Edição V. 10, Ed. 20 - 01/06/2010

A globalização e os idiomas

Por mais que não se queria entrar na intimidade alheia, depois do advento do celular isso se tornou um tanto difícil, principalmente para quem não é eremita, misantropo ou surdo. Basta circular pelas ruas, frequentar restaurantes, andar de elevador, ou estar em qualquer espaço público para “ficar por dentro” involuntariamente da vida daquela pessoa que está ao seu lado e que você nunca viu antes (e provavelmente nunca mais verá). Para os usuários de transportes coletivos, como eu, o único jeito de escapar do blábláblá imposto pela vizinhança é refugiar-se no i-pod ou concentrar-se em uma leitura para lá de interessante. A primeira opção não uso por motivos de segurança; a segunda, porque me causa tonteira. Mas se antes ficava irritada com a indiscrição das pessoas que, aos berros, davam detalhes da noite anterior, do caráter duvidoso da colega de trabalho ou da doença da mãe, relaxei: é algo que não tem como controlar, só me resta aceitar. Foi assim que, à minha própria revelia, comecei a deleitar-me com os fiapos de conversa dos indiscretos que não estão nem aí para quem está ao seu redor. Legal também é que, pelo o que a pessoa fala, a gente pode brincar de adivinhar a profissão, o estado civil, o time, a religião, as preferências políticas, sexuais... Torna-se uma espécie de jogo. À primeira vista, o último papo que escutei não tinha nada de interessante: nem drama mexicano, nem romance arrebatador. Era simplesmente uma supervisora, gerente ou algo assim que dava ordens a uma subordinada. Apesar do conteúdo pouco estimulante, chamou-me a atenção não o que foi dito, mas sim o modo como foi dito. Comecei a pensar na diversidade existente em nossa língua, o modo como ela é usada de acordo com a classe social, a profissão, a tribo e a idade do falante, entre tantas outras variantes. Pelo que pude “pescar”, a moça trabalhava em uma empresa de medicamentos e, dentre as várias funções que exercia, coordenava uma equipe que montava stands para divulgação dos produtos em feiras especializadas.

Leia este artigo

Cidadania, democracia e Estado

Na conjuntura eleitoral, que se abre com a definição das candidaturas para a Presidência da República, começa a emergir com grande força o tema do papel do Estado entre nós. Avalio que a importância do tema crescerá na medida em que a campanha eleitoral avance, tornando-se assim uma questão central nas opções que cabem à cidadania fazer pelo seu decisivo voto em outubro próximo. Aliás, esta vem sendo a grande questão na onda democratizadora que levou ao esgotamento da ditadura militar e à constituição de governos civis, da Nova República com Sarney até o Governo Lula. Vale a pena mergulhar mais fundo neste debate e avaliar o que, afinal, está em jogo.

Leia este artigo

Uma crônica em português

Pela janela do flete observo a rua. Pessoas andando pelas calçadas. Carros com frenéticos motoristas em pleno horário de ruche. Num autedor, um leiaute de escritório bem funcional. Escrivaninhas com desquetopes embutidos, armários e tudo o mais. É o pessoal do márquetim atacando para valer.

Leia este artigo

Filmes animados - modo fácil de fazer

“Uma ideia na cabeça e uma câmera na mão.” O mote de Glauber Rocha se tornou palavra de ordem para gerações de diretores brasileiros, que até hoje sofrem com capacitação de recursos e ideias que só podem se realizar por meios alternativos. A máquina digital, hoje, é apontada como um meio barato de fazer cinema, mas, como a tecnologia anda mais rápido do que costumava andar, talvez já exista algo mais funcional e mais barato quando este texto for publicado. De qualquer forma, ter uma câmera no tripé, um computador com os softwares certos, uma cartolina na mesa e um monte de massa de modelar nas mãos já nos deixa habilitados a contar uma história animada. História com movimento, que é o cinema.

Leia este artigo

Festa de papel - os festivais literários

Os alunos da Universidade Federal de Ouro Preto se espalham pelas almofadas, deitados em frente ao palco do Cine Vila Rica. A primeira impressão é de que acadêmicos e o público com mais de 30 escolheram as poltronas confortáveis do cinema. Mas não, aos poucos podemos ver professores e organizadores deitados também nas almofadas. E, no palco, José Miguel Wisnik falava sobre a morte (ou não) da canção, com o auxílio luxuoso e fundamental de Arthur Nestrovski. Era o encerramento da quinta edição do Fórum das Letras de Ouro Preto, organizado pela heroína Guiomar de Grammont, umas das componentes da dança formada pela plateia, ao final da palestra de Wisnik e ao som de sua música. Aquela dança era a confirmação de que um encontro literário pode ser uma festa tão animada quanto qualquer outra, com a vantagem de se ter discutido e ouvido arte em forma de poemas, narrativas e histórias.

Leia este artigo

Site de dicas

Este site da vez traz tanta coisa que só fuçando muito para ficar por dentro de todo o conteúdo. Trata-se de uma reunião de sites sobre Escola, informática, educação, crianças... Aliás, é este o nome que aparece no alto da página inicial. O nome do site, porém, é Dicas para Pais e Educadores – dicas de Educação infantil e Informática.

Leia este artigo

Educação e pandemia

Educação e pandemia

Artigos publicados na revista Educação Pública sobre a pandemia

Acesse aqui

Pesquise em nossa biblioteca

Prezada autora, prezado autor, ao selecionar o material de consulta para seu trabalho, sugerimos que faça buscas também em artigos publicados na revista Educação Pública, que possui um sistema de busca sofisticado que facilitará a sua pesquisa. A citação dos artigos da revista Educação Pública certamente irá valorizar a sua publicação, a de seus colegas e a própria revista.

Educação: Tem o poder de transformar

O Centro de Estudos “O bem viver e a resiliência dos povos indígenas no cuidado com a Amazônia" recebeu os representantes dos povos indígenas
- Iolanda Pereira da Silva, do Povo Macuxi;
- Michel Oliveira Baré Tikuna, do Povo Baré e Tikuna;
- e o procurador da República Marco Antônio Delfino de Almeida;
- e o coordenador do Programa Rio Negro do Instituto Socioambiental, Marcos Wesley de Oliveira.

Veja o video

Citação

"É melhor construir salas de aula para o Menino do que celas e patíbulos para o Homem."
Eliza Cook (12/1818 – 09/1889)

Educadores e Educadoras

Magda Soares

"Para a criança, a complexa aprendizagem da língua escrita deve acompanhar seu desenvolvimento cognitivo, linguístico e mesmo motor, para a manipulação dos instrumentos e suportes da escrita."

Twitter da revista

Siga-nos no Twitter @educacaopublica

Veja também

Fundação Cecierj


Diretoria de Extensão


Revista EaD em foco