Edição V. 11, Ed. 28 - 19/07/2011

Chico de (terno) novo

Gostaria que o leitor me ajudasse na construção deste texto. São dois favores que peço, na verdade. Primeiro, que lembre da imagem de João Gilberto, o dito pai da Bossa Nova, em um de seus shows. Lembra que ele está sempre de terno e gravata, parecendo dizer que o samba merece um certo formalismo? Pois bem, guarde essa imagem em um canto mais acessível da memória. O segundo favor é que ouça os três últimos discos de Chico Buarque. Não chega a ser um favor, e eu considero mesmo um prazer. Não sou da turma que considera Chico decadente. Aliás, peço esses obséquios ao leitor justamente para mostrar que Chico mudou, mas não necessariamente para pior.

Leia este artigo

Dois ouvidos, nenhum fone e eu

Prestes a fazer 35 anos de idade, vejo-me num processo mais intenso de autoanálise e reflexão sobre a minha vida. Se fosse só isso, seria ótimo e eu estaria em ideal evolução como ser humano. Porém em vez de só refletir sobre mim mesma, tenho me deparado com uma considerável intolerância, característica que até então não fazia parte da minha personalidade, não dessa maneira tão exacerbada – assim como os indesejáveis fios de cabelo branco, que nascem fortes como os fios de náilon. Estaria eu me deparando com minha persona ou me livrando dela?

Leia este artigo

Karla e Emiliano

Pois é amiga, você foi embora e eu não tive a menor chance de dar uma última palavra pessoalmente (o telefonema da semana passada não vale!). Sei que o convite já era antigo para conhecer sua nova casa na Barrinha. Você e Emiliano se foram de um golpe só. E só a gente vai se sentindo nessa caminhada. Para onde se caminha enquanto se vive? Juro que não sei. Não sei nem se tem alguma coisa do outro lado. Não sei se nossa finitude é total. Se realmente nos exaurimos na morte. Eu só sei que quanto mais vivemos mais colecionamos perdas. Inevitavelmente. Uma espécie de preço por nos alongarmos por aqui. O camarada vai vivendo e vai juntando tanta coisa, tanta lembrança, tanto cemitério, tanta morte que a própria vida vai se tornando estranha e opaca. Fiquei opaco com a perda de Karla Hansen. Se pudesse me exprimir assim, eu diria que foi uma injustiça que o casal tenha sofrido isso. Uma futura mãe e um futuro pai não tiveram tempo de experimentar o novo momento que se desenhava. O desenho foi desfeito. Subitamente. Estupidamente. Acho que o que estou tentando dizer aqui é que a vida é muito estúpida, sim. A gente se vê obrigado a experimentar certas coisas sem aviso prévio. Tenho que experimentar, daqui pra frente, a perda definitiva de minha melhor amiga. Doçura, alegria, silêncio, sorriso, timidez, ética, respeito pelo outro, tudo isso, que era de Karla, diminui em mim. O bom amigo, esteja ele onde estiver, melhor ainda, o verdadeiro amigo, esteja ele onde estiver, é sempre uma força que pulsa dentro de nós. Perder alguém, e perder de maneira estúpida e absurda, torna as pulsações mais lentas. Ontem experimentei um verdadeiro luto dentro de mim. Eu e Clarissa, minha mulher. Ontem tive muita vontade de poder falar com suas irmãs, de rever Leonardo, Bruno. E de dar um abraço forte e profundo no amigo Telmo, o pai. Não sei o que poderia falar numa hora dessas. O desabafo deste texto tem sentido preciso. É que qualquer pessoa que tenha conhecido razoavelmente Karla não acredita que tudo isso... Vamos ficar por aqui. Não quero fazer literatura. Os místicos de última hora serão sempre melhores do que eu nesse departamento. As autoajudas estão todas aí, vendendo como o diabo gosta. Quero apenas registrar que Emiliano e Karla farão uma enorme falta. Tomara que Guimarães Rosa esteja certo. Encantaram-se.

Leia este artigo

Aproximação entre teorias do currículo e cinema

Considerando o cinema como linguagem artística, torna-se interessante maior aprofundamento em relação às questões referentes às teorias do currículo para pensar o cinema em contexto escolar, mais especificamente em termos curriculares.

Leia este artigo

Estratégias docentes para estimular a aprendizagem significativa

As pesquisas sobre as estruturas e processos cognitivos realizadas entre as décadas de 1960 e 1980 ajudaram de maneira significativa a forjar o marco conceitual das teorias cognitivas contemporâneas. Estas, sustentadas nas teorias de informação, da psicolinguística, na simulação por computador e na inteligência artificial, conduzem a novos conceitos sobre a representação e a natureza do conhecimento e de fenômenos como a memória, a solução de problemas, o significado e a compreensão e produção da linguagem.

Leia este artigo

Proposta pedagógica Waldorf: ali se colhe o que se planta!

O Jardim-Escola Michaelis, situado em Botafogo, na cidade do Rio de Janeiro, é uma das onze escolas no Brasil que seguem a pedagogia Waldorf. Para saber uma pouco mais sobre tal “proposta pedagógica” entrevistamos Denise Rocha Domingues, diretora do Jardim-Escola Michaelis.

Leia este artigo

Educação e pandemia

Educação e pandemia

Artigos publicados na revista Educação Pública sobre a pandemia

Acesse aqui

Atenção: Submissão de artigos

Prezados autores, prezadas autoras,
estamos realizando uma atualização de nosso sistema editorial. Por isso, a revista Educação Pública não estará temporariamente recebendo novos trabalhos para publicação. Vale ressaltar que os artigos já recebidos estão em processo de avaliação e, se selecionados, serão publicados.

Quando o sistema voltar a funcionar normalmente - o que esperamos que aconteça muito em breve - retomaremos o processo de submissão de novos trabalhos que tratem de temas ou relatem experiências relevantes para a Educação Básica no Brasil.

14/10 a 18/12 | Festival do Filme Científico

De 14 de outubro a 18 de dezembro, o Brasil recebe a segunda edição do Science Film Festival, festival de cinema dedicado à promoção da ciência e da educação científica por meio do audiovisual. O tema deste ano é sustentabilidade e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) – a seleção de filmes voltados a professores, estudantes e público geral aborda questões que duramente afetam o planeta hoje, como mudanças climáticas, biodiversidade, inovação e tecnologia, energias limpas, entre outras. No Brasil, a mostra traz 14 vídeos de países como Tailândia, Alemanha, Chile e Canadá, todos dublados ou legendados para o português brasileiro, destinados a crianças e adolescentes.

site do evento

17 a 20/11 | XI Encontro Nacional Perspectivas do Ensino de História

Educação: Tem o poder de transformar

O Centro de Estudos “O bem viver e a resiliência dos povos indígenas no cuidado com a Amazônia" recebeu os representantes dos povos indígenas
- Iolanda Pereira da Silva, do Povo Macuxi;
- Michel Oliveira Baré Tikuna, do Povo Baré e Tikuna;
- e o procurador da República Marco Antônio Delfino de Almeida;
- e o coordenador do Programa Rio Negro do Instituto Socioambiental, Marcos Wesley de Oliveira.

Veja o video

Caminho para a liberdade

"A educação é o ponto em que decidimos se amamos o mundo o bastante para assumirmos a responsabilidade por ele."
Hannah Arendt (1906-1975).

Educadores brasileiros

Dermeval Saviani

"A educação é uma atividade que supõe a heterogeneidade no ponto de partida e a homogeneidade no ponto de chegada."

Twitter da revista

Siga-nos no Twitter @educacaopublica

Veja também

Fundação Cecierj


Diretoria de Extensão


Revista EaD em foco