Edição V. 20, Ed. 38 - 06/10/2020

O orientador educacional sob a análise temporal e conceitual da sua prática: contextualizações viabilizadoras do ensino inclusivo e de qualidade

História da Educação e Política Educacional

O presente estudo teve como propósito contextualizar as funções do orientador educacional a partir de dois períodos históricos: décadas de 30 e de 80 do século XX, trazidos pela ótica da educação pública brasileira, por representarem as mudanças conceituais por que passou a prática desse profissional e que demarcaram o (re)direcionamento da composição pedagógico-gerencial e, sobretudo, da construção do conhecimento, por meio da descrição de novos paradigmas educacionais de sua atuação, com ênfase na busca pela qualidade do ensino e inclusão de todos os alunos, indistintamente.

Leia este artigo

O estágio como processo de formação profissional

Formação de Professores

O estágio, como componente curricular obrigatório dos cursos técnicos, bacharelados e licenciaturas, entre outros, possibilita ao estudante a oportunidade de ter contato com a sua futura área de atuação profissional; nele qual o futuro profissional adquire conhecimentos práticos e desenvolve habilidades que serão indispensáveis em seu fazer profissional. Este trabalho apresenta, de forma sucinta, a descrição e análise das atividades desenvolvidas no Estágio III, do curso de licenciatura em História, sendo realizado em uma turma de 3º ano do Ensino Médio, etapa final da Educação Básica. No desenvolvimento deste trabalho, são abordados pontos como a caracterização da instituição onde o estágio foi realizado, o perfil profissional da professora regente, da turma, o projeto de estágio, entre outros, assim como a apresentação e discussão sobre a experiência do estágio.

Leia este artigo

Uma exposição sobre Astrobiologia como recurso didático no Ensino Médio

Astronomia

Desde os primórdios, a humanidade tem mostrado o seu fascínio pelo Universo, buscando desvendar os mistérios das estrelas como forma de compreender a sua própria existência. Neste percurso, finalmente o homem conseguiu chegar à Lua e explorar outros planetas. Não se contentando com o que encontrou no sistema solar, pesquisa hoje planetas localizados além deste sistema, os chamados planetas extrassolares.

Leia este artigo

Jogos e brincadeiras: interação social vivenciada pelos alunos do 6º ano da Escola Municipal Brigadeiro Eduardo Gomes

Vivências de Sala de Aula e Educação Física

O presente trabalho intenciona apresentar um relato de experiência vivenciada na Escola Municipal Brigadeiro Eduardo Gomes que retrata a formulação e aplicação de uma sequência didática sobre importância dos jogos e brincadeiras como forma de interação dentro do seu contexto social vivenciado no cotidiano dos alunos do 6º ano do Ensino Fundamental. Apresentaremos como fundamentação teórica a relevância do respeito às regras durante a vivência dos jogos e para a vida e como eles podem influenciar e contribuir para a interação social desses alunos. Vamos expor ainda os procedimentos usados e os resultados alcançados. Por fim, foi possível perceber que a prática dos jogos traz grandes benefícios para o desenvolvimento educacional desses alunos, estimulando o pensamento e desenvolvendo a criatividade.

Leia este artigo

Adequação curricular e ensino estruturado: trabalho colaborativo entre professores para o desenvolvimento do estudante com TEA

Educação Especial e Inclusiva

Este estudo é resultado da dissertação de mestrado que aborda adequação curricular utilizando elementos do ensino estruturado fundamentado nos princípios do programa TEACCH. A pesquisa partiu de uma questão norteadora: é possível fazer adequações curriculares utilizando os princípios desse programa? Com o questionamento apresentado, delimitou-se como objetivos elaborar uma proposta de adequação curricular com base nos princípios do ensino estruturado na perspectiva do programa para um estudante com TEA, matriculado no terceiro ano do Ensino Fundamental na rede pública de ensino; observar como o professor da sala comum organiza as atividades para o estudante com TEA; verificar se o ensino estruturado abordado no programa pode ser ajustado ao currículo escolar; atuar numa proposta de trabalho colaborativo entre professor do AEE e a professora da sala comum; aumentar a participação do estudante com TEA nas atividades propostas em sala de aula e contribuir com a socialização no grupo. A pesquisa foi desenvolvida com base em uma metodologia comunicativa crítica, provida do diálogo para compreender, interpretar e transformar a realidade vivida pelos próprios participantes da pesquisa. Utilizamos dois instrumentos para coleta de dados: roteiro de entrevista e roteiro de observação. A pesquisa foi desenvolvida na rede pública do Estado de São Paulo tendo como sujeitos um estudante com TEA, a professora da sala comum, a professora do AEE e a mãe do estudante. Os resultados mostraram que é possível adequar conteúdo do currículo escolar utilizando elementos do ensino estruturado sob os princípios do programa TEACCH, que, apoiado no trabalho colaborativo entre professores, contribui com ensino-aprendizagem, favorecendo também a comunicação e a interação do estudante no ambiente escolar.

Leia este artigo

Evocação livre de palavras como instrumento de avaliação diagnóstica

Avaliação

Promover o conhecimento da fauna local e sensibilizar os alunos em relação às espécies ameaçadas de extinção se constitui em um importante papel para a formação do aluno enquanto cidadão. A discussão desse tema na escola amplia o seu espectro, podendo alcançar, além das crianças, os pais e familiares de forma direta.

Leia este artigo

Aprendizagem "dentro e fora da caverna"

Formação de Professores

De novo pensando em aprendizagem. Em tempos de ensino remoto, de novo pensamos em aprendizagem. Na base da discussão, dois setores importantes: família e escola. No meio da discussão, aprendentes em desenvolvimento. Pomo da discórdia: conteúdo. Que pena! Nós estamos no tempo da verdade, da clareza, da potencialidade de conteúdos menos disformes e mais contextualizados. Tempo em que se exige saída da zona de conforto para pensar mais qualidade no processo de ensino-aprendizagem.

Leia este artigo

Oralidade e produção textual na sala de aula: dos conflitos às soluções para uma aprendizagem da nova ortografia da língua portuguesa

Comunicação e Língua Portuguesa e Literatura

Devido à diversidade da língua portuguesa em suas diversas regiões no Brasil, da pouca leitura de livros entre as pessoas da sociedade e, consequentemente, do pouco estímulo dos familiares para com seus filhos, na formação de uma cultura da leitura, é que a língua portuguesa ainda encontra uso incorreto ou incompleto.

Leia este artigo

O Parque Mutirama como espaço não formal e potencializador no processo de ensino-aprendizagem na Educação Básica

Ecologia e Meio Ambiente, Matemática, Educação Infantil, Instituição Escola, Vivências de Sala de Aula, Espaços Urbanos e Política Cultural

Os debates proporcionados durante a disciplina de Ensino de Ciências e Matemática em Espaços Não Formais do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática da Universidade Federal de Goiás foram engajadoras para a investigação acerca das potencialidades do espaço não formal no Parque Mutirama, na cidade de Goiânia-GO. Este artigo tem por objetivo refletir as propostas e possibilidades de atividades pedagogicas que possam ser desenvolvidas em um espaço não formal. Propõe, também, compreender as possibilidades que o espaço pode oferecer ao professor de diversas áreas nas construções de conhecimentos curriculares, pois as proposituras de desenvolver atividades nesse espaço são inúmeras e abarcam a interdisciplinaridade entre diversas disciplinas. O material foi resultado de visitar o parque de diversão, tendo como mediador um funcionário que forneceu informações do espaço e suas especificidades. Nesse viés, a investigação propiciou a visualização do Parque Mutirama como espaço rico em possibilidades que pode oportunizar o professor da Educação Básica desenvolver atividades inter e multidisciplinares com os temas transversais presentes em seu meio. Os resultados mostram que nesse espaço evidenciam-se contribuições significativas no processo de ensino-aprendizagerm dos alunos, permitindo compreender as possibilidades de praticas contextualizadas e problematizadoras, transformando a realidade vivenciada.

Leia este artigo

Educação e pandemia

Educação e pandemia

Artigos publicados na revista Educação Pública sobre a pandemia

Acesse aqui

Pandemia e Educação na imprensa

26/10 Educadora defende a inclusão da aprendizagem colaborativa na formação escolar

Leia aqui


15/09 Precursor e de contribuição "incomparável": como acadêmicos estrangeiros enxergam Paulo Freire

Leia aqui


31/08 Entre as principais medidas para enfrentar a crise, escolas disponibilizaram materiais pedagógicos impressos, e criaram grupos em aplicativos e redes sociais para facilitar a comunicação

Leia aqui

Seção Divulgação Científica

Pesquise em nossa biblioteca

Prezada autora, prezado autor, ao selecionar o material de consulta para seu trabalho, sugerimos que faça buscas também em artigos publicados na revista Educação Pública, que possui um sistema de busca sofisticado que facilitará a sua pesquisa. A citação dos artigos da revista Educação Pública certamente irá valorizar a sua publicação, a de seus colegas e a própria revista.

Citação

"É melhor construir salas de aula para o Menino do que celas e patíbulos para o Homem."
Eliza Cook (12/1818 – 09/1889)

Educadores e Educadoras

Célestin Freinet

"A democracia de amanhã se prepara na democracia da escola."

Twitter da revista

Siga-nos no Twitter @educacaopublica

Veja também

Fundação Cecierj


Diretoria de Extensão


Revista EaD em foco