Edição V. 7, Ed. 20 - 22/05/2007

Menino enquanto brinquedo

O menino olhava mansamente o brinquedo. Com suas pequeninas garras ele o desmontou em pedaços e quanto menor o objeto ficava mais suas garras agitavam-se no ar. Ao término de sua tarefa, com os destroços do objeto esparramados em cada canto de chão, o menino pôs-se a olhar absortamente. Seus olhos andaram de um pedaço a outro, procurando, talvez, algum outro que fosse ainda decomponível. Depois de executado o percurso, sentiu ele uma tristeza intransferível e olhou os espaços vazios entre os fragmentos do brinquedo. Ficou decididamente confuso e, como não entendesse como poderia haver vazados entre as coisas, tentou reunir, com suas belas garrinhas, o lixo do objeto destruído. Tratou de empilhar o máximo que pôde, não sabendo ao certo se desejava recompor alguma imagem inicial do brinquedo ou se era apenas para esquecer que tinha percebido os vazados. Amontoou tudo o mais que pôde, o que não era grande esforço e, de maneira surpreendente, passou os olhos ao redor de si, retendo apenas a estranha experiência do espaço. Na verdade, teve a primeira sensação de desânimo, aquela derrota que, um dia, o faria homem e, o que é pior, destinado sempre ao fracasso.

Leia este artigo

Desconhecida íntima

Certa vez um professor que me deu aulas quando cursava a graduação em Filosofia me encontrou no Centro de Convivência do Campus da UFRN. Era um daqueles poucos dias chuvosos que de vez em quando insistem em quebrar a monotonia da luminosidade e do calor impiedoso, que tornam o clima de Natal tão sedutor para alguns e tão infernal para outros. Por causa da chuva, eu estava parado diante de uns 20 metros de lama que me separavam do meu Ford Fiesta. Pressionava a chave do carro no meu bolso, pensando se seria mais vantajoso atravessar aquela lama debaixo da chuva ou esperar que o céu abrisse um pouco mais. Foi quando o meu antigo professor aproximou-se e me disse: “Olá, Pablo. Como é que vai? Soube que você virou jornalista”. Até aquele dia eu não tinha notado, mas existe algo mal resolvido envolvendo jornalistas e filósofos.

Leia este artigo

Podem os Poderes Emergentes do Sul Tornarem-se Forças Progressivas na Arena Global do Clima?

Por ocasião de recente evento em Berlim - McPlanet.com 2007: Clima de Justiça - , organizado por diversas entidades da sociedade civil alemã, tive a oportunidade de participar de interessantes debates sobre justiça social, mudança climática e crescimento. Na Alemanha, a questão do clima está, literalmente, "esquentando" a agenda pública. Na minha avaliação, porém, a urgência de ação que a questão exige faz com que importantes atores optem por um perigoso pragmatismo. Valores fundamentais, sonhos de uns outros mundos possíveis e fundamentos inegociáveis, bases da força política renovadora dos movimentos sócioambientais nas últimas três a quatro décadas, ficam em segundo plano. Será que é possível ganhar a batalha do clima sem mudar o sistema econômico que destrói tanto o bem comum maior da vida, a atmosfera, como as bases de uma sociedade sustentável, democrática e justa?

Leia este artigo

Magreza, juventude e felicidade: as três moiras da modernidade

Se você é daqueles que ao levar uma cortada no trânsito chega em casa e briga com a esposa; acha que ter uma alimentação saudável é comer sanduíche natural feito com maionese industrializada, ketchup, frango com hormônio e milho enlatado; e pensa que combater os radicais livres é ir contra as ideias de Heloísa Helena ou do pessoal do PSTU, realmente está na hora de rever seus conceitos comportamentais, alimentares e salutares.

Leia este artigo

Por que informatizar a escola?

Os autores de ficção-científica sempre tentaram imaginar como seria a sociedade do futuro com base em suas percepções das possibilidades de seu presente. Volta e meia lembro-me de um repórter que, num dos contos de Isaac Asimov, usava um taquígrafo de bolso em suas entrevistas.

Leia este artigo

Educação e pandemia

Educação e pandemia

Artigos publicados na revista Educação Pública sobre a pandemia

Acesse aqui

Pandemia e Educação na imprensa

26/10 Educadora defende a inclusão da aprendizagem colaborativa na formação escolar

Leia aqui


15/09 Precursor e de contribuição "incomparável": como acadêmicos estrangeiros enxergam Paulo Freire

Leia aqui


31/08 Entre as principais medidas para enfrentar a crise, escolas disponibilizaram materiais pedagógicos impressos, e criaram grupos em aplicativos e redes sociais para facilitar a comunicação

Leia aqui

Seção Divulgação Científica

Pesquise em nossa biblioteca

Prezada autora, prezado autor, ao selecionar o material de consulta para seu trabalho, sugerimos que faça buscas também em artigos publicados na revista Educação Pública, que possui um sistema de busca sofisticado que facilitará a sua pesquisa. A citação dos artigos da revista Educação Pública certamente irá valorizar a sua publicação, a de seus colegas e a própria revista.

Citação

"É melhor construir salas de aula para o Menino do que celas e patíbulos para o Homem."
Eliza Cook (12/1818 – 09/1889)

Educadores e Educadoras

Célestin Freinet

"A democracia de amanhã se prepara na democracia da escola."

Twitter da revista

Siga-nos no Twitter @educacaopublica

Veja também

Fundação Cecierj


Diretoria de Extensão


Revista EaD em foco