Edição V. 8, Ed. 5 - 12/02/2008

Biblioteca Virtual de Educação

Voltada para pesquisadores, estudiosos, professores, universitários, pós-graduandos e alunos de todas as séries escolares, a Biblioteca Virtual de Educação (BVE) é uma ferramenta de pesquisa de sites educacionais do Brasil e do exterior. É uma iniciativa do INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, ligado ao Ministério da Educação.

Leia este artigo

Um abismo na formação escolar de brancos e negros no Brasil

A primeira versão do Relatório das Desigualdades Raciais no Brasil, um estudo do Laboratório de Análises Econômicas, Históricas, Sociais e Estatísticas das Relações Sociais (Laeser) do Instituto de Economia da UFRJ, comprova que há uma imensa desigualdade no processo escolar entre brancos e negros no Brasil - e não só nos índices de escolarização: a escola, os professores e os livros didáticos, como são apresentados hoje, mais reproduzem do que combatem a desigualdade e os preconceitos.

Leia este artigo

Instalação

Realmente necessário, quase nada. Necessário é um compromisso inadiável, chegar mais perto das horas, quase respirar minutos, quem sabe, lamber os instantes. O que urge urge porque decidimos que urgisse. Urgir é coisa feia, vocábulo intransigente, coisa de início. E início, a gente agora sabe bem, é coisa que não existe. Começo é falácia. Ur é uma mentira das boas, enganou muita gente. Culturas se montaram assim. E continuam se montando (antes que me esqueça, feliz 2008! Feliz 2009 e o que se seguir...). Ur disso, Ur daquilo... ur-gente e gente foi achando que ia se limpando. Povos vivendo no ur. Uma higiene do pensamento. Arre! Com os diabos, isso de princípio! Melhor seria que nada urgisse mais. Apenas surgisse, se as palavras não fossem tão fáceis. Rimas dão enjoo. Náuseas dataram-se há décadas, quem sabe baudelarianas demais, se assim o quiserem. E quem quer algo? Vê-se gente fazendo, se mexendo, comprando, vendendo, se debatendo, agora querendo é que não vejo. Facilidade se faz de tantas maneiras que o homem quase desiste. Mas, vício de antanho, ele nunca deixa que desista. Segura o instante, mostra-o a si e aos demais enquanto supostamente (necessário) urge a necessidade por ele, atravessando-o de tal forma que ele sente o ímpeto. Mas ímpeto de quê? Empuxo, violência, arrancões, tudo mecânica. Ave Descartes. Ninguém te aguenta mais. Deixa o Bill desempregar-se. A mídia afirma que ele vai filantropizar-se em seguida. Gatetropias à parte, necessário mesmo era o silêncio. Mas silêncio não é decisão. Ninguém decide pelo silêncio. Não é necessário. Faz-se, ou deveria. E sobram as vozes. Vozes? Isto de ruído e barulho e decibéis... é coisa farta. Haja funk. Haja periferia de nós mesmos, nesta exclusão física que se tornaram as urbes. Sem silêncio fica impossível prosseguir. Direção? Pressupõe um priori. Danou-se tudo. Com a morte de Deus, matou-se junto o diabo. Sem telos. Este texto não é mais necessário. Livra-te dele. Mas não jogue fora o silêncio:

Leia este artigo

O ciúme e a chapa fotográfica: como não acreditar nisso?

O ciúme, seja para o ciumento, seja para o observador externo da relação ciumenta, expressa-se através de um discurso que se estrutura segundo regras que buscam convencer o ciumento de que ele está sendo traído, embora seu desejo seja de negar . Na literatura, como é o caso de Dom Casmurro, o ciúme se constitui como dúvida, em traduções confusas de metáforas ou mesmo numa prova quase fotográfica. Sob esse ponto de vista, a narrativa de Machado de Assis desenvolve-se em duas camadas, ambas estruturadas segundo uma estratégia de convencimento baseada no double bind (um duplo vínculo).

Leia este artigo

Matemática e literatura

Uma das principais etapas na resolução de um problema de matemática está na correta interpretação do seu enunciado. Nesse processo, o hábito da leitura de jornais, revistas, histórias em quadrinhos e livros em geral ajuda a desenvolver o raciocínio lógico, a intuição, a criatividade e a concentração exigida num desafio.

Leia este artigo

A Escola da Ponte: é "desensinando" que se aprende

Ao visitar a Escola da Ponte, em Portugal, o educador Rubem Alves deparou-se com a realização daquilo que sempre havia pensado como ideal de educação. Tal foi o deslumbramento decorrente dessa feliz descoberta que da visita nasceu um livro cujo título deixa claro o que o autor sentiu ao conhecer tal instituição: A escola com que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir.

Leia este artigo

Educação e pandemia

Educação e pandemia

Artigos publicados na revista Educação Pública sobre a pandemia

Acesse aqui

Pandemia e Educação na imprensa

26/10 Educadora defende a inclusão da aprendizagem colaborativa na formação escolar

Leia aqui


15/09 Precursor e de contribuição "incomparável": como acadêmicos estrangeiros enxergam Paulo Freire

Leia aqui


31/08 Entre as principais medidas para enfrentar a crise, escolas disponibilizaram materiais pedagógicos impressos, e criaram grupos em aplicativos e redes sociais para facilitar a comunicação

Leia aqui

Seção Divulgação Científica

Pesquise em nossa biblioteca

Prezada autora, prezado autor, ao selecionar o material de consulta para seu trabalho, sugerimos que faça buscas também em artigos publicados na revista Educação Pública, que possui um sistema de busca sofisticado que facilitará a sua pesquisa. A citação dos artigos da revista Educação Pública certamente irá valorizar a sua publicação, a de seus colegas e a própria revista.

Citação

"É melhor construir salas de aula para o Menino do que celas e patíbulos para o Homem."
Eliza Cook (12/1818 – 09/1889)

Educadores e Educadoras

Célestin Freinet

"A democracia de amanhã se prepara na democracia da escola."

Twitter da revista

Siga-nos no Twitter @educacaopublica

Veja também

Fundação Cecierj


Diretoria de Extensão


Revista EaD em foco