Edição V. 9, Ed. 41 - 03/11/2009

Poemas selecionados

Brincar com sons Juntar letras Formar palavras Descobrir a sonoridade e o nome de tudo Que está no mundo nas coisas no pensamento.

Leia este artigo

Detetives do passado

Um grupo de professores e pesquisadores do Núcleo de Documentação, História e Memória da Escola de História da UNIRIO criou este site, que propõe oficinas para levar os estudantes a investigar aspectos do passado curiosos ou pouco abordados.

Leia este artigo

Sobre o marxismo e o acesso à universidade

O modo problemático como a história do Ocidente lidou com o pensamento pode mostrar suas consequências em diversos aspectos; dentre eles, o modo de compreender a organização da sociedade moderna e as suas propostas educacionais. O filósofo Karl Marx (1818-1883) foi um exemplo importante no que se refere à crítica à história do pensamento ocidental, acusando-o de se utilizar de abstrações e conceitos universalizantes para compreender a realidade humana, mas sem levar em consideração as peculiaridades históricas, concretas e materiais dos indivíduos abarcados pelo abstrato conceito de “humanidade”. No caso de Marx, tratava-se de uma crítica à ideologia, a qual poderia ser compreendida como um discurso mais ou menos destituído de validade objetiva mas que, mesmo assim, seria mantido por conta dos interesses claros ou ocultos daqueles que o utilizam. Um exemplo disso se mostra na concepção dos direitos humanos, em que se diz que todos os seres humanos são livres. Ao se pensar em sua aplicação econômica no liberalismo, por exemplo, em que todos são livres para produzir e conquistar, por meio do próprio trabalho, suas riquezas e bens, a incompatibilidade entre a realidade e o pensamento se torna patente. Seguindo a crítica de Marx, a afirmação de que todos os seres humanos são livres teria um caráter ideológico na medida em que não houvesse também as mesmas possibilidades de autorrealização dos indivíduos. Isso pode nos auxiliar a compreender algumas das motivações de diretórios estudantis pelas universidades do Brasil, que lutam pelo fim dos vestibulares, pois a proposta do vestibular seria uma evidência desse caráter de discurso ideológico, porque, ao se pressupor que a todos é dada a mesma chance para ingressar na universidade, a partir da neutralidade da aplicação de uma única e mesma prova, oculta-se a desigualdade presente nesse processo, que é a desigualdade de oportunidades educacionais que os vestibulandos tiveram para poder estar mais ou menos bem preparados para as provas do vestibular. Ou seja, trata-se das discrepâncias quanto ao acesso à educação básica, pois, se se estabelece um processo seletivo para o ingresso à universidade, naturalmente aqueles que estão mais bem preparados terão maiores chances, e este melhor preparo não depende somente do nível do esforço pessoal (como pressupõe a doutrina liberal), mas também das oportunidades de acesso a um ensino de qualidade, que, na realidade de nosso país, em que o ensino público básico apresenta tantos graves problemas, tem a ver diretamente com discrepâncias de cunho social. Ou seja, as escolas particulares (em geral) têm qualidade de ensino superior à das escolas públicas, de modo que o vestibular acaba por proporcionar vantagens àqueles economicamente favorecidos, auxiliando a perpetuar a história da universidade como espaço elitizado e sem relações mais diretas com a sociedade.

Leia este artigo

Aluno "miolo mole" e professor "cabeça dura"

Não pode existir combinação pior do que a falta de juízo com a teimosia. As ideias travam e os resultados ruins aparecem. Nada relevante se divide, a oportunidade de crescer é subtraída e, infelizmente, multiplicam-se os problemas relacionados à ausência do saber. É perda para todo lado. O estudante não deslancha, o mestre não cumpre o seu papel e a sociedade sofre.

Leia este artigo

O primeiro disco

Reza a lenda que o primeiro sujeito a tocar jazz morreu isolado, internado em um hospício, com um sombrio diagnóstico de demência precoce. Buddy Bolden bebia muito. Em 1907, enquanto animava as noites de Storyville, bairro boêmio de Nova Orleans, teve um surto de psicose alcoólica que parece ter de algum modo lançado sua carreira ladeira abaixo na escalada rumo à demência e ao ostracismo.

Leia este artigo

A importância dos trabalhos em grupo na escola

Agora com uma filha pequena, minhas leituras adultas foram deixadas um pouco de lado, substituídas pelas historinhas, músicas e filmes infantis. E não é que muitos desses meios têm ótimas frases, que são verdadeiras joias de sabedoria? A peça Os Saltimbancos é um bom exemplo disso. Trata-se de um musical de Sergio Bardotti e Luis Enríquez Bacalov, inspirado no conto Os Músicos de Bremen, dos Irmãos Grimm, com versão em português de Chico Buarque.

Leia este artigo

Educação e pandemia

Educação e pandemia

Artigos publicados na revista Educação Pública sobre a pandemia

Acesse aqui

Atenção: Submissão de artigos

Prezados autores, prezadas autoras,
estamos realizando uma atualização de nosso sistema editorial. Por isso, a revista Educação Pública não estará temporariamente recebendo novos trabalhos para publicação. Vale ressaltar que os artigos já recebidos estão em processo de avaliação e, se selecionados, serão publicados.

Quando o sistema voltar a funcionar normalmente - o que esperamos que aconteça muito em breve - retomaremos o processo de submissão de novos trabalhos que tratem de temas ou relatem experiências relevantes para a Educação Básica no Brasil.

14/10 a 18/12 | Festival do Filme Científico

De 14 de outubro a 18 de dezembro, o Brasil recebe a segunda edição do Science Film Festival, festival de cinema dedicado à promoção da ciência e da educação científica por meio do audiovisual. O tema deste ano é sustentabilidade e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) – a seleção de filmes voltados a professores, estudantes e público geral aborda questões que duramente afetam o planeta hoje, como mudanças climáticas, biodiversidade, inovação e tecnologia, energias limpas, entre outras. No Brasil, a mostra traz 14 vídeos de países como Tailândia, Alemanha, Chile e Canadá, todos dublados ou legendados para o português brasileiro, destinados a crianças e adolescentes.

site do evento

17 a 20/11 | XI Encontro Nacional Perspectivas do Ensino de História

Educação: Tem o poder de transformar

O Centro de Estudos “O bem viver e a resiliência dos povos indígenas no cuidado com a Amazônia" recebeu os representantes dos povos indígenas
- Iolanda Pereira da Silva, do Povo Macuxi;
- Michel Oliveira Baré Tikuna, do Povo Baré e Tikuna;
- e o procurador da República Marco Antônio Delfino de Almeida;
- e o coordenador do Programa Rio Negro do Instituto Socioambiental, Marcos Wesley de Oliveira.

Veja o video

Caminho para a liberdade

"A educação é o ponto em que decidimos se amamos o mundo o bastante para assumirmos a responsabilidade por ele."
Hannah Arendt (1906-1975).

Educadores brasileiros

Dermeval Saviani

"A educação é uma atividade que supõe a heterogeneidade no ponto de partida e a homogeneidade no ponto de chegada."

Twitter da revista

Siga-nos no Twitter @educacaopublica

Veja também

Fundação Cecierj


Diretoria de Extensão


Revista EaD em foco