Biblioteca

Filtrar os artigos

Pesquisar na Biblioteca

Selecione uma ou mais opções

Nível de ensino

Selecione uma ou mais opções

Natureza do trabalho

Selecione apenas uma opção

Categoria de Ensino

Selecione uma ou mais opções

Ciências Ambientais

Ciências da Saúde

Ciências Exatas e da Terra

Ciências Humanas

Educação

Letras, Artes e Cultura

Políticas Públicas


Filtros aplicados:

Categoria de Ensino: Avaliação; Educação a Distância; Educação Especial e Inclusiva; Educação Infantil; Formação de Professores; História da Educação; Instituição Escola; Vivências de Sala de Aula
Limpar filtros
A sala virtual como ferramenta de ensino e aprendizagem em Biologia
Biologia e Biociências e Vivências de Sala de Aula

As dificuldades dos alunos em Biologia podem ter relação com o tipo de metodologia utilizada pelo docente. Em tempos de uso constante de novas tecnologias, dispositivos móveis e internet, o professor pode fazer dessas ferramentas novos aliados. Nesse contexto, o uso do ambiente virtual de aprendizagem Google Classroom contribui para o desenvolvimento de metodologias ativas de aprendizagem, além para a construção coletiva e colaborativa do conhecimento. Esse ambiente foi utilizado nas aulas de Biologia em uma turma de 1º ano de Ensino Médio em uma escola estadual da cidade de Formiga/MG. Os resultados mostram que a média das notas da turma sofreu considerável aumento, além de aprovação de 89% dos estudantes. Conclui-se com isso que essa plataforma, com o devido planejamento, pode fazer com que as aulas tornem-se mais dinâmicas, atrativas, contribuindo para a melhoria do desempenho acadêmico dos discentes.

Infância e criança sob o olhar de Cecília Meireles: uma leitura de suas crônicas no Diário de Notícias
História da Educação

Este texto pretende discutir o pensamento de Cecília Meireles sobre os conceitos de infância e criança, baseado em suas crônicas escritas de 1930 a 1933. Assumimos como pressuposto que os conceitos apresentados pela escritora constituem importante fonte de pesquisa para o estudo da história da infância e da criança, no Brasil da primeira metade do século XX. Lançamos mão, para isso, de estudos da Sociologia da Infância.

A construção de maquetes físicas como recurso didático para o ensino de projeto arquitetônico na educação profissional técnica de nível médio
Avaliação, Vivências de Sala de Aula e Outras Mais Específicas

O objetivo deste trabalho é analisar a construção de maquetes físicas de edificações como ferramenta facilitadora do processo de ensino-aprendizagem de projeto arquitetônico em um curso técnico de Edificações na modalidade Integrado ao Ensino Médio de uma escola da rede federal de ensino. Busca-se um melhor aprendizado para os alunos, estimulando sua criatividade e seu interesse pelo conteúdo por meio de uma adequação das aulas, considerando a identificação dos estilos de aprendizagem. Como a construção da maquete favoreceria os estilos preferenciais dos estudantes, definiram-se algumas diretrizes para que os alunos se desenvolvessem em todas as dimensões. Ao final da atividade, parte significativa dos alunos que experimentaram essa abordagem atestou a sensação de ter a compreensão das aulas melhorada em função do desenvolvimento da maquete física e do ensino direcionado, recomendando a atividade para as próximas turmas.

O ensino da produção de textos escritos na Educação Básica: relato de uma prática com o gênero charge
Formação de Professores, Vivências de Sala de Aula e Língua Portuguesa e Literatura

O trabalho com a produção de gêneros discursivos – escritos e multimodais – é extremamente relevante para a formação dos alunos, uma vez que contribui para a ampliação dos seus graus de letramento e de multiletramento. Contudo, antes de iniciar um trabalho de produção de textos, é preciso realizar atividades voltadas a familiarizar os alunos com as características sociocomunicativas do gênero que será produzido.

Políticas para a implementação de tecnologias educacionais na escola pública
Direito, Instituição Escola e Política Educacional

Há algumas décadas vêm sendo feitos esforços para inserir elementos de tecnologia nos processos educacionais. A legislação e as normas emanadas pelo MEC abordam esse assunto e valorizam esse processo de inserção. É preciso que se intensifique esse emprego das tecnologias de informação e comunicação – especialmente na escola pública de todos os níveis.

Psicomotricidade na Educação Infantil: intervenção em turma de Nivel III de Natal/RN
Educação Infantil e Vivências de Sala de Aula

O estudo busca abrir espaço à discussão acerca das contribuições da Psicomotricidade para a Educação Infantil, com ênfase nas dificuldades de aprendizagem. Objetivamos evidenciar as contribuições de atividades psicomotoras pela observação da prática pedagógica com base nos conceitos teórico-metodológicos dessa ciência em uma instituição de ensino infantil da cidade de Natal. Para tanto, buscou-se reunir as principais concepções teóricas de autores renomados da Psicomotricidade, bem como outros grandes nomes referenciados ao desenvolvimento cognitivo, além daqueles que tratam de abordagens metodológicas. Procedendo com uma abordagem metodológica embasada em pesquisa qualitativa com vista à pesquisa de campo, o estudo oportunizou a participação docente através da aplicação de questionário investigativo. Os resultados do estudo conferem à Psicomotricidade a função de orientar o trabalho pedagógico ao estabelecimento de estratégias de aprendizado que tornem o aluno o precursor de seu aprendizado, pela superação de obstáculos cognitivos.

Da ideia à culminância: a importância dos processos pedagógicos
Formação de Professores, Instituição Escola, Vivências de Sala de Aula e Educação Artística

A prática de realização de trabalhos de projetos com apresentações finais festivas não pode prescindir da atenção e cuidado com as diversas etapas de produção e preparação das atividades de culminância, pois é a melhor forma de orientar as ações dos alunos e dar a eles trilhas, e não trilhos para caminhar rumo ao conhecimento.

Reflexões sobre a arte de contar histórias
Vivências de Sala de Aula e Língua Portuguesa e Literatura

Este artigo, fundamentado em pesquisa bibliográfica e prática docente em sala de leitura da Rede Municipal de Ensino de São Paulo, propõe algumas reflexões sobre a arte de contar histórias, levando em conta sua importância histórica e cultural. A despeito da desvalorização da narrativa oral, especialmente diante dos avanços científicos e tecnológicos que dominam a sociedade contemporânea, a palavra permanece como elemento primordial da condição humana. Este trabalho destaca a importância de contar histórias no contexto escolar como estratégia na mediação de leitura literária, contribuindo para a formação de leitores.

Sequência didática em aulas de Língua Inglesa: uma abordagem no 7º ano do Ensino Fundamental
Vivências de Sala de Aula e Outras Mais Específicas

O presente artigo almeja apresentar os pressupostos teóricos que constituem a proposta de sequência didática em meio educacional e sua contribuição em aulas de língua inglesa. Nossos objetivos concentram-se em demonstrar as contribuições significativas da aplicação de novas abordagens metodológicas na promoção do ensino da língua inglesa de forma significativa. Diversos autores tratam da relevância da SD no auxílio à prática pedagógica. Nossa abordagem metodológica lançou mão de pesquisa qualitativa com vistas à investigação de estudo de caso. O estudo é fruto da parceria entre coordenação escolar, docente e discente em prol do melhor desempenho da proposta metodológica.

Inclusão educacional de autistas em escolas militares de Minas Gerais
Educação Especial e Inclusiva e Política Educacional

O Estado brasileiro tem o dever e o compromisso de assegurar a todos os brasileiros o acesso à educação, sendo a educação um direito social. Porém, mesmo com diretrizes específicas, como a instituição da Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista, a inclusão da pessoa autista na educação formal não é observada de forma plena em muitas escolas do país e há poucos estudos sobre a inclusão desses alunos nas escolas militares do país. Este artigo propõe a análise e discussão do processo de inclusão dos alunos autistas das unidades do Colégio Tiradentes da Polícia Militar de Minas Gerais (CTPM). Aplicou-se um questionário com perguntas objetivas sobre essa temática a gestores e professores das unidades da instituição. É conclusivo que há a necessidade de um programa de formação para professores e gestores e investimento em infraestrutura e pessoal para uma equipe multidisciplinar especializada. O artigo contribui para a maturidade do trabalho de inclusão do autista nas escolas militares do estado e do país.