Biblioteca

Filtrar os artigos

Pesquisar na Biblioteca

Selecione uma ou mais opções

Nível de ensino

Selecione uma ou mais opções

Natureza do trabalho

Selecione apenas uma opção

Categoria de Ensino

Selecione uma ou mais opções

Ciências Ambientais

Ciências da Saúde

Ciências Exatas e da Terra

Ciências Humanas

Educação

Letras, Artes e Cultura

Políticas Públicas


Filtros aplicados:

Categoria de Ensino: Antropologia; Arqueologia; Comunicação; Direito; Economia; Filosofia; Geografia; História; Psicologia; Sociologia; Teologia
Limpar filtros
A Teoria da Aprendizagem Significativa e o ensino de História
Filosofia, História e Vivências de Sala de Aula

O presente trabalho propõe pensar a Teoria da Aprendizagem Significativa dentro do ensino de História. Os autores pensam ser possível analisar outras formas de aprendizado, não priorizando a repetição mecânica de conceitos decorados. Com esse objetivo, este trabalho baseou-se nos textos de Ausubel e de Marco Antonio Moreira, visando à aproximação da referida teoria ao ensino de História.

Herói, anti-herói e vilão: a percepção crítica contextualizada à sala de aula
Psicologia, Vivências de Sala de Aula, Cidadania e Comportamento e Língua Portuguesa e Literatura

Este artigo apresenta um relato de experiência em aulas de Língua Portuguesa, nas turmas de 7º ano do Ensino Fundamental em uma escola estadual de Minas Gerais, visando ao desenvolvimento do senso crítico dos alunos. O conteúdo desenvolvido, que está no plano de curso da escola, foi “reflexão crítica dos mitos do herói, anti-herói e vilão”. Para cumprir o objetivo proposto, fez-se necessário pensar em estratégias que lhes despertassem o interesse pelo conteúdo, tendo em vista que a experiência de sala de aula demonstra o descaso de grande parte dos alunos pela disciplina. A abordagem iniciou-se em atividade diagnóstica e seguiu-se por meio de dinâmica oralizada, método apresentado pelos PCN (1998) como estratégia eficiente. Finalmente, foram feitos trabalhos escritos (em equipes) e apresentados à turma, seguindo a metodologia do aluno como sujeito ativo. As atividades associadas aos conhecimentos prévios dos alunos despertam maiores interesses pelas aulas e o desenvolvimento do senso crítico é algo gradativo e permanente na vida do estudante.

Estudo do fluxo do conhecimento em uma sala de aula por meio de redes egocêntricas de monitoria
Matemática, Sociologia, Educação Especial e Inclusiva, Educação Infantil, Instituição Escola e Vivências de Sala de Aula

As atividades de monitoria voltadas ao ensino básico podem constituir formas de educação adicionais que ajudam a preencher lacunas de aprendizagem e difundir o conhecimento em sala de aula. Uma forma de melhor entender o fluxo desse conhecimento disseminado por meio de alunos monitores é pela utilização de técnicas de análise de redes sociais. Por meio da modelagem de redes egocêntricas, baseadas em um indivíduo focal, é possível mapear o fluxo de informações e utilizar métricas de análises que permitam entender a difusão do conhecimento e o posicionamento do monitor na rede formada. Este estudo realizou a análise de uma rede baseada na monitoria de Matemática e Física em uma turma do 2º ano do Ensino Médio com o objetivo de entender os fluxos de conhecimento e demonstrar os benefícios potenciais da análise de redes egocêntricas para esse fim. Como resultados, foi possível entender as limitações do fluxo de conhecimento e questões importantes que caracterizam as ações de monitoria na turma, demonstrando as potencialidades do método utilizado.

Resenha do filme moçambicano “Virgem Margarida”
Antropologia, Direito, História, Psicologia, Sociologia, Instituição Escola, Cidadania e Comportamento, Cinema, Teatro e TV, Espaços Urbanos, Política Cultural e Política Educacional

Uma película moçambicana mostra o tênue limite entre a valorização da mulher que é trazida pelos ventos do socialismo que venceu a guerra contra o colonialismo e as aptidões autoritárias de uma falsa moralidade dos costumes, muito próxima dos padrões pequeno-burgueses.

A diversidade de culturas no Brasil: como valorizá-las na prática educativa da sala de aula?
Antropologia, Comunicação, Filosofia, História, Sociologia, Educação a Distância, Educação Especial e Inclusiva, Educação Infantil, Formação de Professores, História da Educação, Instituição Escola, Vivências de Sala de Aula e Política Educacional

O presente trabalho objetiva entender as diversas tradições culturais brasileiras para compreender os elementos comuns e singulares entre elas e como lidar com essa diversidade e a questão de gênero em sala de aula. Nenhuma cultura é superior ou melhor que a outra, apenas diferente; é nessa perspectiva que se deve trabalhar para entender e respeitar as diversas culturas e suas manifestações, pois, etnocentrismo, estereótipo, preconceito e discriminação são ideias e comportamentos que negam humanidade às suas vítimas.

Discurso emancipador e identidade em "Negritude – usos e sentidos", de Kabengele Munanga: uma proposta de resenha
Comunicação, Filosofia, História, Psicologia, Sociologia, Formação de Professores, Vivências de Sala de Aula, Folclore e Datas Importantes, Língua Portuguesa e Literatura, Outras Mais Específicas e Política Cultural

A negritude é o sentimento que liga secretamente todos os irmãos negros do mundo, que leva a ajudá-los a preservar uma identidade comum. A negritude é tudo aquilo que diz respeito à raça negra; é a consciência de pertencer a ela e de se entender como um ser que está devidamente relacionado a ela, uma vez que traços físicos e até mesmo mentais indicam uma herança negra ou negroide (habitantes fora de África que compartilham traços físicos com os habitantes desse continente).

Literatura negra como prática de ensino no combate à discriminação racial
História, Vivências de Sala de Aula, Língua Portuguesa e Literatura, Política Cultural e Política Educacional

Este trabalho sugere a utilização de poesias de autores negros que se voltam para as questões raciais no Brasil, com o objetivo de combater a discriminação racial e valorizar o papel dos africanos e afrodescendentes na formação cultural brasileira, além de realizar um percurso transdisciplinar dos componentes curriculares de Literatura e História, atendendo às orientações da Lei nº 10.639/03.

Slam: literatura e resistência!
Antropologia, Filosofia, História, Sociologia e Língua Portuguesa e Literatura

Uma competição de poesia falada vem movimentando espaços culturais no Brasil: é o Slam, oriundo dos Estados Unidos. Participam dessa batalha poesias faladas de até três minutos, sem objetos cênicos ou acompanhamento musical. O tema é livre, mas grupos historicamente excluídos vêm ocupando esse espaço de expressão artística, como forma de dar visibilidade às suas lutas.

Relatório de um estágio supervisionado em Sociologia
Antropologia, Sociologia, Formação de Professores, Instituição Escola e Vivências de Sala de Aula

A pesquisa realizada para conclusão da disciplina Estágio Supervisionado em uma escola de tempo integral localizada no interior cearense mostra que é possível alcançar uma educação de qualidade numa escola pública, em que os atores (professores, alunos, servidores, gestores) sejam respeitados e considerados corresponsáveis pelas ações educativas.

Febre terçã
Saúde, Antropologia, Psicologia, Cidadania e Comportamento, Língua Portuguesa e Literatura e Espaços Urbanos

Dentro de um ônibus velho, lotado e tórrido, num dia de muito calor e numa viagem longa atravessando várias ruas da Zona Sul do Rio de Janeiro, várias coisas podem acontecer, além da conversa das amigas. E muitas vezes essas coisas acontecem mesmo.