Edição V. 8, Ed. 39 - 14/10/2008

Até nunca mais por enquanto (ou duas Cecílias)

Até nunca mais por enquanto, livro de Luís Antônio Giron, coloca o leitor frente a frente com 20 pesadelos – contos pungentes, aparentemente enredados por acontecimentos gratuitos e vertiginosos. Digo aparentemente porque a coerência com que são montados os contos faz com que o leitor tente seguir uma suposta trilha (mil vezes interrompida, totalmente obstaculizada e não poucas vezes apagada), brincando de esconde-esconde com as palavras e os sentidos outros, não-ditos.

Leia este artigo

A mais maleável das coisas

O jogo da morte é o nome do último filme de Bruce Lee. Ele o deixou incompleto: morreu antes de finalizá-lo. Lee tinha hipersensibilidade ao Equagesic (um anestésico composto à base de meprobamate e aspirina). Em 1978, o filme foi concluído com a ajuda de um dublê.

Leia este artigo

O autor na fotografia contemporânea: entre a subjetividade e o referente

A interseção entre a fotografia e a arte, a partir dos anos 1950, coincide com uma revisão da condição do artista como autor e dos limites da obra como resultado de uma criação subjetiva. A possibilidade de desenvolver essa questão levou-nos a um desvio em direção aos modos de circulação e fruição das obras. O desvio ocorre pela própria dificuldade em se definir o "fotográfico", seja em relação à sua pureza ou ao alargamento de seu campo, através das diversas contaminações com outras técnicas de produção e de apresentação dos discursos. Nesse caso, podemos questionar se o encontro mais explícito da fotografia com a arte, a partir da segunda metade do século XX, seria o prenúncio de uma "fotografia expandida", que passa a se configurar mais nitidamente na atualidade, quando se difundem diversas tecnologias e modos de manipulação e de circulação das imagens. Ou, talvez, o próprio termo "expandido" já pressuporia um limite que obstrui a potência da obra, erigindo uma oposição que já não tem mais relevância na medida em que a própria materialidade do objeto artístico é questionada. Preferimos nos desviar dessas considerações a fim de pensar a obra como um acontecimento, um composto de forças que cada um irá construir com as ferramentas que mais lhe convier. Assim, voltamos nossa observação para o modo como essas imagens circulam e o uso que se faz delas. Afastamo-nos do ato fotográfico como momento enfático da criação e nos encontramos com o modo como a função autor irá incidir na experiência da obra.

Leia este artigo

Todoprosa

Desta vez, elegemos um blog como site da vez: o Todoprosa. No ar há quase três anos, hospedado no Último segundo, do iG, reúne textos sobre linguagem, literatura e política, escritos pelo jornalista Sérgio Rodrigues.

Leia este artigo

Passeio profissional

Como um antigo colega disse um dia, "Mexe comigo, mas não mexe com meu filho".

Leia este artigo

Seção Divulgação Científica

Educação e pandemia

Educação e pandemia

Artigos publicados na revista Educação Pública sobre a pandemia

Acesse aqui

Pandemia e Educação na imprensa

11/02 WhatsApp em sala de aula? Saiba como a ferramenta pode apoiar o ensino

Leia aqui


13/12 Lições para promover uma revolução na educação pública brasileira

Leia aqui


26/10 Educadora defende a inclusão da aprendizagem colaborativa na formação escolar

Leia aqui

Pesquise em nossa biblioteca

Prezada autora, prezado autor, ao selecionar o material de consulta para seu trabalho, sugerimos que faça buscas também em artigos publicados na revista Educação Pública, que possui um sistema de busca sofisticado que facilitará a sua pesquisa. A citação dos artigos da revista Educação Pública certamente irá valorizar a sua publicação, a de seus colegas e a própria revista.

Citação

"É melhor construir salas de aula para o Menino do que celas e patíbulos para o Homem."
Eliza Cook (12/1818 – 09/1889)

Educadores e Educadoras

Célestin Freinet

"A democracia de amanhã se prepara na democracia da escola."

Twitter da revista

Siga-nos no Twitter @educacaopublica

Veja também

Fundação Cecierj


Diretoria de Extensão


Revista EaD em foco