Biblioteca

Filtrar os artigos

Pesquisar na Biblioteca

Selecione uma ou mais opções

Nível de ensino

Selecione uma ou mais opções

Natureza do trabalho

Selecione apenas uma opção

Categoria de Ensino

Selecione uma ou mais opções

Ciências Ambientais

Ciências da Saúde

Ciências Exatas e da Terra

Ciências Humanas

Educação

Letras, Artes e Cultura

Políticas Públicas


Filtros aplicados:

Categoria de Ensino: Antropologia; Arqueologia; Comunicação; Direito; Economia; Filosofia; Geografia; História; Psicologia; Sociologia; Teologia
Limpar filtros
Igualdade de gênero no ambiente escolar
Direito, Educação Infantil, Formação de Professores, Instituição Escola, Cidadania e Comportamento, Outras Mais Específicas, Política Cultural e Política Educacional

É pela educação que o mundo pode ser transformado. As escolas devem ser refúgio para as crianças, especialmente para aquelas que vivem em cidades e bairros marginalizados, afetados pelas desigualdades sociais. É vital que a comunidade acadêmica realize pesquisas para compreender a escala e o alcance da desigualdade de gênero relacionada ao ambiente escolar e para desenvolver políticas a fim de eliminá-las. Construir a igualdade de gênero na escola é evitar que ocorram processos de discriminação. Nesse contexto buscamos analisar as posturas de meninos e meninas no ambiente escolar e as ações dos educadores e programas que estão sendo desenvolvidos para a discussão de gênero.

Debates decorrentes das “duas culturas”: caminhos para uma educação igualitária por Charles Snow e Zygmunt Bauman
Filosofia, História, História da Educação e Política Educacional

Bauman e Snow, grandes nomes do cenário sociológico internacional, são de grande importância para este trabalho; eles contribuem para que consigamos entender como nos posicionar com relação a esse distanciamento entre as ciências humanas e as exatas. Servirão de aporte teórico, comparando ideias e estudos relacionados a sociedade, cultura e educação.

Dificuldades de aprendizagem? A escola do século XIX se arrasta até o século XXI
Antropologia, Filosofia, Sociologia, Avaliação, Educação Especial e Inclusiva, Educação Infantil, Formação de Professores, História da Educação, Instituição Escola, Vivências de Sala de Aula, Espaços Urbanos, Política Cultural e Política Educacional

As dificuldades de aprendizagem ganham mais espaço com o passar dos dias e o avanço do conhecimento científico, chamando mais a atenção de pais, professores e profissionais envolvidos na área, devido ao grande número de “diagnósticos” que têm sido fechados. Diante dessa problemática, precisamos avaliar se os casos são fruto de dificuldades de aprendizagem ou de ensinagem. O modelo de escola, as metodologias de ensino e os modelos de sala de aula são praticamente os mesmos desde o século XIX e vêm se arrastando até os dias atuais.

O filósofo e o poeta: a gaia ciência da vida em Nietzsche e Vinicius de Moraes
Filosofia e Língua Portuguesa e Literatura

Analisando as obras desses expoentes – um do século XIX, outro do século XX –, percebe-se que existe um importante ponto de convergência entre a filosofia de Nietzsche e a poesia de Vinicius de Moraes: a vida, a alegria, a tragédia de viver, a vida como obra de arte.

“Seu filho anda falando muito na aula”
Comunicação, Filosofia, Sociologia, Avaliação, Educação Infantil, Formação de Professores, Instituição Escola, Vivências de Sala de Aula, Outras Mais Específicas e Política Educacional

Este artigo tem como objetivo propor uma discussão teórica a respeito de determinadas tradições discursivas (TDs) que salientam disparidades socioculturais em ambiente escolar, mais especificamente na relação professor-aluno. Para tanto, parte de uma teorização acerca da maneira como determinadas expressões veiculam ideias preconcebidas em senso comum pouco interessante à construção do conhecimento colaborativo, na medida em que são legitimadas pela linguagem – aqui tratada como um fenômeno sociocultural que muito tem a dizer sobre as estruturas sociais não só da Escola, mas também de outros setores sociais.

Documentos históricos: ferramenta do historiador e da práxis pedagógica do docente
História e Formação de Professores

Há muitos anos, os documentos históricos eram utilizados no método pedagógico tradicional como comprovação de que algo aconteceu ou como reforço de conteúdo. Este artigo busca refletir sobre eles e seu uso pedagógico nas escolas. Por revisão bibliográfica, foi possível refletir sobre a utilidade e funcionalidade para o ensino, com o aporte teórico de autores como Haidt, Hobsbawm e Libâneo, entre outros.

Reflexões sobre a formação de professores: características, histórico e perspectivas
Antropologia, Comunicação, Educação Especial e Inclusiva, Educação Infantil, Formação de Professores e Política Educacional

O presente trabalho é fruto de uma pesquisa bibliográfica sobre a formação docente ao longo da história. A maioria dos países, como o Brasil, ainda não obteve êxito em alcançar os padrões mínimos para colocar a profissão docente à altura da sua importância social. Percebe-se também a permanência da dissociação entre teoria e prática pedagógica.

Personagens-deuses-afros e suas mitologias – em busca das narrativas perdidas na escola
Antropologia, Vivências de Sala de Aula, Língua Portuguesa e Literatura e Política Educacional

O respeito à diversidade religiosa deve ser praticado na escola, de modo a criar uma cultura de tolerância; se o Brasil é um país laico, deve preservar e valorizar todas as denominações religiosas, sem preconceito. Uma experiência escolar mostra como isso pode ser feito.

O funcionamento dos ecossistemas: a natureza é macunaímica
Ecologia e Meio Ambiente, Biologia e Biociências, Filosofia e Língua Portuguesa e Literatura

A ciência não é neutra; as interferências religiosas, ideológicas e culturais estão presentes na formulação de qualquer proposta de conhecimento. Ao comparar os mundos de Macunaíma e de Alice, é possível perceber a diferença: enquanto a obra de Carroll cita 37 espécies de seres vivos (excetuando os humanos), a de Mário de Andrade relaciona 371, dez vezes mais! E, ao contrário dos personagens de Alice, a natureza se aproxima mais do modelo macunaímico, de viver e se desenvolver com pouco esforço.

Diversidades étnico-raciais na Educação Infantil
História, Psicologia e Educação Infantil

Este artigo trata da importância que têm práticas pedagógicas que abordem as diversidades étnico-raciais na Educação Infantil, pois essas práticas, realizadas desde o início da escolarização, faz com que a criança crie o sentimento de pertencimento racial e respeito à diversidade; para tanto, é necessária a formação docente inicial e a continuada.