Edição V. 8, Ed. 17 - 13/05/2008

PROVAVELMENTE DEUS NÃO É AFRICANO

A África ocupou mais da metade do tempo da última reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, na terceira semana do mês de abril de 2008. Na pauta: o impasse nas eleições presidenciais do Zimbábue e as crises políticas da República Democrática do Congo e do Quênia, além dos conflitos armados na Somália e em Darfur, no Sudão. Isso traz de volta a imagem de um continente inviável, com “Estados falidos”, “guerras civis” e “genocídios tribais”, com apenas 1% do PIB mundial, 2% das transações comerciais globais e menos de 2% do investimento direto estrangeiro dos últimos anos.

Leia este artigo

Nós, o povo, com o objetivo de formar uma união mais perfeita

Este foi o discurso do senador sobre a questão racial, feito na Filadélfia, falando um tema que vem sendo exaustivamente abordado em sua campanha à candidatura presidencial democrata nos Estados Unidos.

Leia este artigo

Educação pública é coisa séria

Enquanto se vê em todos os estados a atuação brilhante, ampla, total, irrestrita e determinada do Ministério Público, com quase todos os governos sofrendo o crivo de ações investigativas com rigor e transparência, podemos dizer que em São Paulo, por exemplo, falta uma área do Ministério Público afeta aos direitos humanos dos professores públicos.

Leia este artigo

A África e a escravidão em versos

Depois de tanto ouvir sua mãe contar histórias infantis, Conceição Evaristo concluiu seu Curso Normal em Belo Horizonte. Mas somente no Rio de Janeiro, classificada em concurso, conseguiu ser professora: as famílias de BH só a queriam como cozinheira. Também na Cidade Maravilhosa, passou no vestibular para Letras na UFRJ; lá, descobriu a literatura afro-brasileira. Em 1990 começou a publicar suas poesias nos Cadernos Negros, de São Paulo. Mais tarde vieram o mestrado na PUC-Rio e o doutorado em Literatura Comparada, na UFF, sempre tratando de temas referentes a mulheres, África e negritude.

Leia este artigo

A virada da linguagem

Um dia, Jenne, uma jovem alemã que morou um ano em Natal, me perguntou: “por que as pessoas no Brasil não cumprem o que prometem?”. No começo eu não entendi, mas com um pouco de esforço consegui compreender o que a afligia: a linguagem. Ela não tinha compreendido que, no Brasil (ao menos no Nordeste), as pessoas falam algumas vezes com um discurso subliminar. Quando uma amiga na escola dizia: “Ah! Que legal! Vamos ver se a gente marca para sair no final de semana. Eu ligo para você”, ela entendia a ultima sentença “eu ligo para você” como um alemão entenderia; ou seja, como uma promessa, um compromisso. Jenne perdeu muitos sábados esperando as ligações das amigas, que prometiam as coisas e não cumpriam. Até que eu consegui explicar a ela que quando uma garota de dezesseis anos no Brasil diz, naquele contexto, “eu ligo para você” ela está querendo dizer “olha, você é legal e é muito provável que sejamos amigas. Eu estou, inclusive, aberta para que a gente se aproxime mais”.

Leia este artigo

Superinteressante

Tem dias em que a curiosidade parece o incisivo canto de uma cigarra na folha verde do pé de fícus da varanda. Navegamos a esmo pela rede na tentativa de aplacar tantas perguntas que se multiplicam, enquanto lá fora o canto contínuo são cócegas a mais nestes nossos porquês. Esse flanar moderno pelos sites da Internet pode ser enfadonho e até mesmo perigoso, como mostrou uma reportagem recente. Entretanto, se voltarmos os olhos para as flores do bem, temos à disposição infindáveis opções não só para aplacar mas, melhor ainda, para ampliar nosso repertório de porquês.

Leia este artigo

I Colóquio Faetec de Professores Pesquisadores

Estão abertas também chamadas para submissão de proposta de mesa redonda e para coordenador de vídeo pôster (24) e coordenador de comunicação oral (24), nas seguintes áreas de conhecimento: Ciências Exatas e da Terra; Ciências Biológicas; Engenharias; Ciências da Saúde; Ciências Agrárias; Ciências Sociais Aplicadas; Ciências Humanas; Linguística, Letras e Artes.

O prazo de inscrição é até 31 de março, por meio do site: www.coloquiofaetec.com.br

Educação e pandemia

Educação e pandemia

Artigos publicados na revista Educação Pública sobre a pandemia

Acesse aqui

Educação: Tem o poder de transformar

O Centro de Estudos “O bem viver e a resiliência dos povos indígenas no cuidado com a Amazônia" recebeu os representantes dos povos indígenas
- Iolanda Pereira da Silva, do Povo Macuxi;
- Michel Oliveira Baré Tikuna, do Povo Baré e Tikuna;
- e o procurador da República Marco Antônio Delfino de Almeida;
- e o coordenador do Programa Rio Negro do Instituto Socioambiental, Marcos Wesley de Oliveira.

Veja o video

Citação

"É melhor construir salas de aula para o Menino do que celas e patíbulos para o Homem."
Eliza Cook (12/1818 – 09/1889)

Educadores e Educadoras

Magda Soares

"Para a criança, a complexa aprendizagem da língua escrita deve acompanhar seu desenvolvimento cognitivo, linguístico e mesmo motor, para a manipulação dos instrumentos e suportes da escrita."

Twitter da revista

Siga-nos no Twitter @educacaopublica

Veja também

Fundação Cecierj


Diretoria de Extensão


Revista EaD em foco