de um texto de Borges.

Leia este artigo

Tapete Vermelho - No mundo de Jeca Tatu hoje

Vinte e cinco anos depois da morte de Mazzaropi (1912-1980), o diretor Luiz Alberto Pereira e a roteirista Rosa Nepomuceno fizeram uma homenagem ao ator e produtor que personificou o caipira, ao produzir o filme Tapete Vermelho (2006), atualmente disponível em DVD.

Leia este artigo

Vertentes do Português Rural do Estado da Bahia

Formado por correntes migratórias de diversas origens – voluntárias ou não –, o português falado nas diferentes regiões do Brasil apresenta traços dessas influências – línguas africanas, europeias e indígenas. O site do Projeto Vertentes do Português Rural do Estado da Bahia apresenta aos internautas a metodologia para a pesquisa dessas influências no vernáculo. Iniciado em 2004, a equipe do projeto, liderada pelo professor Dante Lucchesi (UFBA), entrevistou moradores de seis cidades baianas (quatro na primeira fase e duas na segunda) para recolher amostras da fala de moradores da zona rural e urbana dos municípios. Esse material foi cotejado com o do projeto anterior – Vestígios, que pesquisou a língua vernácula de moradores de antigos quilombos na Bahia e no Piauí. Ao explicar como seu trabalho foi realizado, a equipe do Vertentes, propositalmente ou não, fornece a professores de língua portuguesa a possibilidade de produzir trabalhos semelhantes em outras regiões do Brasil. No site, as informações sobre a metodologia do projeto se encontram dispersas em links dentro de subáreas. De longe, o melhor lugar para os interessados em realizar pesquisas semelhantes começarem sua visita é em Fundamentos, dentro de Projeto. No texto há links para outros artigos que revelam a “caixa de ferramentas” dos pesquisadores. Na ordem de apresentação na subárea, recomenda-se a leitura primeiro de “O paradoxo do observador”. Nesse texto, os autores tratam da fundamentação da entrevista, passando por formas de realizar a entrada na comunidade e cuidados com os entrevistados. Outro texto metodológico importante intitula-se “Chave de transcrição”. Nele, encontram-se os padrões que orientaram a transcrição das entrevistas. Ainda dentro de Fundamentos, há dois links que tratam das transformações pelas quais passa a língua no Brasil. O primeiro é para o artigo “As duas grandes vertentes da história sociolinguística do Brasil”, em que Lucchesi discorre sobre a bipolarização usualmente aceita entre a norma culta e o vernáculo popular e as alterações ocorridas desde fins do século XIX, a fim de ter compreensão do processo de transmissão irregular da língua no país. Esse processo é o objeto do texto “O conceito de transmissão irregular”. Ainda na mesma seção, é interessante conferir o texto “A sociolinguística variacionista: fundamentos teóricos e metodológicos”. O site do Projeto Vertentes é recomendado a professores de português interessados tanto em conhecer melhor o vernáculo (mesmo o de uma região específica) como em métodos em usados para pesquisá-lo. Quem sabe não é possível reproduzir, de forma limitada, essa experiência como ponto de partida para discutir as diferentes formas com que a língua se apresenta, em cada região ou em cada grupo?

Leia este artigo

Fazer ou não fazer greve? it’s a question

Fui chamada para uma reunião às pressas no auditório da escola. Eu já imaginava o que me esperava. Deixei os alunos no laboratório de informática com os monitores e me dirigi para lá. No caminho encontro alguns professores andando apressados.

Leia este artigo

Novo gel muda de cor a pedido

Massachusetts Institute of  Technology

Leia este artigo

Educação e pandemia

Educação e pandemia

Artigos publicados na revista Educação Pública sobre a pandemia

Acesse aqui

Pandemia e Educação na imprensa

26/10 Educadora defende a inclusão da aprendizagem colaborativa na formação escolar

Leia aqui


15/09 Precursor e de contribuição "incomparável": como acadêmicos estrangeiros enxergam Paulo Freire

Leia aqui


31/08 Entre as principais medidas para enfrentar a crise, escolas disponibilizaram materiais pedagógicos impressos, e criaram grupos em aplicativos e redes sociais para facilitar a comunicação

Leia aqui

Seção Divulgação Científica

Pesquise em nossa biblioteca

Prezada autora, prezado autor, ao selecionar o material de consulta para seu trabalho, sugerimos que faça buscas também em artigos publicados na revista Educação Pública, que possui um sistema de busca sofisticado que facilitará a sua pesquisa. A citação dos artigos da revista Educação Pública certamente irá valorizar a sua publicação, a de seus colegas e a própria revista.

Citação

"É melhor construir salas de aula para o Menino do que celas e patíbulos para o Homem."
Eliza Cook (12/1818 – 09/1889)

Educadores e Educadoras

Célestin Freinet

"A democracia de amanhã se prepara na democracia da escola."

Twitter da revista

Siga-nos no Twitter @educacaopublica

Veja também

Fundação Cecierj


Diretoria de Extensão


Revista EaD em foco