Biblioteca

Filtrar os artigos

Pesquisar na Biblioteca

Selecione uma ou mais opções

Nível de ensino

Selecione uma ou mais opções

Natureza do trabalho

Selecione apenas uma opção

Categoria de Ensino

Selecione uma ou mais opções

Ciências Ambientais

Ciências da Saúde

Ciências Exatas e da Terra

Ciências Humanas

Educação

Letras, Artes e Cultura

Políticas Públicas


Filtros aplicados:

Categoria de Ensino: Botânica; Ecologia e Meio Ambiente; Oceanografia; Zoologia
Limpar filtros
Uma página por dia - sugestão a um guia espiritual
Ecologia e Meio Ambiente, Nutrição e Alimentos, Física, Filosofia e Política Educacional

Uma carta escrita a um guru indiano procura discutir as relações entre a Ciência e a filosofia, a fé e as experiências, devoção e avanço tecnológico. Apresenta uma proposta para levar o mundo a uma evolução científica vinculada ao autoconhecimento, ao despertar para a Ciência como ferramenta para melhorar o mundo para todos.

Educação Ambiental para a qualidade de vida a partir da utilização e descarte de medicamentos
Ecologia e Meio Ambiente, Saúde e Vivências de Sala de Aula

A Educação Ambiental tem possibilidade de unificar saberes no contexto escolar, contribuindo para a formação de cidadãos críticos e atuantes na preservação do meio ambiente. Este estudo exibe uma discussão sobre a realização de um projeto de Educação Ambiental tendo como tema gerador uso e descarte de medicamentos; o objetivo foi investigar a percepção dos estudantes com uso e descarte de medicamentos e o grau de informação a respeito de suas implicações em relação á saúde pública e/ou ao meio ambiente e assim promover ações que alcançassem a comunidade escolar, a fim de sensibilizar, conscientizar e orientar para o correto destino final. O estudo foi desenvolvido em 2018, com 225 alunos do Colégio Estadual Newton Ferreira da Costa, em Curitiba/PR. Pôde-se concluir que a temática dos medicamentos contribui para a responsabilidade socioambiental, com o desenvolvimento de ações que possibilitam a minimização dos impactos ambientais negativos, potencializando discussões que emergem das relações entre os seres humanos, sociedade e natureza.

Chama que arde e se vê
Ecologia e Meio Ambiente e Cidadania e Comportamento

É possível perceber e mostrar a destruição que vivemos no planeta de maneira poética, sem perder a força e a coragem de apresentar ao mundo as consequências que virão desse modo de viver – e morrer.

Tintas naturais como proposta de atividade de Educação Ambiental, Ciência e Artes
Ecologia e Meio Ambiente, Geografia e Educação Artística

Uma das formas de valorizar o meio ambiente é apresentar usos da natureza, numa prática interdisciplinar. Ao utilizar materiais de diferentes solos para a elaboração de trabalhos artísticos, é possível mostrar a importância dos recursos naturais e motivar os estudantes a mudar seus hábitos, melhorando suas práticas em relação à preservação do meio ambiente.

O período do Quinhentismo no Brasil e na Região da Baía da Ilha Grande e a linguagem do Barroco, o Caminho do Ouro, a arquitetura e a religiosidade paratiense
Ecologia e Meio Ambiente, Física, Geografia, História, Sociologia, Vivências de Sala de Aula, Fotografia, Língua Portuguesa e Literatura e Espaços Urbanos

Seminários apresentados por alunos do CIEP 495 Alberto da Veiga Guignard, de Angra dos Reis/RJ, mostram a influência e as características do Quinhentismo na região da Baía da Ilha Grande, o contexto histórico e literário daquele período. A atividade incentivou a pesquisa e a capacidade de apresentação oral dos estudantes.

Educação para liberdade: a utopia de uma sociedade humanizada
Ecologia e Meio Ambiente, Formação de Professores e Política Educacional

Neste ensaio buscamos evidenciar o papel da educação na formação de cidadãos críticos e reflexivos quanto às desigualdades socioambientais geradas pelo uso desenfreado dos recursos naturais. Para a desconstrução do sistema de relações de poder e ideologias de classe que ainda encontramos na sociedade atual, devemos partir do princípio de educação como meio de libertação. Valorizar as peculiaridades da sociedade em que cada discente está inserido é o primeiro passo para reconhecer e integrar as várias formas de ensinar por meio de exemplos e experiências que reflitam o ambiente que o circunda. Levar para a sala de aula os conhecimentos culturais e suas aplicações como instrumento de ação social e políticas públicas se enquadra na busca por uma sociedade mais justa, humanitária e com menos desigualdades socioambientais.

Caminhos do Saber: uma experiência didático-pedagógica
Ecologia e Meio Ambiente, Geografia, História, Formação de Professores, Instituição Escola, Vivências de Sala de Aula, Cidadania e Comportamento, Educação Artística, Fotografia, Língua Portuguesa e Literatura, Espaços Urbanos, Política Cultural e Política Educacional

Um grupo de professores da Paraíba, membros de uma ONG, vem fazendo passeios voltados para desenvolver suas culturas de modo que estejam sempre atentos para compreender mais e melhor a sua região, a sua história; com isso, esses professores poderão ensinar mais e melhor.

O uso de paródias musicais no ensino de Zoologia: Platyhelminthes
Zoologia, Biologia e Biociências e Música

As atividades lúdicas estimulam a criatividade e a socialização; aí se inserem as paródias, que podem facilitar a memorização de informações, pois a música é uma arte universal que une as pessoas. Uma atividade em Biologia empregou paródias para trabalhar conceitos e informações em Zoologia.

Abordagem da temática ambiental no 1º ciclo do Ensino Fundamental: propostas didáticas e reflexões
Ecologia e Meio Ambiente, Biologia e Biociências, Química e Vivências de Sala de Aula

As ações do ser humano afetam a natureza e a qualidade de vida no nosso planeta. Por isso, as atividades relacionadas à Educação Ambiental dizem respeito a todos os níveis de educação. Este trabalho apresenta atividades pensadas por alunos de uma escola normal para que fossem utilizadas no primeiro segmento do Ensino Fundamental.

Museu Nacional
Ecologia e Meio Ambiente

A destruição que atingiu o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, em setembro de 2018, vira poesia, resgatando a emoção, a dor, as expectativas de todos os envolvidos com aquele colosso de nossa história e de nossa ciência.