Biblioteca

Filtrar os artigos

Pesquisar na Biblioteca

Selecione uma ou mais opções

Nível de ensino

Selecione uma ou mais opções

Natureza do trabalho

Selecione apenas uma opção

Categoria de Ensino

Selecione uma ou mais opções

Ciências Ambientais

Ciências da Saúde

Ciências Exatas e da Terra

Ciências Humanas

Educação

Letras, Artes e Cultura

Políticas Públicas


Filtros aplicados:

Categoria de Ensino: Avaliação; Educação a Distância; Educação Especial e Inclusiva; Educação Infantil; Formação de Professores; História da Educação; Instituição Escola; Vivências de Sala de Aula
Limpar filtros
Educação Infantil sob a perspectiva da Base Nacional Comum Curricular
Educação Infantil

Este trabalho aborda a Educação Infantil sob a perspectiva da Base Nacional Comum Curricular, cujo objetivo é investigar como a organização curricular dessa etapa de ensino está estruturada no documento. Para a realização da pesquisa, foi realizada uma revisão teórica acerca da história da Educação Infantil, apresentação da Base Nacional Comum Curricular, bem como seus principais objetivos, seu conceito de criança e as suas orientações curriculares para a organização da Educação Infantil. O estudo foi feito com base em análise qualitativa, por meio da pesquisa bibliográfica e documental.

A Educação com Pessoas Jovens, Adultas e idosas (Epjai), a Matemática e o Cordel: a história de um encontro
Matemática e Vivências de Sala de Aula

O formato do resumo já diz ao que o texto vem:
ele vem escrito em versos não por desprezo ou desdém
das normas da Academia (nós sabemos que ela as tem!);
mas pra adiantar o tema, numa expressão enfática,
que é a articulação literária, política e didática
da Educação com jovens, gente adulta e com mais prática
com a arte do Cordel
e saberes de Matemática.

Ofensiva neoliberal e as implicações na área educacional
História da Educação, Instituição Escola e Política Educacional

A mundialização do capital trouxe novas configurações para a área educacional. No Brasil, desde 1995, aprofundou-se a ideia de desresponsabilização do Estado quanto à oferta dos serviços públicos. O campo educacional se tornou um mercado competitivo para as empresas especialistas em serviços educativos; a vinda dos empresários da Educação para a formulação e avaliação das políticas públicas levou à competição entre as escolas. A lógica mercantil adentrou os espaços educativos no processo de incorporação da competitividade empresarial no setor público; o gerencialismo passou a ser a base de reorganização do trabalho educativo.

Um contato com a África por meio do gênero literário conto no Ensino Fundamental
Vivências de Sala de Aula e Língua Portuguesa e Literatura

Este texto compartilha a experiência na disciplina Estágio Supervisionado em Língua Portuguesa I do curso de Licenciatura em Letras da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab). Por meio da experiência, observamos o cotidiano escolar e desenvolvemos atividades pedagógicas relacionadas ao gênero literário conto em turma de 6º ano de uma escola da rede municipal de Redenção-CE. Valemo-nos das orientações prescritas pelos Parâmetros Curriculares Nacionais, das exigências da Lei nº 10.639/03, bem como dos modernos estudos linguísticos e consideramos os pressupostos de Dolz, Noverraz e Schnewly.

A Educação do Campo como espaço de aprendizagem coletiva, resistência e fortalecimento identitário
Ecologia e Meio Ambiente, Antropologia, Geografia, História, Sociologia, História da Educação, Vivências de Sala de Aula, Cidadania e Comportamento e Política Educacional

Este artigo tem como objetivo analisar a contribuição da Educação do Campo para o processo de aprendizagem, por meio de práticas coletivas que envolvem não apenas os estudantes, mas também toda a comunidade. Inicialmente, são apresentados os contextos políticos em que esses espaços se inserem. Em seguida, os conceitos e o desenvolvimento da Educação do Campo e das escolas rurais. Logo, são consideradas as relações com a coletividade e os impactos nas regiões onde essas escolas estão inseridas, destacando seu papel no desenvolvimento da consciência histórica e geográfica.

Semeando Artistas: a contribuição de Ciências Naturais e Artes Visuais no processo de alfabetização
Biologia e Biociências, Vivências de Sala de Aula e Educação Artística

Nos anos iniciais do Ensino Fundamental, a decodificação do código da escrita se torna o principal foco do processo de ensino-aprendizagem. Por isso, esta prática foi criada com o objetivo de intervir no processo de alfabetização e letramento por meio da construção de um livro coletivo e interdisciplinar entre Ciências e Artes Visuais. Realizou-se uma sequência didática com 34 estudantes do 1º ano no primeiro semestre de 2022. Fez-se aula de campo de Ecologia para reconhecer seres vivos e não vivos e ilustrações do conteúdo explorado. O livro Semeando Artistas contém narrativa lúdica que incentiva a curiosidade, a criatividade e a autonomia do leitor.

Políticas educacionais e o ensino de Sociologia: a reforma do Ensino Médio de 2017 e o cenário de consequências para o pós-ensino remoto
Sociologia, História da Educação, Vivências de Sala de Aula, Cidadania e Comportamento e Política Educacional

A emergência de uma política conservadora pós-impeachment de Dilma Rousseff trouxe consigo uma agenda neoliberal. Em razão dos múltiplos impactos à sociedade pelas outorgas de um programa de governo ferino, figurado na Lei nº 13.415/17, foi realizada uma análise situacional e foram tratados os possíveis futuros impactos dessa norma por meio de revisões bibliográficas em caráter exploratório. Apresenta-se neste trabalho uma reflexão histórica da disciplina Sociologia em razão dos lastros de uma política pública educacional impregnada de pensamento colonialista e classista.

A disciplina Projeto de Vida na EJA: o desafio da adequação de conteúdos na produção de atividades
Formação de Professores

Com a aprovação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) houve a inserção da disciplina Projeto de Vida na matriz curricular do Novo Ensino Médio. Com o intuito de contemplar os alunos da Educação de Jovens e Adultos, a Rede CEJA (Centros de Educação de Jovens e Adultos) oferece a modalidade semipresencial, lançou o desafio aos professores de cada unidade para produzir o material. Este artigo visa apresentar os três módulos desenvolvidos para a disciplina ofertada no CEJA-Niterói (cidade da Região Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro); aqui descreveremos os desafios encontrados na construção/adequação desse material para o público da EJA.

Escritores do Futuro: aprendizagem da leitura e da escrita pela prática para mitigar defasagens na aprendizagem nos anos iniciais do Ensino Fundamental
Vivências de Sala de Aula

Com o objetivo de estimular a leitura e a escrita nos três primeiros anos do Ensino Fundamental, o projeto Escritores do Futuro, que relatamos neste artigo, trouxe aos estudantes a possibilidade de escrever seus próprios textos a partir de reflexões sobre a finalidade e o gênero do texto escolhido, com mediação da professora regente. Tal exercício culminou na produção coletiva de livros, valorizando a autonomia e o protagonismo. As produções individuais foram arquivadas em portfólio junto à ficha avaliativa, contendo as habilidades alcançadas, como ferramentas de acompanhamento pedagógico.

Carrinho Sensorial como instrumento de autorregulação para crianças com TEA de gravidade nível 3: relato de experiência
Vivências de Sala de Aula

Crianças com TEA, baixo grau de interação e déficits cognitivos e motores frequentemente não conseguem ser incluídas no ambiente escolar regular. Nesse contexto foi criado o projeto Atendimento Educacional Especializado - Transtorno do Espectro Autista, por meio do qual as crianças são estimuladas de acordo com suas necessidades em caráter transitório, visando sua participação em salas de aula regulares. Um dos desafios encontrados foi compreender como amenizar as crises que acometem os alunos. Para isso, criou-se o “Carrinho Sensorial”, eficaz meio de autorregulação desses alunos.